05 maio 2022

CRISTIANISMO SEM IGREJA EXISTE?


 CRISTIANISMO SEM IGREJA EXISTE?

O tema de hoje está em voga porque encontramos milhares de cristãos brasileiros soltos sem um vínculo eclesiástico. É uma tendência que não se dissipará rapidamente, pois vem no bojo do pós-modernismo. O pós-modernismo tem como fundamento a desconstrução da realidade existente e um questionamento forte contra a razão, raciocínio lógico e ao mesmo tempo apresenta um forte apelo ao sentimento, introspecção e percepção interna. Assim, a verdade é colocada de lado para aceitação de uma verdade subjetiva, intima e pessoal. Desse modo a realidade da Palavra de Deus é colocada em segundo plano e seus princípios, gerando uma grande instabilidade na igreja institucionalizada.

Não podemos virar o rosto para o outro lado e dizer que isso é um modismo e que logo passará. O Dr. Paulo Romiero em seu livro Decepcionados com a Graça (Sua tese de Doutorado na Universidade Metodista), vai trazer um termo novo usado pela sociologia e aplicado ao cristão que decepcionado com o sistema religioso (sua pesquisa para o doutorado foi dentro de três igrejas: Universal, Internacional da Graça e Renascer em Cristo) é chamado de cristão em trânsito. Esse cristão decepcionado tem um comportamento bem distinto que poderíamos resumir em: Continuam cristãos; procuram megas igrejas para não serem notados e não querem envolvimento com a igreja local. Querem assistir a um culto, ofertar e vão embora, sempre com a perspectiva de não mexam comigo.

Os motivos que levam à criação da terminologia desigrejados são vários e não temos espaço para descrevê-los em detalhes, mas proporei alguns.

1 – Decepção com o sistema religioso.

2 – Problemas de relacionamentos.

3 – Esperanças frustradas diante de promessas que nunca se cumprirão.

4 – Afastamento da Sã Doutrina.

5 – Impessoalidade diante de um enorme contingente de cristãos sem relacionamentos.

6 – Mega-igrejas que despersonalizam os membros e os tornam em números ou consumidores.

 A fé cristã, por excelência, é uma expressão de vida, que em seu cerne, tem como princípio a comunhão. Todo o Novo Testamento direciona os cristãos para uma *viva comunhão*. O Dr. Elton Trueblood, em seu livro “La Iglesia: Um Compañerismo Incendiário”, nos diz que a força da igreja está na comunhão vivificadora entre os cristãos e está baseada na Palavra e no Espírito. Diz também que o companheirismo cristão é altamente explosivo em um mundo desagregado.

O amor cristão ou entre os cristãos é a marca da igreja e esse amor obrigatoriamente não isola o homem, mas o introduz na comunhão dos santos. Nessa comunhão desagua a vida no Espirito. Cristão isolado é presa fácil do diabo. Tire um ramo de uma árvore e o coloque ao lado. Ele mesmo ao lado da árvore, morrerá e será inútil.

Muitos dizem que os cristãos primitivos não tinham igrejas (templos) ou mesmo eram institucionalizados. Não tinham templos por serem perseguidos até quase a chegada de Constantino ao trono de Roma e isso lá pelos idos de 280 A.D. Organizaram-se porque as heresias surgiram rapidamente como o Montanismo em 150 A.D.

Quais as consequências de um cristianismo sem igreja?

Aponto algumas delas ancorado em um texto do Rev. Augustus Nicodemos.

1 - Rejeição da cruz – Ausência de sofrimento.

2 - Espiritualidade individualista - Grande parte da espiritualidade de hoje é voltada principalmente para as experiências individuais e emocionais.

3 - Rejeição de autoridade - Há gente que não quer fazer parte da igreja, por não aceitar submeter-se a nenhuma autoridade.

4 - Consumismo da Fé - Muitos hoje veem a igreja, e o próprio evangelho, como uma mercadoria a ser consumida. Não têm compromisso e procuram igrejas como um cliente.

