14 janeiro 2023

Maioria dos adolescentes afirma ter visto pornografia aos 13 anos, revela pesquisa

 

Quase três em cada quatro adolescentes viram pornografia em algum momento de suas vidas, com mais da metade vendo material sexualmente explícito pela primeira vez aos 13 anos, de acordo com um novo estudo. 

A Common Sense Media, que se descreve como "a principal organização sem fins lucrativos do país dedicada a melhorar a vida de todas as crianças e famílias, fornecendo informações confiáveis, educação e voz independente de que precisam para prosperar no século 21", divulgou um relatório na terça-feira intitulado "Adolescentes e Pornografia."

O relatório é baseado em respostas a uma pesquisa online com 1.358 adolescentes com idades entre 13 e 17 anos. A pesquisa foi realizada pelo Benenson Strategy Group de 12 a 21 de setembro de 2022.

A maioria dos entrevistados (54%) disse que viu pornografia online pela primeira vez aos 13 anos ou menos.

Quinze por cento relataram ter visto pornografia online pela primeira vez aos 10 anos ou menos, enquanto 73% dos adolescentes em geral admitiram ter visto pornografia em algum momento durante a adolescência.

Dentro da amostra pesquisada, uma pluralidade de adolescentes viu pornografia pela primeira vez entre 11 e 13 anos (39%), enquanto parcelas menores viram pornografia pela primeira vez entre 14 e 15 anos (17%) e 16 e 17 (3%).

"Envolver-se com pornografia tem sido uma parte da exploração do sexo por muitos adolescentes, mas o acesso irrestrito a conteúdo pornográfico online tem alimentado a preocupação, deixando os pais se perguntando como abordar o assunto com seus filhos", disse o fundador e CEO da Common Sense Media, James Steyer. em comunicado na  terça-feira. 

“Mas esta pesquisa confirma que é hora de os pais conversarem com os adolescentes sobre pornografia, da mesma forma que falamos sobre sexo seguro e uso de drogas, para ajudá-los a construir um melhor conhecimento e atitudes mais saudáveis ​​sobre sexo”.

A pesquisa também perguntou aos adolescentes se eles viam pornografia intencionalmente ou acidentalmente. Quinze por cento dos entrevistados se depararam com pornografia online "de propósito", sugerindo que procuraram o material, enquanto 29% disseram que o viram "acidentalmente".

Outros 29% consumiam pornografia "de propósito" e "acidentalmente".

Esses números sugerem que 44% dos adolescentes viram pornografia "de propósito" pelo menos uma vez, enquanto a maioria (58%) viu pornografia "acidentalmente" em pelo menos uma ocasião.

Parcelas aproximadamente iguais de meninos heterossexuais que não se identificam como trans (75%) e meninas heterossexuais que não se identificam como trans (70%) disseram ter visto pornografia online. No entanto, a maioria desses meninos (52%) afirmou que seu consumo de pornografia era deliberado, enquanto 36% das meninas disseram o mesmo.

Entre os 71% dos adolescentes que assistiram pornografia intencionalmente na última semana, 59% disseram aos pesquisadores que viram o material pelo menos uma vez por semana ou mais, enquanto 41% afirmaram que assistiram menos de uma vez por semana.

Quando perguntados se tinham visto pornografia na última semana, a esmagadora maioria dos adolescentes identificados como LGBT (77%), meninos heterossexuais

(76%) e adolescentes entre 13 e 14 anos (75%) responderam afirmativamente.

Indagando sobre os sentimentos dos entrevistados em relação à pornografia, a pesquisa perguntou aos adolescentes se eles concordavam com uma declaração proclamando que "acredito que assistir pornografia online é errado". Quarenta e um por cento concordaram com a afirmação, enquanto 38% discordaram dela.

Dois terços dos adolescentes (67%) que já viram pornografia relataram sentir-se "bem com a quantidade de pornografia online que vejo", enquanto 25% acham que "deveriam assistir menos pornografia online do que eu". Nove por cento expressaram o desejo de "assistir mais pornografia online do que eu".

Metade dos adolescentes (50%) relatou sentir-se "culpado ou envergonhado" depois de assistir pornografia, incluindo 41% daqueles que se sentem satisfeitos com a quantidade de pornografia que consomem e 36% daqueles que gostariam de assistir mais.

Setenta e nove por cento dos adolescentes que já viram pornografia citaram aprender sobre "como fazer sexo" e "corpos humanos e anatomia" como razões para consumir o material.

