11 fevereiro 2014

UMA DENOMINAÇÃO QUE SE IMPLODE – CBN (Convenção Batista Nacional)



Após ler todo o Batista Nacional, informativo oficial da Convenção Batista Nacional para os meses de setembro a dezembro de 2013, não pude deixar de observar dois artigos: A Essência do Evangelho e Unidade na Diversidade. Ambos tentam tratar do mesmo assunto, como alcançar a unidade denominacional na diversidade.
Abordarei neste postagem o primeiro artigo. Nele o autor tenta descrever baseado em I Cor. 12:12-13 “12 Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também. 13 Pois todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo, quer judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um Espírito”. a diversidade doutrinária, teológica, litúrgica, histórica, filosófica etc., usando como parâmetro os vários tipos de pessoas que compõem a igreja o corpo de Cristo. No texto citado de Paulo a ênfase é de que cada parte do corpo coopera para o crescimento deste. Essa cooperação não se dá com cada parte achando o que é melhor para si ou para o corpo, mas se integrando na dinâmica e sinergia gerada pelo Espirito Santo para crescimento ordenado do corpo. A figura do corpo humano é fundamental para exemplificar a igreja. Cada parte ou órgão ajustado com um propósito. Assim sendo, as mais diversas pessoas que compõem o corpo de Cristo, a igreja, pelo batismo, trabalham para unidade da igreja, observando princípios e valores que não podem ser transigidos para que o corpo não se esfacele. Agora dizer que vários tipos de pessoas na igreja é um paralelo para os vários tipos doutrinários existentes conviverem harmoniosamente é algo pueril.
Na afirmação do autor se destaca um erro sutil, mas muito significativo. A diversidade de pessoas na igreja não é base para se afirmar que a diversidade teológica seja bem vinda ou aclamada como um princípio batista de liberdade. Essa pseudoliberdade é a porta escancarada para a libertinagem teológica, doutrinária, eclesiástica, litúrgica etc.
O referido autor afirma Ipsis litteris que “o respeito pela autonomia da igreja local tem sido uma das marcas da Convenção Batista Nacional e permitiu que visões ministeriais completamente diferentes se desenvolvessem em nosso meio. Tanto na teologia quanto na liturgia, temos igrejas bem tradicionais, pentecostais e até neopentecostais e isso não nos empobrece; pelo contrário, nossa diversidade é fruto de nossa liberdade e da prova que é possível amar e viver em comunhão, a despeito das diferenças”.
Vejamos alguns pontos erráticos nesta afirmação:
a.     Se na teologia e na liturgia a CBN possui igrejas tradicionais, por que elas não permaneceram na Convenção Batista Brasileira – CBB ou mesmo pediram filiação àquela denominação? Por que passar pelo desgaste vivido na década de 60 do século passado? Se possui igrejas pentecostais e neopentecostais, o que elas fazem na CBN? Por que não estão em seus meios de origem? Se as práticas teológicas, litúrgicas, eclesiásticas coadunam com outras denominações e estas nada possuem de batista, então a CBN não possui significância alguma em termos de denominação.
b.     O respeito pela autonomia das igrejas locais e uma marca de todos Batistas no mundo inteiro e não somente da CBN. Qualquer convenção Batista respeita e preserva a autonomia das igrejas locais.
c.      Esse respeito à autonomia da igreja local não é um passaporte para permitir visões dispares no meio batista renovado, mas somente é usado como pretexto para afundar a denominação no caos doutrinário, eclesiológico, litúrgico, teológico etc.
d.     O fato de termos, como afirma o autor, liturgias, teologias tradicionais, pentecostais e neopentecostais no meio da CBN, não constitui fator diferencial para o bem da denominação, nem de destaque em relação à outras denominações que não aceitam tais disparidades, mas é fator de desintegração das malhas doutrinárias, teológicas, históricas, filosóficas e bíblicas da denominação.
A proposta do autor do texto, talvez sem o perceber, é de transformar a denominação – CBN em uma colcha de retalhos,  o que, por sinal, já é um fato incontestável. Chega a afirmar que essa salada de frutas proposta não empobrece a denominação, e nisso ele acerta, pois esse pensamento e prática já detonou toda uma história de quase 50 anos. Pergunto: empobrecer o que? Diminuir o que? Aquilo que quase não existe?
Se o autor entende que essa Caixa de Pandora pode ser aberta sem causar danos irreparáveis é algo lastimável e simplório demais. Essa forma de pensamento somente descaracteriza toda uma denominação e a implode de um modo irreversível. A verdade nua e crua é que a CBN, em vários aspectos, quase nada possui de Batista ou no mínimo sonha um dia voltar aos fundamentos batistas.
Sem medo errar afirmo que um grande percentual da liderança batista nacional (pastores, obreiros, diáconos etc.) desconhece a história dos batistas, da CBN e principalmente desconhece os princípios distintivos dos batistas.
BATISTA NÃO É PENTECOSTAl e NEM NEOPENTECOSTAL.
BATISTA PRIMA PELA COERÊNCIA E NÃO PELA INCOERÊNCIA.
PARA O BATISTA NÃO VALE TUDO DE QUALQUER JEITO E FORMA.
Acho que para o preclaro autor do texto, bem como para muitos de nós batistas nacionais, a música que mais se encaixa nessa forma de pensamento seja o do ex-cantor Tim Maia: VALE TUDO.
No final do texto o autor se mostra imerso na cultura e pensamento pós moderno. Tece uma crítica para aqueles que criticam erros de outros. Com certeza serei apedrejado ou irei para o tribunal do Santo Ofícios Batista Nacional. Essa tolerância ampla e irrestrita advogada pelo autor do texto é antifilosófica. Então a admoestação do apóstolo Judas em sua carta V. 3 não procede para o autor. “Amados, procurando eu escrever-vos com toda a diligência acerca da salvação comum, tive por necessidade escrever-vos, e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos”.
Se assim for, teremos de rasgar grande parte do N. Testamento que fala sobre os julgamentos de Paulo, Pedro e outros apóstolos.
De fato vemos uma denominação que se implode.
Necessário se faz repensarmos nossa história, não nos afastarmos dos fundamentos lançados e preservarmos aquilo que nos é caro e próprio.