 Quando um cristão rejeita a comunhão da igreja ele deixa de participar de algumas coisas que somente uma reunião dos salvos proporciona:

A – A própria comunhão dos santos.

B – A Ceia do Senhor.

C – A Disciplina da igreja.

D – A vivência de dons que outros irmãos possuem e compartilham com a igreja local.

E – A Palavra como instrumento de: Ensino – Correção – Instrução – repreensão -

Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra.

F – Cobertura Espiritual – O cristão é preservado por estar alocado o Corpo de Cristo.

G – Heb.  10:25 “Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia”.

Agora se nos apresenta mais um fator de novidade adentrando no arraial dos cristãos que e o Metaverso. Não é novidade no mundo empresarial este termo, mas o é para igreja. No Metaverso, os cristãos criarão seus avatares e entrarão em um ambiente virtual e verão o pastor pregando. Haverá louvores e pregações normais, mas faltará o contato olho no olho, faltará a administração das ordenanças ou sacramentos, faltará a disciplina eclesiástica, faltará a sinergia dos dons espirituais, diminuirá a autoridade do pastor enfim a igreja será transportada para o mundo virtual. No metaverso ocorrerá a privação da palavra como expressão, pois se hoje os grandes conglomerados como Facebook, Twitter, instagran etc exercem censura, o que esperar quando um grande percentual da igreja estiver no metaverso e as censuras forem praticadas em nome de uma politica interna ou classificarem as pregações como discursos de ódio? Enfim, vamos pensar nestas coisas.

Ainda creio que o congregar é fundamental para a fé cristã. Templo físico não é igreja, mas é o ambiente onde podemos expressar a fé em união e unidade.  

Enfim, esta mentalidade de desigrejados, todos perdem e ninguém ganha nada.

Deus nos abençoe.

SOLI DEO GLORIA

Pr. Luiz Fernando Ramos de Souza

 

19 abril 2022

ORTODOXIA SEM VIDA MATA

 E. M. Bounds, um dos homens mais piedosos do século dezenove, disse com acerto: "A ortodoxia morta, mata". Disse ele: "Homens mortos, tiram de si sermões mortos, e sermões mortos, matam".


A ortodoxia é boa, necessária e insubstituível, mas a ortodoxia sem vida é morta. Não adianta apenas defender doutrinas certas, é preciso ter uma vida certa. Não adianta ser ortodoxo de cabeça e herege de conduta.


Que Deus nos livre de sermos crentes áridos como um deserto e insensíveis como uma pedra. Jesus manifestou-se cheio de graça e verdade. Essas coisas não podem ser separadas!

De algum lugar.

Pr. Luiz Fernando - Igreja Batista da Aliança - BH/MG

07 abril 2022

DEUS LEMBRA DE NÓS

 DEUS LEMBRA DE NÓS

Is. 44:21 “Lembra-te destas coisas, ó Jacó, e Israel, porquanto és meu servo; eu te formei, meu servo és, ó Israel, não me esquecerei de ti”.

Este versículo encerra um grande e alentadora verdade, que Deus nunca esquecerá de nós a ponto de não nos amar mais. Como ser eterno e supremo não amou por um período tempo para depois nos esquecer ou colocar de lado, mas no amou para a eternidade. Ele, quando nos chamou, sabia o que seríamos. Nossos pecados são dissipados como a nuvem e podemos ter a certeza que não nos lançara fora por causa dos nossos pecados que já foram apagados. Pensarmos assim seria um ato de blasfêmia. 

Seu amor e cuidado são eternos e jamais esquecerá a ponto de deixar de pensar em nós.

Se Deus esquecesse de nós por um só momento, isso seria nossa ruina total. Por isso, disse: “não me esquecerei de ti”.

