25 novembro 2009

NOSSOS CULTOS SÃO VERDADEIROS?

Ao observamos as eclesiologias e as liturgias em nossas igrejas, vemos uma total descaracterização. Aquilo que deveria ser direcionado para Deus e sua glória exclusivamente foi totalmente travestido de um humanismo exacerbado. Deus que deveria ser o foco central do culto foi alijado do processo e virou nota de rodapé colocado na parte inferior das atividades. Deus virou pretexto para que o homem continue no centro. Deus é citado como apoio às práticas mundanas e capitalistas que permeiam a igreja. Há uma expressão que vem dos tempos da Reforma que diz: SOLI DEO GLÓRIA. Quer dizer: Glória somente a Deus. O insuperável Johann Sebastian Bach que revolucionou a música terminava todos os manuscritos de suas composições com as letras S.D.G. (Soli Deo Glória). Isso nos mostra que tudo em nossas vidas deveria apontar para Deus. O culto é para Deus. Somente Deus merece receber a Glória e isso implica que Ele deve ser o centro do culto. A Reforma resgatou essa máxima esquecida durante séculos. O culto não pode ser voltado para o homem. Não pode procurar satisfazer os desejos do homem e nem girar em torno dele. Mas vemos que o homem assumiu o lugar de Deus e passou a ser reverenciado. As pregações não apontam mais para o pecado que leva o homem a perdição e nem mais mostram a graça salvadora de Deus, mas sinalizam maneiras dos homens superarem suas crises. Basta ver os títulos dos sermões pregados. Em uma rápida passagem de olhos pela internet encontrei alguns títulos interessantes, vejamos: “Vencendo as Batalhas; Tempo de Conquistas; Vivendo Triunfantemente etc. Vejamos alguns títulos do Príncipe dos Pregadores Charles Haddon Spurgeon: “A Humilhante mas Gloriosa Dependência de Deus; O Terrível Porem da Justiça Própria etc. Daí da para perceber a grande diferença.

As músicas não exaltam mais a Deus, mas sim se centram no homem e suas crises. Se observarmos as músicas evangélicas atuais veremos essa triste realidade. Músicas que mostram o que Deus fará pelo homem e não a expressão de uma alma agradecida a Deus. Existe até música de louvor dedicado a ser humano! Sei que existe este tipo de música religiosa entre os mormons, mas para cristão... A quantidade de vezes que o pronome eu aparece nessas músicas é algo estarrecedor. Se compararmos com os grandes hinos da hinologia cristã veremos o contraste gritante. O primeiro hino do Cantor Cristão diz: “A ti, ó Deus, fiel e bom Senhor. Eterno Pai, supremo Benfeitor, Nós, os teus servos, vimos dar louvor, Aleluia! Aleluia! O que dizer das catarses praticadas em nossos cultos? Gritos de Vitória, brados de louvor tudo isso produz alívio e não libertação. Qualquer psicólogo recém formado pode confirmar isso. Para tristeza nossa essas práticas espúrias entraram para ficar. O que dizer dos moveres de Deus nos cultos onde o frenezi se instala e o ego grupal prevalece, as pessoas rodopiam, gritam, caem ao chão, riem sem parar, imitam animais com seus sons e mais um cem números de outras bizarrices?

Muitos adentram as igrejas para buscar suas bençãos e encontram sacerdotes corroídos que oportunamente lhes oferecem as bênçãos, buscando satisfazer os egos eternamente insatisfeitos em troca de alguma coisa material. Muitos esqueceram que as reuniões solenes dos santos são para louvor e glória de Deus. Essas reuniões deveriam ter Deus e sua glória em primeiro lugar. Nossos cânticos deveriam exaltar o nome que é sobre todo nome. Nossas orações deveriam expressar nossa gratidão Àquele que nos amou e morreu por nós. Hoje cantamos músicas desprovidas de adoração. Muitas dessas coisas cantadas em nossas igrejas expressam um antropocentrismo aviltante. Muitos acham que louvor é somente cantar qualquer coisa. Louvor também é expressão de nossa admiração em relação a Deus. Por estarmos admirados com a grandeza de Deus e com seu amor expressamos isso adorando, louvando Sua pessoa.

Mas o culto mudou. Temos culto do Eliser. Vejam só que nome de culto! Acredito que seja um culto específico para arranjar namorado/companheiro. Quando é que um culto se presta a isso? Paralelamente temos o culto da Terapia do Amor onde os descasados estão à cata de um companheiro/a. Nada mais mundano que isso!

O que dizer dos cultos para empresários bem sucedidos e outros falidos juntamente com os desempregados à procura de empregos? Dêem outro nome a isso menos culto. Isso causa náuseas em qualquer bom cidadão.

Ao entrarmos em nossas igrejas deveríamos lembrar a máxima de João Batista: “Importa que Ele cresça e que eu diminua”. Deveríamos lembrar o que o Senhor disse a Moisés: “Descalce os pés porque a terra é santa”.