Soli Deo Gloria

      Pr. Luiz Fernando R. de Souza - CBN-MG.

31 comentários:

  1. Boa tarde Caríssimo irmão!
    com muita alegria leio o teu texto, que traz no bojo a verdade do que seja uma igreja... ao que me parece, o desejo da IBN pela diversidade na unidade trouxe e trará um prejuízo irreversível a denominação... acredito que os vínculos que nos unem devem ser a "Unidade Bíblico-Teológica" ou seja: aquilo que nos une é a verdade. Fui ordenado numa IBN no RS, a como pastor auxiliar vi tanta atrocidade que faria o mais vil ímpio corar de vergonha e o mais desgraçado herege ficar feliz, em saber que existem outros piores.. vi o g12 crescer e se multiplicar, vi o pastor titular da igreja onde eu era auxiliar, estender as mãos pra cima dizendo que estava recebendo e-mails de Deus, ao estilo Tim Tones, no gabinete pastoral discuti em vão fazer o Presidente na época da CBN/RS entender que diversidade nem sempre é benéfico e que apostolado é prerrogativa dos que andaram com Jesus ou viveram no período Neo-Testamentário, Presidente da ORMIBAN/rs na época só tentava conciliar, enquanto o Pastor Neo-Néo-Néo-Pentecostal, ameaçava sair da convenção se seus caprichos arrogantes e hereges não fossem saciados.. Resisti por alguns anos, saí depois de dois anos de oração, desde então estou na IPB, não me arrependo da decisão ou decisões que tomei. abç
    belo texto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado colega Pr. Geremias,
      suas colocações fazem parte de um arcabouço real e deletério. Tenho visto algo parecido em vários lugares. Infelizmente esses comportamentos são tendências e isso não se muda no curto prazo. Nossos seminários são inócuos na formação de pastores batistas e vemos uma leva de seminaristas trilhando os mesmos horrorosos caminhos destes que praticam uma teologia doente e adoecedora.
      Siga em frente com os olhos em Cristo.
      Um forte abraço
      Pr. Luiz Fernando

      Excluir
    2. Dileto irmão.