Os homens esquecem de nós, mesmo quando fazemos o bem. Não temos morada permanente nos corações inconstantes dos homens, mas o Senhor jamais esquecerá dos seus fiéis servos que trabalham no Seu Reino. Ele se une a nós, não porque fizemos algo para Ele, mas porque Ele fez algo por nós que nos colocou na condição de filhos. Entregou seu Filho na cruz para nos salvar e livrar de nossos pecados, com a finalidade de ter plena comunhão conosco.

Temos sido amados por muito tempo e comprados por um grande preço para sermos esquecido pelo Senhor.

O Pai nos vê como a noiva de Seu Filho e o Espírito Santo vê em nós o resultado de Sua obra em nós. 

Sim, o Senhor Lembra e pensa em nós e neste dia seremos socorridos e sustentados pelo Seu grande e eterno amor. 

Que nunca nos esqueçamos do Senhor. 

SOLI DEO GLORIA

Pr. Luiz Fernando R. de Souza

Igreja Batista da Aliança - BH/MG.

23 março 2022

DISCIPULOS SEM MESTRE - SALVAÇÃO SEM SENHORIO

 


TEXTO REPUBLICADO
Se crer em Jesus Cristo nos faz cristãos então isso é suficiente para termos os pecados perdoados e nos conduzir para o céu. Mas porque a igreja não consegue expressar isso em seu dia-a-dia? Creio que o que mais uma pessoa quer nesta vida é ter garantida sua entrada na eternidade e viver para sempre com Deus e gozar nesta vida de todas Suas benesses, viver tranquilamente. Evidentemente todos querem ser pessoas de bem e serem conhecidas como tais, mas isso necessariamente não precisa passar por Cristo. Qualquer indivíduo que possua uma família com bons princípios e estruturada receberá esta gama de conceitos e valores para a vida.
Quem se preocupa com algo mais na vida cristã se depara com algumas anomalias reinantes no meio evangélico que são preocupantes, pois evidencia um discipulado sem mestre e uma salvação sem senhorio. Por não se pregar mais sobre o Senhorio de Cristo, as igrejas formam cristãos defeituosos e erráticos que nada mais são do que meros egoístas. Querem receber tudo de Deus, mas não querem compromissos com Deus.
Nada nos ensinos bíblicos apontam que você pode decidir simplesmente usufruir do perdão advindo de Jesus sem manter com Ele um relacionamento transformador.
A. W. Tozer mostrou claramente o que ocorre com a igreja quando disse: “uma sensação de que uma heresia extraordinária se desenvolveu em todos os círculos cristãos – a ideia amplamente aceita de que os seres humanos podem escolher aceitar a Cristo pelo simples fato de precisarem dele como Salvador e de que têm direito de adiar a obediência que devem a ele como Senhor pelo tempo que desejarem!” Ele diz mais: “a salvação sem obediência é algo desconhecido nas Escrituras Sagradas”.
Estranhamente essa heresia que Tozer aponta criou um tipo de cristão que somente extrai de Cristo aquilo que precisa, mas nunca chega à intimidade com Ele. Não se importa tanto com as demandas do evangelho em sua vida, mas de abocanhar os benefícios deste evangelho. Isso é quase que exatamente os que pregam a Teologia da Prosperidade. Tais cristãos se aproximam do Senhor Jesus pelo pão que perece, mas não querem aprender com Ele. Tocam suas vidas independentemente daquele que os amou e se entregou na cruz. É como se marcassem um encontro com Cristo somente para a eternidade e que o aqui e agora ficasse por conta deles mesmos.
Esse tipo de fé e prática de vida anula tudo o que Cristo é e ensinou. Não dá para aceitarmos somente o perdão de pecados que Cristo oferece e deixarmos de lado todo seu ensinamento. Se assim o fizermos nunca seremos cidadãos do Reino e nunca apreenderemos a ética e os valores do Reino de Deus.
Sem a vida do Reino em nós racionalizamos nosso pecado sem nos sentirmos constrangido com isso. Moralmente os cristãos estão se igualando com os não cristãos. Pecam por escolha e acham razão para isso, mesmo não desejando ser pecador. O descasamento entre as demandas éticas do Reino e a prática de vida nos causam risos. Pessoas mentem, mas negam peremptoriamente que são mentirosas. Disso advêm a insensibilidade em que vivem muitos cristãos. Entram diante de Deus sem se aperceberem que o lugar em que pisam é terra santa. Entretanto praticar o que Jesus ensina nos leva a termos acesso aos recursos redentores de Deus que estão sempre disponíveis e isso nos liberta da tirania do eu e nos faz discípulos do único mestre, Jesus Cristo.
Quando vivemos o discipulado proposto por Cristo temos nosso caráter transformado e nossos pensamentos caminham na mesma direção. Ao aprendermos com Jesus nosso interior é mudado e consequentemente nossas atitudes também. Não precisaremos viver uma duplicidade de vida, pois toda nossa existência será transparente.
Finalmente para aqueles que trilham o caminho da comunhão intima com Cristo recebem poder deste para enfrentar os problemas advindos das variáveis da vida. Poder sobre humano que capacita o homem alcançar equilíbrio diante de seus problemas e angústias. Cristo oferece esse poder para aqueles que o amam e ai se cumpre o Ele disse em Jo. 14:21 “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele”.
Sejamos discípulos com Mestre e salvos debaixo do Senhorio de Cristo.