Outras lições comuns aprendidas com o consumo de pornografia incluem descobrir "que tipos de comportamentos sexuais provavelmente me darão prazer" (73%), "que tipos de comportamentos sexuais provavelmente me darão prazer a um parceiro sexual" (73%), " que tipos de parceiros acho atraentes" (72%) e "quais comportamentos sexuais estou interessado em experimentar" (72%).

Embora o relatório ilustre o uso comum de pornografia online entre os adolescentes, o material sexualmente explícito aparece como o quarto método mais frequente para aprender sobre sexo.

Quase metade (47%) dos adolescentes identificou um "pai, cuidador ou outro adulto de confiança" como fonte de conhecimento sobre sexo, 41% disseram que seus amigos os ensinaram sobre sexo, 32% apontaram a educação sexual na escola e 27% listaram pornografia.

Supreet Mann, gerente de pesquisa da Common Sense Media e co-autor do relatório, expressou esperança de que os dados "levem as conversas nacionais, locais e familiares sobre pornografia além das suposições sobre o que pensamos que os adolescentes estão fazendo para uma base baseada em fatos que realmente retrata as experiências dos adolescentes." 

"Ao fazer isso, os pais, educadores e responsáveis ​​pela vida das crianças podem atender melhor às suas necessidades", disse Mann. 

Ryan Foley é repórter do The Christian Post.

 

10 janeiro 2023

O PRINCÍPIO DA GENEROSIDADE

 


O PRINCÍPIO DA GENEROSIDADE

Prov. 11:25 “A alma generosa prosperará e aquele que atende também será atendido”.

O princípio da liberalidade permeia toda a Bíblia. Desde Jacó que teve um sonho com a escada que ligava o céu a terra e disse que certamente daria o dízimo de tudo o que o Senhor lhe desse, se este fosse consigo, passa por provérbios e chega ao Novo Testamento nos dizeres de Paulo que Deus ama ao que dá com alegria.

Nosso texto diz: A alma liberal será engordada , .... Ou, "a alma da bênção", isto é, como a versão da Vulgata Latina a traduz, "a alma que abençoa"; não que apenas ora por uma bênção para os outros, deseja-lhes o bem e lhes dá boas palavras; mas concede-lhes bênçãos, dá-lhes boas coisas liberal, alegre e abundantemente; e assim é uma bênção para os pobres e recebe uma bênção deles novamente; como tal também fazem do Senhor, por quem eles são "engordados"; ou são abençoados com bênçãos temporais e espirituais; e estão em circunstâncias prósperas e florescentes, tanto na alma quanto no corpo. Assim, aquele que chega repleto das bênçãos do Evangelho de Cristo para os outros é enriquecido com elas e torna-se cada vez mais próspero em dons e graça, aquele que reparte, distribui o Evangelho da salvação, receberá salvação em sua casa.

“e aquele que regar também será regado”; aquele que compartilha amplamente com os outros, como uma fonte de água corrente, terá uma abundância comunicada a ele novamente por Deus, a fonte inesgotável de misericórdias. Regar as plantas na vinha de Cristo é uma parte do trabalho de um ministro do Evangelho; "Eu plantei, Apolo regou", c. 1 Coríntios 3: 6 e aqueles que fazem bem o seu trabalho são regados, recompensados, revigorados e consolados por Deus, sendo amplamente ensinados e ricamente providos para tal serviço por ele.

Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando, vos deitarão no vosso regaço. Lc 6:38

SOLI DEO GLORIA

Pr. Luiz Fernando R. de Souza

 

08 dezembro 2022

439 igrejas do Texas deixam UMC em meio ao cisma sobre a posição da denominação sobre a homossexualidade

 

White's Chapel de Southlake, Texas. Em 7 de novembro de 2022, a congregação votou para deixar a Igreja Metodista Unida. Captura de tela: YouTube/Drone Star State

Mais de 400 congregações no Texas votaram para deixar a Igreja Metodista Unida em meio ao cisma contínuo da denominação protestante sobre questões LGBT. 

No fim de semana, os órgãos regionais da UMC no Texas votaram para aprovar os votos de desfiliação de centenas de igrejas, com a maioria planejando se juntar à recém-criada Igreja Metodista Global . 

O número total de congregações que partiram inclui 294 das 598 igrejas pertencentes à Conferência Central do Texas, com sede em Houston, e 145 das 201 igrejas pertencentes à Conferência do Noroeste do Texas, com sede em Lubbock, informou o The Dallas Morning News .