      Sou oriundo recente da CBESP (CBB) para as fileiras da CBNSP, e é com tristeza que já constatei que os batistas no Brasil, já não sabem mais quem são e a importância de sua história. Hoje em dia a frenesi da busca de sei lá o que é a marca de um autoreinopessoaleegocentrico. Escrevi tudo junto pois é assim que vejo. Observo que os mesmos que desejam aparecer nas fotos e ter seus 15 minutos estão enfileirados aqui também. Graças a Deus que tenho amigos e pastores como Pr. Edgar Rufino (IB AbaPai - Barueri), Prs. Jonas Neves e Paulo Falçarella (IB do Povo - Onde estou atualmente). Pr. Salim Buassali Neto e Márcio Silva (Presidente e Executivo CBNSP), homens que teem um firmeza e postura de Reino e Unidos em fazer aquilo que os batistas sempre fizeram (Ganhar Vidas Para Jesus).

      Pr. Jussy Eduardo Costa

      Excluir
    3. Prezado colega Pr. Jussy,
      essa é a nossa realidade dura e crua. Creio que a tendência é piorar muito porque a nova geração é praticamente ignorante sobre nossa história e as atuais lideranças não fazem questão de instruí-la.
      Permanecemos naquilo que a Palavra nos ensina.
      Um forte abraço
      Em Cristo

      Excluir
  2. Excelente postagem! Com grande tristeza vemos a grande parcela dos pastores desprovidos de estudo e razão e, cada vez mais, imersos em uma sociedade imperada pelo relativismo. Ou seja, inexiste o certo e a verdade para estes, apenas o "vale tudo o que vier" em nome de Cristo. Ass. Estevão Dias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado anônimo, rsrsrss
      realmente o relativismo é a bola da vez e parece ser uma postura que agrada a muitos, mas é desprovido de realidade. Como enfrentamos tal situação é melhor nos apegamos à realidade da Palavra que é imutável.
      Um abraço.
      Em Cristo.

      Excluir
  3. Caríssimo irmão!
    por anos labutei no seminário no RGS para uma melhoria geral no padrão, a resposta era sempre a mesma: estamos formando obreiros e não academicos.. acontece que os obreiros eram a imagem e semelhança do que chamo.. "filhos de uma geração que não conhece a Deus".. Todavia, sei que há muitas igrejas Fiéis e Pastores que honram o ministério, trabalhando e sendo Luz... dentre eles tenho o prazer de citar por Nome, o Pr. Francisco Ferrão da IBN de São Gabriel RS, e o seu auxiliar, Pr. Reuel, ambos meus ex-alunos de Teologia.. Oremos para que o futuro da IBN seja melhor do que nós vislumbramos no horizonte, que Deus suscite uma nova Liderança diferente da que vemos sendo formada hoje.. esperança.

    ResponderExcluir
  4. Excelente matéria meu querido Pastor. Continuo aprendendo muito com suas mensagens. Sobre a "salada de frutas teológicas" e que salada heim?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado colega Pr. Marcelino,
      pior que essa salada azedou. E agora?
      Um forte abraço.
      Em Cristo.

      Excluir
  5. Caríssimo Pastor Luiz Fernando, graça e paz!
    Como ex-Batista Nacional e Anglicano desde 2001, vejo que seu texto expressa uma preocupação legítima com a identidade de sua denominação. A unidade na diversidade é saudável e salutar para todas as denominações. Nós anglicanos vivemos isso desde a Reforma e nos damos muito bem com isso, Entretanto, vale ressaltar que nossa diversidade é litúrgica e não doutrinária. Os anglicanos preservam em todas as suas correntes os essenciais de sua fé. Ou seja, O Quadrilátero Chicago-Lambeth: As Escrituras, os Credos, os Sacramentos e o Episcopado Histórico. Além disso, nunca abrimos mão do Livro de Oração Comum e dos 39 Artigos de Religião. Somos diversos em vários aspectos, ritualistas, protestantes históricos, evangelicais e até carismáticos. Porém, temos nossa identidade preservada. E pelo seu texto os Batistas Nacionais a quem tanto amo, correm o sério risco de perder sua identidade. Na paz do Senhor, Rev. Haroldo Mendes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido colega Rev. Haroldo,
      no essencial não podemos transigir, mas me parece que para muitos o limite de intransigência é nebuloso, dai termos essas variações alucinadas em nosso meio.
      Precisamos manter os marcos e não demovê-los.
      um forte abraço
      Em Cristo.