Soli Deo Gloria

Pr. Luiz Fernando R. de Souza

13 janeiro 2022

UM APAGÃO ÉTICO E MORAL NO MEIO EVANGÉLICO

 

UM APAGÃO ÉTICO E MORAL NO MEIO EVANGÉLICO

Não nos cora mais o rosto de vergonha quando escutamos ou presenciamos escândalos em nosso meio. Tornou-se comum a insensibilidade moral e ética no meio evangélico. Toda sorte de absurdos são tolerados em nome do amor, como se Deus rebaixasse seu nível para se adequar aos nossos fracassos. Cristo desceu uma vez para elevar o homem às regiões celestiais. Mas em nome do oportunismo, ganância, vaidade e outros codinomes abrimos mão da justiça, ética e moral para sermos aceitos no mundo e obtermos toda sorte de sucesso sem nos importarmos com as consequências.

A igreja está anestesiada pelo veneno do mundanismo e reage com lassidão diante dos descalabros presentes. Não incomoda mais ao cristão seu pastor ter caído em adultério com alguém de dentro ou fora da comunidade. O pensamento é que ele é homem de Deus e como homem pode fraquejar. Mas homem de Deus faz como Paulo fazia consigo mesmo:

Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado”. I Cor. 9:27.

Homem de Deus evita o pecado e foge dele. Mas algumas lideranças flertam com o pecado e andam no limite como Sansão andou. Sabemos o resultado de andar no limite na vida de Sanção. A igreja deveria agir duramente contra tais comportamentos e excluir de seu rol de membros pastores adúlteros. São pessoas descompromissadas com Deus que os chamou. Pessoas hedonistas e petulantes. Agora virou tendência o pastor pecar e continuar na mesma igreja pastoreando como se nada tivesse acontecido. Isso é uma vergonha.

Lideranças que demonstram um modo de vida nababesco como se isso fosse sinal das bênçãos de Deus.

Ver imagem em tamanho grande



Frederick Price


Literalmente veja o que disse Frederick Price, pastor norte-americano:

Estou com 25 milhões de dólares na minha conta bancária, e devo esclarecer que não tenho dívidas. Eu vivo em uma mansão, tenho o meu próprio iate de 6 milhões de dólares, tenho o meu avião privado e um helicóptero, 7 automóveis de luxo para que eu nunca tenha que conduzir o mesmo carro por mais de uma hora e tudo isso porque sigo a Cristo”.