As congregações que partem constituem quase a metade de todas as congregações da UMC no Texas e se somam a centenas de igrejas em outros estados que tiveram suas saídas confirmadas por seus órgãos regionais. 

A UMC tem enfrentado um debate polêmico sobre sua posição oficial sobre a homossexualidade, conforme estabelecido em seu Livro de Disciplina, que proíbe a bênção de uniões do mesmo sexo e proíbe a ordenação de homossexuais não celibatários. 

Embora os liberais teológicos tenham falhado em mudar a postura oficial, muitos líderes se recusaram a aplicar ou seguir as regras, levando a muita frustração entre os conservadores teológicos. 

Um exemplo é a eleição da Rev. Karen Oliveto como bispo da UMC Mountain Sky Area. Enquanto Oliveto está em um casamento entre pessoas do mesmo sexo e teve sua eleição declarada inválida pelo Conselho Judicial Metodista Unido em 2017, a partir deste mês, ela permanece no cargo. 

Mark Tooley, chefe do teologicamente conservador Instituto de Religião e Democracia, colocou a contagem de igrejas que deixaram a UMC nos últimos meses para mais de 1.300 em um artigo recente , com a expectativa de mais. 

“Até o final do próximo ano (o prazo para sair com a propriedade da igreja), pelo menos 3.000 e possivelmente 5.000 igrejas devem sair”, escreveu Tooley um dia antes das conferências do Texas finalizarem a saída das igrejas. e

“As agências denominacionais estão se preparando para uma queda de 38% no financiamento para 2025-2028, o que implica uma perda aproximada de membros esperada de 2,3 milhões de membros dos quase 6,3 milhões que a denominação tinha nos Estados Unidos em 2020. Isso não é um êxodo menor. "

O Rev. Nathan Lonsdale Bledsoe, pastor sênior da Igreja Metodista Unida de St. Stephen de Houston, disse ao The Texas Tribune que acredita que as saídas refletem a divisão geral nos Estados Unidos. 

"É paralelo a este momento no mundo mais amplo", disse Bledsoe, cuja congregação planeja permanecer com o UMC. "É um momento difícil para unir as pessoas. Nós realmente refletimos a fragilidade da cultura e do mundo."

Em maio, o GMC foi oficialmente lançado para servir como uma alternativa teologicamente conservadora ao UMC, com muitas congregações Metodistas Unidas decidindo se juntar à nova denominação. 

No mês passado, a Conferência UMC da Carolina do Norte realizou uma sessão especial para aprovar oficialmente os votos de desfiliação de 249 congregações, quase um terço das igrejas membros da conferência.

"O futuro é brilhante, especialmente porque Deus tem algo a ver com isso", disse o bispo da Carolina do Norte, Leonard E. Fairley, em um comunicado. "Sabemos o final desta história por causa de quem Jesus Cristo é. Que vocês se considerem queridos, independentemente do que votamos aqui. Tenham uns aos outros queridos em suas orações." 

E-mail: michael.gryboski@christianpost.com Siga Michael Gryboski no Facebook: michael.gryboski Siga Michael Gryboski no Twitter: MichaelGryboskiCP

07 novembro 2022

UM ESTUDO DE CASO NO COLAPSO DO PROTESTANTISMO LIBERAL

 


Por Rob Schwarzwalder , Colaborador Convidado CP| sábado, 05 de novembro de 2022

Pessoas inclinam suas cabeças em oração durante um culto de domingo à noite na Igreja Presbiteriana Ortodoxa da Graça em Lynchburg, Virgínia, em 17 de janeiro de 2016. | Nicholas Kamm/AFP via Getty Images

A Igreja Presbiteriana nos EUA decidiu adicionar uma “categoria não-binária/genderqueer” ao formulário que usa para coletar informações sobre seus membros.

“Sempre perguntamos quantos membros femininos existem na igreja”,  diz Kris Valerius , que gerencia funções e estatísticas denominacionais. Agora estamos perguntando quantos homens, mulheres e membros não-binários/genderqueer existem. Nunca fizemos essa pergunta, então não sabemos quantas pessoas vão preenchê-la.”

Bem, esse último ponto faz sentido: não pergunte nada e você provavelmente não saberá a resposta. A questão maior, porém, é por que perguntar sobre algo que deveria ser irrelevante para a vida do corpo de Cristo?

Isso não quer dizer que as pessoas que lutam com a identidade de gênero não são importantes e não precisam de cuidados pastorais e da compaixão de amigos cristãos amorosos. Em vez disso, Valério disse: “Se queremos ser inclusivos, temos que começar a perguntar porque você deve estar ciente de quem faz parte de sua igreja”. Aí está: “inclusão”, um dos termos favoritos da arte política do liberalismo religioso. É também um uso indevido da palavra.