Não gostaria de falar, mas me sinto constrangido a isso. E os famigerados cultos de libertação? O próprio nome do culto é uma contradição. Libertação para quem já foi liberto? Libertar o cristão se Cristo já realizou tudo no Calvário? O que tais pessoas entendem sobre as palavras de Cristo na cruz; Tudo está consumado?

Culto deveria ser expressão de nossa liberdade conquistada na cruz e nunca para buscarmos libertação. Culto deveria ser nossa celebração pela vitória alcançada na cruz e isso pela misteriosa, grandiosa e maravilhosa Graça de Deus.

Precisamos de uma vez por todas fazer coro com os reformadores SOLI DEO GLORIA.

Soli Deo Gloria.

Pr. Luiz Fernando R. de Souza

9 comentários:

  1. Pr. Luiz Fernando, é uma grande verdade o que acabo de ler em seu blog que diga-se de passagem faz juso ao nome - "Força para Viver", pois têm levantado reflexões importantes para os interessados em dar a Gloria somente para DEUS e tudo o que glorifica o nome do Senhor, nos da força.
    É triste vermos o que esta acontece nas igrejas de propriedade exclusiva dos "Pai-postolos, Bispos(a), Mestres Espirituais, Quebradores de Maldições Hereditarias..." que na verdade não passam de calicaturas de Herodes, que ao discursar ouviu do povo "é voz de Deus e não de Homem e não deu gloria a Deus mas sim preferiu se envouver com ela e nós sabemos no que isto deu..."
    É lamentavel o que estamos vendo.
    Mas eu louvo a Deus que levantou homens que amam o puro Evangelho como o senhor e outros tantos espalhados neste brasil, eu tenho aprendido muito o pastor não faz idéia.

    SOLI DEO GLORIA
    Pr. Vinicius Ravani - IBANES Lagoa da Prata - MG

    ResponderExcluir
  2. Prezado Pastor Vinicius,
    seus comentários são sempre pertinentes e inteligentes. As igrejas viraram realmente propriedades das lideranças e estas acham que possuem muita coisa para mostrar, esquecendo-se que tudo vem de Deus. Vamos continuar lutando pelo Evangelho e que sejamos achados firmes e confiantes.
    um abraço
    Naquele que em tudo fez tudo para glória de Deus.

    ResponderExcluir
  3. Prezado Pr., Se não se importa, gostaria de fazer uma pequena reflexão, a partir do seu artigo.
    Culto é uma forma de o ser humano reconhecer méritos, prerrogativas, atos realizados em seu favor ou dos quais se beneficiam pertencentes a outro. Pode ser cívico, cultural, religioso. Podemos cultuar a memória de uma grande personalidade política ou um grande expoente da cultura; e, aqui, culto significa "veneração", reconhecimento do valor e importância desse alguém para nós, como cidadãos ou como membros da cultura, na medida em que nos proporcionou melhores condições de existência política e social, fazendo-nos gozar de maior liberdade e dignidade, de fruir mais e com maior qualidade das criações culturais (a arte, a literatura, o teatro, etc.). Na medida certa, tal culto, como que cultivo do nosso melhor, que esses indivíduos encarnam ou encarnaram, não constitui nenhum ato de idolatria.
    Entretanto, quando se trata de cultuar na esfera religiosa, as Escrituras judaico-cristãs são bem claras em afirmar que apenas a Deus se deve culto. Apenas o Criador merece o louvor desentranhado do íntimo da criatura, do seu coração, diríamos, no qual e por meio do qual se expressam a reverência mais profunda, o mais enraizado temor, o reconhecimento mais legítimo de tudo o que Ele é, do que fez e faz, bem como do que fará. O culto cristão não é lugar de expressão de nossos desejos e anseios, como bem lembrou o Reverendo Pr., mas de glorificação de Deus em Jesus Cristo através do Espírito Santo.
    Somente a continuada experiência do vazio de Deus leva as pessoas a cultuarem as criaturas em vez do Criador, a honrarem os seres humanos em seus intentos de alcançar o céu por seus próprios meios, em vez de honrarem ao excelso Deus, capaz de trazer o céu ao nosso coração por bonadade e graça sem pares.
    Sim, realmente, Pastor Luiz Fernando, é preciso dizer amorosa e sinceramente a muitos alegadamente cristãos que apenas Deus e, somente Ele, é digno de toda glória e todo louvor. Nosso reconhecimento não torna Deus mais Deus, mas nos torna mais agradecidos e melhor sabedores da terrível condição da qual Ele nos resgatou por meio de seu Filho.

    Soli Deo Gloria!