Baseado nesse estilo de vida temos no Brasil apóstolos e tele-evangelistas buscando o mesmo. Um apóstolo megalomaníaco comprou um avião, Um tele-evangelista colocou como alvo de oração há alguns anos um avião. Tudo isso em nome de uma espiritualidade doentia e descabida. Tudo isso vem com roupagem espiritual e com frases bombásticas como: “filho de Deus come o melhor desta terra”, “estamos saindo do natural e entrando no sobrenatural”, “o mover de Deus para os últimos dias...”. Querem com isso induzir o povo evangélico a crer que terão tudo nesta vida e as privações são para uma casta inferior de cristãos. Estes introduzem literaturas destes lobos em nosso meio como tem feito a Editora Central Gospel ao jogar no mercado evangélico os livros de Price sobre a fé. Mas a Palavra aponta para outra direção. Mostra-nos para um estilo de vida simples e vigoroso, não dado às fábulas e especulações que em nada edificam. Tais comportamentos e dizeres anestesiam as mentes e consciências iludindo inteiramente aqueles que crêem.

Há pouco tempo um outro apóstolo e sua esposa uma bispa foram presos tentando entrar nos EUA com dólares escondidos em uma bíblia. Acharam que Deus encobertaria seus erros. Ficaram presos como demonstração que esse tipo de comportamento é passível de punição. O que mais estranha é que a liderança da Renascer e seus fieis acharam que era perseguição dos inimigos. Que o apóstolo não havia errado em nada e aceitaram normalmente tal episódio como fato corriqueiro. E para culminar o apóstolo ainda entregou uma palavra profética para 2009 como palavra de Deus.

Veja abaixo o quadro do patrimônio (Dezembro 2006) deste casal publicado no blog do Jornalista Paulo Roberto Lopes – SP (http://e-paulopes.blogspot.com/2006/12/bispa-sonia-e-apstolo-estevam-da.html)













O que dizer dos deputados evangélicos que foram flagrados na CPI dos Sangues Sugas? Qual a defesa para os deputados evangélicos apanhados de calças curtas no escândalo das passagens aéreas usadas irregularmente? O que dizer dos bispos e pastores desnudados pelo mensalão?

Vivemos um apagão moral e ético em nosso meio. Isso avilta o nome de Cristo e envergonha aqueles que batalham duramente para manter um testemunho digno do Senhor Jesus. A igreja, nos dizeres de Martin Luther King, deveria ser a consciência da sociedade. Mas parece que grande parte dessa consciência esta cauterizada e é imprópria para uso. Precisamos urgentemente atentar para a chamada do profeta Joel 1:13-15; 2:12-17

13 Cingi-vos e lamentai-vos, sacerdotes; gemei, ministros do altar; entrai e passai a noite vestidos de saco, ministros do meu Deus; porque a oferta de alimentos, e a libação, foram cortadas da casa de vosso Deus. 14 Santificai um jejum, convocai uma assembléia solene, congregai os anciãos, e todos os moradores desta terra, na casa do SENHOR vosso Deus, e clamai ao SENHOR. 15 Ai do dia! Porque o dia do SENHOR está perto, e virá como uma assolação do Todo-Poderoso”...

12 Ainda assim, agora mesmo diz o SENHOR: Convertei-vos a mim de todo o vosso coração; e isso com jejuns, e com choro, e com pranto. 13 E rasgai o vosso coração, e não as vossas vestes, e convertei-vos ao SENHOR vosso Deus; porque ele é misericordioso, e compassivo, e tardio em irar-se, e grande em benignidade, e se arrepende do mal. 14 Quem sabe se não se voltará e se arrependerá, e deixará após si uma bênção, em oferta de alimentos e libação para o SENHOR vosso Deus? 15 Tocai a trombeta em Sião, santificai um jejum, convocai uma assembléia solene. 16 Congregai o povo, santificai a congregação, ajuntai os anciãos, congregai as crianças, e os que mamam; saia o noivo da sua recâmara, e a noiva do seu aposento. 17 Chorem os sacerdotes, ministros do SENHOR, entre o alpendre e o altar, e digam: Poupa a teu povo, ó SENHOR, e não entregues a tua herança ao opróbrio, para que os gentios o dominem; porque diriam entre os povos: Onde está o seu Deus?