      Excluir
  6. Querido amigo e Pr. Luiz Fernando,
    Em primeiro lugar é um imenso prazer tê-lo encontrado pelas ondas da internet com um blog de real conteúdo cristão, o que é uma raridade nos dias de hoje. E em segundo lugar agradecer pela sua mentoria em demonstrar o evangelho puro e sem firulas que faz sempre toda a diferença, lá pelo início dos anos 2000! Faz tempo!!! E infelizmente como tantos que já pertenceram a IBN, tomei outro caminho e já a dois anos estou na IPBVN. Minha última passagem por uma igreja Batista foi muito boa, o problema é que durante o decorrer dos anos, Cristo se torna em segundo plano e os modismos tomam conta. Realmente lamentável. Más fica aqui a admiração pelo texto escrito e pelo testemunho real de quem já foi pastoreado pelo senhor; alguém realmente preparado para a função e com um amor incomparável pelo profundo conhecimento e aplicação das coisas de Deus. Um abraço ao senhor e a família fique na paz!!
    Nelson Ribeiro Silva Filho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado irmão Nelson,
      que alegria ter sua visita aqui no blog. Agradeço seu carinho e gentileza. São suas marcas ao longo dos anos. Espero que tudo esteja indo bem com você.
      Um forte abraço
      Em Cristo

      Excluir
  7. Caro Pr. Luiz Fernando,
    Já não sei mais onde e como gritar essas verdades. Nos perdemos numa fogueira de vaidades e sonhos de uma megalomania doentia, patológica e ao mesmo tempo hilária. Nossa CBN, onde Deus me chamou para o Santo Ministério da Palavra se dissolve a cada dia nessa fogueira e sinceramente não consigo enxergar a saída. Seria até cômico se não fosse imensamente trágico. Deus nos ajude e tenha misericórdia de nós. Obrigado pelo texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado colega Pr. Rochael,
      você conseguiu expressar 100% daquilo que ocorre em nosso meio. Nada a acrescentar.
      Deus o abençoe rica e abundantemente.
      Um forte abraço.

      Excluir
  8. Prezado pastor Luis Fernando;

    Sou admirador dos seus artigos onde demonstra sua sensatez, equilíbrio e conhecimento de causa. continue defendendo os princípios de um grupo de mais de cem anos no Brasil, hoje bastante fragmentado. Um forte abraço. Pr. José Daniel , Batista Nacional desde 1973.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro colega Pr. José Daniel,
      agradeço suas palavras de carinho e incentivo. Junto podemos fortalecer aquilo que nos foi dado por Deus. Continue alerta e firme quanto aos valores uma vez entregues a você.
      Deus o abençoe ricamente.
      Um forte abraço

      Excluir
  9. Prezado pastor Luis Fernando;

    Sou admirador dos seus artigos onde demonstra sua sensatez, equilíbrio e conhecimento de causa. continue defendendo os princípios de um grupo de mais de cem anos no Brasil, hoje bastante fragmentado. Um forte abraço. Pr. José Daniel , Batista Nacional desde 1973.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado colega Pr. José Daniel,
      agradeço sua visita ao blog, seu carinho e incentivo. Aqueles que vieram antes de nós lutaram por princípios que hoje uma bom percentual de Batistas Nacionais desconhece e desmerece. Continuemos firmes e inabaláveis.
      Um abraço

      Excluir
  10. Apreciei seu artigo, "Uma denominação que se implode", Pr. Luiz Fernando.
    Transcrevo aqui uma leitura feita no antigo "Manual das Igrejas" , de W.C.Taylor, sem adição de mais comentários : "Três Princípios que se Limitam e se Definem" - "Unidade, mais Lealdade, mais Liberdade. Não procuramos a unidade em prejuízo da Liberdade. Portanto, nós nos opomos aos vastos sistemas eclesiásticos sob autoridades episcopais. Outrossim, não procuramos a liberdade à custa da unidade. Por isto nós nos opomos ao individualismo irresponsável que converteria a denominação num clube de guerrilheiros religiosos onde cada qual faria e creria o que fosse conveniente aos seus próprios olhos. Antes procuramos manter a posição de Paulo e fazer da lealdade o centro onde se encontram a unidade e a liberdade. Lealdade ao único Senhor dá unidade cujo centro é Cristo. Lealdade à única fé torna esta unidade coerente e estável. Lealdade ao único batismo dá a esta unidade um símbolo visível que é impressivo e convincente."
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Referir-me-ei usando o termo irmão como algo para todos, pois não consegui discernir seu nome. Agradeço sua visita ao blog e a citação de Taylor que é tão oportuna neste momento da vida da igreja. Realmente o equilíbrio deve ser a tônica em todos os momentos. A Lealdade a princípios e valores deve ser sempre algo que não podemos transigir ou negociar. Os limites da intransigência dever ser claros para todos, caso contrário anos de luta serão perdidos.
      Um forte abraço
      Em Cristo