Se pessoas que fizeram cirurgia transgênero entram em uma igreja seguidora de Cristo, elas devem ser acolhidas calorosamente e incluídas na vida da Igreja – até certo ponto. Como o resto de nós pecadores, eles precisariam se arrepender de violações conhecidas da Palavra de Deus em suas vidas para se tornarem membros e participarem da plena comunhão e atividades de sua nova família da igreja.

Isso seria verdade para um casal não casado que vive junto – eles precisariam se casar para se juntar a uma congregação fiel. Seria verdade para alguém que admitisse a amargura ao longo da vida e precisasse abandoná-la para se filiar à Igreja. Seria verdade para alguém que viesse acreditando que poderia chegar ao Céu por seu próprio mérito – ele precisaria chegar a uma fé transformadora no Salvador. E para as pessoas que se identificam como transgêneros mencionadas acima, isso exigiria que abandonassem um padrão de vida que a Bíblia diz ser errado aos olhos de nosso Criador.

O assunto em questão não é de amor, aceitação ou mesmo inclusão. Trata-se de concordar e endossar algo que viola o claro ensino da Escritura que os cristãos acreditam que nos foi dado sem erro em tudo o que afirma.

Historicamente, o presbiterianismo tem uma das mais ricas tradições teológicas do protestantismo global. Como exemplo, o Breve Catecismo de Westminster, durante séculos um alicerce da ortodoxia reformada, tem sido entendido como uma das declarações mais profundas do ensino cristão já escritas. Agora, porém, a PCUSA abandonou sua herança ortodoxa em várias áreas, desde sua visão da inspiração das Escrituras até, hoje, suas reivindicações sobre a sexualidade humana.

Onde tudo isso chegou a Igreja Presbiteriana-EUA? Em 1983, quando a denominação  foi criada por uma fusão da Igreja Presbiteriana nos Estados Unidos (PCUS) e da Igreja Presbiteriana Unida nos Estados Unidos da América (UPCUSA), tinha 3,2 milhões de membros e 12.000 igrejas. Hoje, “ o total de membros  (é) pouco mais de 1,19 milhão de membros” em 2021 e cerca de 8.800 igrejas. Este é um declínio de adesão de quase 63%.

O PCUSA é típico das outras seis denominações protestantes “principais”. Mark Tooley, presidente do Instituto de Religião e Democracia , observou recentemente que, por volta de 1960, “um em cada seis americanos pertencia a sete denominações protestantes historicamente liberais. Hoje é menos de um em cada 20 americanos.”

Isso não deve ser um choque. Por que frequentar uma igreja que revisa seus ensinamentos para se adequar às exigências da cultura? Se o cristianismo é meramente acreditar em um Cristo que conforta, mas nunca condena, ser gentil com as pessoas e ouvir sermões que elevam a emoção, mas matam a alma, por que se incomodar? Se o Evangelho está vazio e o pecado não é mais pecado, vá jogar golfe, tome um bom brunch e assista a um jogo. Você sentirá o mesmo de qualquer maneira.

Os fiéis seguidores de Jesus sabem que há muito mais na nova vida que Ele oferece. É por isso que o Evangelho é descrito por Paulo como “o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê” ( Romanos 1:16 ). Poder, salvação, confiança em Cristo: as denominações podem falhar, mas o Evangelho nunca falha.


Originalmente publicado no The Washington Stand. 

Rob Schwarzwalder é Professor Sênior no Honors College da Regent University. Antes de vir para a Regent University, Schwarzwalder foi vice-presidente sênior do Family Research Council por mais de sete anos e anteriormente atuou como chefe de gabinete de dois membros do Congresso. Ele também foi assessor de comunicação e mídia de um senador dos EUA e redator de discursos do Exmo. Tommy Thompson, secretário do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA. Por vários anos, foi diretor de Comunicações da National Association of Manufacturers. Enquanto estava no Capitólio, Schwarzwalder atuou nas equipes de membros dos Comitês de Serviços Armados do Senado e da Câmara e do Comitê do Senado com supervisão da política federal de saúde. Seus textos foram publicados em diversas publicações como New York Times, US News, Time Magazine,

 

19 outubro 2022

ALGUNS APONTAMENTOS SOBRE VÍDEO RECEBIDO DE UM COLEGA PASTOR


 ALGUNS APONTAMENTOS SOBRE VÍDEO RECEBIDO DE UM COLEGA PASTOR

Não teço críticas ao pregador, que por sinal, não conheço pessoalmente. Creio na boa intenção do mesmo em afirmar o que afirmou. Somente pondero sobre algumas afirmações que creio ser discordantes em relação à Bíblia e Teologia.