    Hermes P. Santos

    ResponderExcluir
  4. Prezado irmão Hermes,
    você bem lembrou sobre o vazio do homem. Leva de fato a destronizar Deus. Precisamos resgatar anunciando esta verdade do Soli Deo Glória. Como sempre seus comentários enriquecem o blog. São importantes e muito bíblicos.
    Um forte abraço

    ResponderExcluir
  5. Pr. Luiz Fernando,

    A questão é: esses variados tipos de crentes não-bíblicos vivem por dois motivos:

    1)Realizar seus deleites carnais em nome de "Deus" para, assim, de certa forma, aplacarem a consciência que os acusa de pecado, ou então, simplesmente, enganarem a si mesmos de que estão no caminho da verdade.
    Seja por dissimulação ou ignorância, falta-lhes arrependimento, logo, serão condenados por um ou outro motivo.

    2) Manterem-se presos nas garras de satanás, das quais não querem sair, ainda que se iludam-se dizendo que são de "Deus" e estão a servi-lO.

    Ao Senhor somente a glória; mas como eles podem cumprir essa máxima bíblica se o que conhecem é qualquer outra coisa menos o Deus bíblico?

    O que vem a ser a Escritura para esses pseudo-cristãos? Se for a palavra de Deus, por que não a reverenciam e obedecem como tal?
    Porém, falta-lhes o novo-nascimento e o poder vivificador do Espírito Santo; e esses homens apenas se alinham ao pelotão de mortos a serviço do reino das trevas.

    Outra ótima reflexão, irmão.

    Grande abraço.

    Cristo o abençoe!

    ResponderExcluir
  6. Prezado irmão Jorge,
    parece-me que muitos não percebem a operação do erro e muitas vezes essa operação do erro é enviada por Deus conforme Paulo disse. Muitos não chegam ao pleno conhecimento da verdade porque lhes falta o amor pela verdade. Essa roda viva não terá fim. O distanciamento da Palavra naturalmente leva a um esfriamento e abertura para aquilo que é contra a Palavra. O irmão está extremamente correto. O deus de muitos é o ventre e para tal não existe nada que os satisfaça.
    Que nossa vida continue sendo para Glória de Deus.
    Um grande abraço
    Naquele que em tudo viveu para glória do Pai.

    ResponderExcluir
  7. Pr Luiz, tenho acompanhado seu blog e concordo com sua visão. Também acredito que há muitas instituições hoje que poderiam ser chamadas de clube, associação, Centro de auto-ajuda, mas nunca poderiam ser chamadas de igreja.
    O que alegra meu coração é ver que existe a verdadeira igreja do Senhor Jesus. Os verdadeiros Santos de Deus, que não compactuam com as distorções que existem por aí.
    E creio pastor, que muita gente se converte verdadeiramente neste meio e que o Espírito Santo de Deus tem colocado no coração destes cristãos uma inquietação, um repúdio por estas atitudes...
    Quero encorajar todos os cristãos a buscarem a verdade de Deus. Mergulharem na PALAVRA de DEUS. Porque muitos estão hoje mais baseados na palavra dos pastores ou dos discipuladores do que na Palavra de Deus.
    Mergulhem na PALAVRA, e sejam guiados pelo ESPÍRITO.

    Fabricio
    Porto Alegre

    ResponderExcluir
  8. Pr. Luis, obg pela visita, fique a vontade para repassar o artigo. O mesmo não é meu mas do filosofo Olavo de Carvalho, cuja foto ilustra a materia e cujo link está no rodapé da mesma. Repasse a vontade.

    Deus abençoe o sr e seu ministerio,

    Joelson Gomes

    ResponderExcluir
  9. A Graça e a Paz de Cristo Pr. Luiz!
    De fato tudo que foi relatado é uma grande verdade. Todas estas questões: Louvor, Adoração, Culto deveriam estar centralizadas em Deus. Porém, o que vejo hoje é totalmente contrário. Esta centralização do homem nos cultos é uma praga na igreja pós-moderna. Paulo escreveu em Romanos no cap I; que o homem deixou de adorar o Criador para adorar a criatura e por esta causa toda sorte de práticas mundanas estavam sobre eles, Lesbianísmo, homossexualismos e etc...Este texto é apenas um dos tantos que explica o mal dentro das igrejas. Mas diante de tudo isso, o que fazermos? alguém me disse que devemos nos encaixar no sistema atual se quisermos crescimento e sobrevivência neste mundo! Mas onde fica a Bíblia? A Palavra de Deus? Quando Jesus veio ao mundo, lemos que a Luz resplandeceu sobre as trevas!;lemos que o Reino de Deus é chegado entre os homens!; lemos que quem quiser vim após mim "Cristo" negue a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. Que palavra horrível para o cristianísmo atual!!! A verdade é que devemos lutar contra toda esta farsa cristã presente nas igrejas hoje. Não estamos lutando contra o Reino de Deus, mas contra o falso reino presente hoje. Se temos que fazer algo é lutarmos pela suficiência do evangelho neste dias, já que existem tantas outras coisas tomando o lugar da palavra e de Deus como centro do Cristianísmo. Deus continua buscando verdadeiros adoradores e se Ele busca é porque existe a possibilidade de sermos.
    Deus abençõe!Pr> Marcos Costa
    (Igreja Batista Nova Peniel) Montes Claros MG

    ResponderExcluir