Urgente se faz uma retomada da ética e da moral no meio evangélico para podermos ser sal e luz deste mundo. Urgente se faz levantarmos um clamor ao nosso Deus por misericórdia e isso em profundo arrependimento, lágrimas e rosto no pó.

Urgente se faz uma MARCHA EM FAVOR DA MORAL E ÉTICA EM NOSSO MEIO.


Soli Deo Glória

Pr. Luiz Fernando R. de Souza

07 janeiro 2022

Uma Vida, uma Missão ¬ Propósito - LIVE EM 30/12/2021

Live da 1a. Igreja Batista de Montes Claros no dia 30/12/2021.
Tema - UMA VIDA, UMA MISSÃO e UM PROPÓSITO.
Agradeço o convite do colega e amigo Pr. Alan Taquis que tão bem tem pastoreado essa Igreja composta por irmãos tão maravilhosos.

22 novembro 2021

Onde estão nossos corações?

 

Onde estão nossos corações?

 

Por que estamos vivendo um endurecimento?

Por que tamanha insensibilidade diante do sofrimento?

Mas por onde começamos?

 Muitas vezes, ficamos imobilizados diante de uma situação desesperadora. Lembro-me de presenciar um acidente grave automobilístico, de ser o primeiro no local, e ficar travado sem saber o que fazer. Por que isso acontece? Onde está o nosso senso de empatia Cristã nessas horas? Eis a questão. Isso tem um nome oficial; se chama: fadiga da compaixão, também conhecida como estresse traumático secundário. É o cansaço da compaixão, devido ao costume com histórias de perdas, dor e sofrimento, e contato constante com tragédias. Com o ciclo de notícias atuais, que falam na sua maioria sobre fatalidades e flagelos, nosso coração vai se acostumando com o sofrimento, se endurecendo. Há alguns meses estamos sendo bombardeados por notícias terríveis: Doenças, mortes, fome, crise econômica. Nosso coração está sendo atacado emocionalmente. Estamos sendo induzidos a nos acostumar com as calamidades. Diante disso, o que fazer?  Como manter a empatia, a contrição? Como ainda “chorar com o que chora?” Como agir para que esse panorama terrível não acostume nosso coração cristão com o sofrimento? A resposta é: Se desprenda dessa tradição. Não siga a corrente que tem aumentado a maldade humana. Faça algo atípico. Como? Jesus ensinou em Mateus capitulo 5. Primeiro comece amando o seu próximo. Dê ao próximo o que há de melhor em seu coração. Segundo, ore por seu inimigo, ame seu inimigo. não deixe seu coração se acostumar com as tragédias, e assim perdendo a sensibilidade do Espirito Santo. ’’Se alguém te obrigar andar uma milha, vai com ele duas.’’ (Mt. 5.41) Faça além do que qualquer um poderia fazer. ... “Se alguém tirar-te a túnica, deixa-lhe também a capa”. (Mt 5.40) e você estará preservando o seu coração da dureza, e da fadiga da compaixão. Sejam suas mãos e os pés veículos através dos quais Deus opere, e assim, apresentar ao mundo o amor e o cuidado que as pessoas tanto precisam. 

Pastor Cícero Frazão Neto

Igreja Presbiteriana do  Bairro Diamante - BH/MG


 

CRISTIANISMO SEM IGREJA EXISTE?

  CRISTIANISMO SEM IGREJA EXISTE? O tema de hoje está em voga porque encontramos milhares de cristãos brasileiros soltos sem um vínculo ec...