1 - Mortos que ressuscitaram foram os antigos ou patriarcas que foram justificados pela lei?.

R – Não existe nenhuma passagem bíblica para afirmar quem eram. Poderia ser os mais antigos quanto os mais recentes mortos. Se entraram na cidade, podemos deduzir que conheciam alguns dos moradores da cidade, então pode ser que fossem mortos recentes como: João Batista - Zacarias, pai de João Batista - o bom e velho Simeão, José esposo de Maria e outros, bem conhecidos das pessoas agora vivas. Quem sabe exatamente?

2 - Abraão foi Justificados pela Lei ?

Não anulo a graça de Deus; pois, se a justiça é mediante a lei, segue-se que morreu Cristo em vão”. Gl 2.21.

Os judeus não compreenderam o papel da Lei. Primeiro, achavam que podiam guardá-la por seus próprios esforços. Segundo, pensavam que, por guardá-la, teriam méritos para a salvação. A Lei mostrava o ideal de Deus para a conduta humana

Gálatas 3:10 diz: Todos quantos, pois, são das obras da lei estão debaixo de maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas escritas no Livro da lei, para praticá-las.”

Para que a Lei foi dada:

1 – Para mostrar a pecaminosidade do homem

2 – Para mostrar a incapacidade do homem em relação ao pecado e as exigências de Deus

3 – Serviu para conduzir a Cristo

Portanto, a Lei nunca foi dada para salvação e não poderia salvar nenhum homem e ninguém conseguiria cumprir todos os requisitos da Lei. 

Porque qualquer que guardar toda a lei, e tropeçar em um só ponto, tornou-se culpado de todos. Tg. 2:10

 Gal. 3:10-14 “Todos aqueles, pois, que são das obras da lei estão debaixo da maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas que estão escritas no livro da lei, para fazê-las. 11 E é evidente que pela lei ninguém será justificado diante de Deus, porque o justo viverá da fé.12 Ora, a lei não é da fé; mas o homem, que fizer estas coisas, por elas viverá. 13 Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro; 14 Para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios por Jesus Cristo, e para que pela fé nós recebamos a promessa do Espírito”.

Abraão foi justificado pelos sacrifícios de animais?

Não, Abraão foi justificado pela fé na promessa que Deus enviaria o Salvador Jesus Cristo. Rom. 4:1-5

O expositor quer usar a lógica de que Abraão não poderia ter sido justificado pela fé em Cristo porque este não havia vindo ainda. Ele não havia vindo para ninguém. Todos que morreram antes de Cristo e praticaram os sacrifícios de animais, morreram na fé de que o Salvador viria.

Jesus só ressuscitou 3 dias depois porque tinha umas contas para acertar com o diabo?.

Nunca o Senhor do Universo acertaria contas com uma criatura. Isso é ilógico, pois coloca o diabo como um outro deus em pé de igualdade com Deus. Se assim for, viveríamos novamente o maniqueismo. Em filosofia, no universo não pode haver dois Deuses iguais, porém opostos, um anularia o outro.

A Bíblia nunca diz que Jesus entrou no inferno e tomou as chaves da morte e do inferno das mãos do diabo.

houve confusão e mistura os textos de I Pe. 3:19 + Apoc. 1:17-18. Leiamos os textos.

I Pe. 3:18 -20 Porque também Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; mortificado, na verdade, na carne, mas vivificado pelo Espírito;

19 No qual também foi, e pregou aos espíritos em prisão;

20 Os quais noutro tempo foram rebeldes, quando a longanimidade de Deus esperava nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca; na qual poucas (isto é, oito) almas se salvaram pela água;”

Apoc. 1:17-18Quando o vi, caí a seus pés como morto. Porém ele pôs sobre mim a mão direita, dizendo: Não temas; eu sou o primeiro e o último e aquele que vive; estive morto, mas eis que estou vivo pelos séculos dos séculos e tenho as chaves da morte e do inferno”.

Observe que no texto em nenhum momento Jesus diz que “agora tenho” ou “tomei as chaves da morte e do inferno das mãos do diabo”.