      Excluir
  11. Muito bom o texto, parabéns pela coragem e sinceridade.
    Renato Florencio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado colega Pr. Renato,
      obrigado pela visita e incentivo. Deus o abençoe ricamente.

      Excluir
  12. Muito bom o texto, caro colega. Continue escrevendo assim.
    Abraço, Deus abençoe.
    Renato Florencio
    Gramado RS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço seu carinho e atenção. Sempre que quiser entre neste espaço e teça seus comentários.
      um abraço

      Excluir
  13. Um problema da CBN é justamente a existência de pastores capazes de escrever um texto como o mencionado, com uma hermenêutica sem pé nem cabeça. Parece-me que a falta de exigência de formação sólida tem parte da culpa disso daí. Reconheço seu trabalho incansável, pr. Luiz Fernando, mas infelizmente acho que é inevitável a ruína da CBN, pois muitos pastores já há muito foram seduzidos pelas teologias fajutas (mas rentáveis) e, por sua pouca instrução ou muita ganância, abandonaram a sensatez de uma fé ponderada, pensada e vivida. Que Deus tenha misericórdia e prepare um caminho para as comunidades da CBN que ainda têm o Evangelho em grande estima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado irmão César,
      realmente o despreparo é uma tônica em nosso meio. O abandono dos marcos antigos tem gerado uma Hidra de Lerna no meio da CBN. Precisamos urgentemente de um reavivamento em nosso meio.
      Obrigado por sua visita.
      Um abraço

      Excluir
  14. Um problema da CBN é justamente a existência de pastores capazes de escrever um texto como o mencionado, com uma hermenêutica sem pé nem cabeça. Parece-me que a falta de exigência de formação sólida tem parte da culpa disso daí. Reconheço seu trabalho incansável, pr. Luiz Fernando, mas infelizmente acho que é inevitável a ruína da CBN, pois muitos pastores já há muito foram seduzidos pelas teologias fajutas (mas rentáveis) e, por sua pouca instrução ou muita ganância, abandonaram a sensatez de uma fé ponderada, pensada e vivida. Que Deus tenha misericórdia e prepare um caminho para as (poucas?) comunidades da CBN que ainda têm o Evangelho em grande estima.

    ResponderExcluir
  15. Admiro sua firmeza doutrinária, e adoro ler seu textos. Penso que a CBN nunca teve identidade própria, quando me converti as igrejas da CBN imitavam as Igrejas Assembléia de Deus como referencial de avivamento, com isso assimilando muitos usos e costumes que não são comuns dos Batistas. Estudei no STEB no período de 1988 a 1991, uma época de grande transição naquela casa, tive o privilégio de conhecer o saudoso Pr. Aquiles Barbosa, Pr. João Leão morava no seminário, tive professores que me marcaram como Pr. José Rego, Pr. Dalton Said dentre outros. Sempre participei de ordens de pastores com suas decisões incoerentes que só se aplicavam a Igrejas pequenas ou pastores sem influência. Diante de tudo isso me cansei, sinto falta de nomes que sejam verdadeiras referências em nossa liderança, quem sabe você querido pastor Luiz Fernando assumiria a liderança para "explodir" a CBN. Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu querido colega Pr. Ronaldo,
      a remoção dos marcos antigos tem levado a denominação para o caos. As lideranças que tem surgido desconhecem nossa história e princípios. Creio que se nada for feito rapidamente veremos os destroços daquilo que um dia começou com um grande propósito.
      Agradeço seu carinho de sempre
      Um forte abraço

      Excluir