Jesus se apresenta como o Soberano Deus eterno (primeiro e último), aquele que venceu a morte e aquele que “tem as chaves da morte e do inferno”. Apenas esse trecho já deixa claro que Jesus não arrancou essas “chaves” das mãos de ninguém.

O pregador fala do verbo Kerygma.

O contexto de I Pe. 3:18-20 que se refere aos tempos de Noé e não uma ida ao inferno para anunciar sua vitória aos espíritos encarcerados.

Aqui existem várias correntes de interpretações deste texto. A mais conservadora aponta para que Cristo por meio do Espirito Santo pregou através de Noé aos seus contemporâneos durante 120 anos, tempo da construção da arca, pela qual os homens poderiam ser salvos, já que o juízo já havia sido decretado e seria executado por meio do dilúvio.

O pregador fala que os demônios tentaram prendê-lo, mas não conseguiram porque Ele não tinha pecado.

Não existe nenhum versículo no Novo Testamento que sugira isso. A Bíblia não fala isso. A fala do pregador vem da sua imaginação e nada mais. 

O pregador fala que enquanto Cristo andava no inferno os demônios fugiam dele.

Não existe nenhum versículo no Novo Testamento que sugira isso. A Bíblia não fala isso. A fala do pregador vem da sua imaginação e nada mais. .

O pregador fala que o escrito de divida foi arrancado e Cristo expôs Satanás publicamente no meio dos demônios.

Vejamos este texto de Col. 2:14-15

“ 14e cancelou a escrita de dívida, que consistia em ordenanças, e que nos era contrária. Ele a removeu completamente, pregando-a na cruz; 15e, despojando as autoridades e poderes malignos, fez deles um espetáculo público, triunfando sobre todos eles na cruz. …

O pregador confundiu textos o Novo Testamento e praticou uma estranha exegese e hermenêutica quando tira e cria imagens de sua cabeça totalmente desprovidas de base bíblica.

 Não existe nenhum versículo no Novo Testamento que sugira isso. A Bíblia não fala isso. A fala do pregador vem da sua imaginação e nada mais. 

Em lugar algum do Novo Testamento diz ou sugere que Cristo colocou o diabo no meio do círculo de demônios tomou as chaves da morte e do inferno das mãos de Satanás e rebaixou sua patente.

Isso é uma lucubração

Não, a exposição do diabo foi na cruz, pois ali ao morrer e depois ressuscitar Ele mostra para seres humanos, anjos e demônios a ineficácia das prisões que o diabo intentava contra os homens. Na cruz foi expostas à vergonha as estratégias e intentos de Satanás em aprisionar a raça humana juntamente com seu fracasso.

A imagem é de um imperador ou general romano que volta das batalhas vitoriosos e traz os reis conquistados amarrados e humilhados, enquanto eles desfilam em seus cavalos brancos e o povo aplaude e ovaciona os vencedores. O destino dos perdedores seria a morte.

O pregador fala que o diabo perdeu as chaves da casa dele e as entregou a Cristo e este à igreja.

Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela”. Mt 16:18

Aqui mais uma vez o pregador confunde o que são as chaves.

E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus”.  Mat. 16:19

Apoc 1:18 “E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno”.

Pela exposição do pregador as chaves que foram dadas à igreja estavam em posse do diabo? Mas o texto de Mat. 16:19 diz que as chaves entregues à igreja eram as chaves do reino dos céus. Então pergunto: As chaves do Reino dos céus estavam em poder do diabo? Se estavam Deus não é onipotente, pois em algum momento o diabo tirou as chaves da posse de Deus.

O pregador fala que se o cristão ligar o que já foi ligado nos céus, tudo o que os cristãos orarem, Jesus descerá e agirá nas causas dos cristãos.

Aparentemente parece ser uma boa palavra, mas totalmente equivocada.

Mat. 18:18 – “Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu”.

O problema com a fala do pregador é o texto bíblico fala especificamente da disciplina eclesiástica.

Aqui a autoridade e a responsabilidade pela admissão à comunidade e o desligamento da comunidade foi dado a igreja. O texto não fala sobre ligar qualquer coisa ou pedido, mas sobre a vida da igreja quando recebe ou desliga membros.

Vale a pena dedicar tempo para Palavra e Teologia. Assim, cresceremos em discernimento.

SOLI DEO GLORIA

Luiz Fernando Ramos de Souza

Maioria dos adolescentes afirma ter visto pornografia aos 13 anos, revela pesquisa

  Quase três em cada quatro adolescentes viram pornografia em algum momento de suas vidas, com mais da metade vendo material sexualmente exp...