13 março 2012

DÍZIMOS - QUESTIONAMENTOS E RESPOSTAS









Anos atrás respondi alguns questionamentos sobre dízimos para um irmão. Gostaria de compartilhar os pensamentos sobre este fato.

Boa tarde (ou noite) pastor!

Como eu havia lhe dito, quero fazer algumas colocações acerca do dízimo e ofertas que em muitas igrejas é condição para entrar no "céu".

Graças a Deus percebi que não é o caso da Aliança (graças a Deus mesmo). Percebi que o assunto é tratado de forma séria, humana, tem um forte lado social etc.

Sempre retirei o dízimo. Nunca tive problemas com isso. Mas no decorrer do curso de teologia pesquisei este assunto em particular e cheguei as seguintes questões:

Parece que haviam 3 tipos de dízimo: Dízimo sobre os produtos da terra; dízimo de produtos que o proprietário deveria consumir e o dízimo ao pobre.

No decorrer do AT, principalmente a partir da Monarquia, o dízimo é praticamente um imposto para sustentar a estrutura clerical.

Agora a questão pega é quando olho pro NT. Ali vejo que:

NT ignora o dízimo como prática válida na Igreja primitiva.

Evangelhos – 3 textos mencionam dízimo (Mt. 23.23-24; Lc. 11.42; Lc 18.9-14).

Mateus e Lucas – Parece-me que Jesus não está falando do assunto aqui. Ele está, tão somente, fazendo uma crítica ao modo de vida hipócrita dos fariseus (Lembrar também que no 2º Templo a prática do dízimo era um sinal externo de ortodoxia). O segundo texto de Lucas é uma parábola cuja intenção está declarada no início. De novo a briga é com os legalistas fariseus com suas práticas exteriores (neste caso o dízimo e o jejum).

Atos – Não há nenhum texto sobre dízimo. O que encontramos é uma igreja que está mais voltada para a Parusia e que adota um estilo de vida peculiar: At 2.44-45; 4.32-35.

Cartas Gerais – Também não fazem nenhuma menção ao dízimo. O que encontramos é sempre mensagens, como de Tg. 1.27, que apontam para o dever da misericórdia e do amor ao próximo.

Hebreus 7.1-8 – Também é utilizado para provar a prática do dízimo. Contudo trata-se sempre de distorções deste texto, pois o mesmo trata de provar a superioridade do sacerdócio de Cristo.

Cartas Paulinas – Rm 15.25-28; Ef. 4.28; 1Tm 5.16-18; Tt. 3.14; 1Co 16.1-2

Em nenhum momento Paulo refere-se a dízimo. Em todos os apelos, a ideia é sempre contribuir para atender os irmãos que passam por necessidade.

Obviamente temos que reconhecer que os obreiros devem receber (1Tm 5.17-18)

Paulo ainda usa o bom senso e mostra sua opção diante do exposto (1Co 9.6-18; At 20.33-35; Fp. 4.15-16; 1Ts 2.9; 2Ts 3.7-9). Ainda sim, muitos citam 1Co 9.13 de forma isolada.

Ultima questão: Nm. 18.22-23 diz: "os filhos de Israel não se aproximarão jamais da Tenda da Reunião: carregariam um pecado e morreriam. Levi fará o serviço da Tenda da Reunião, e os levitas levarão o peso de suas faltas". Cristo mudou esta situação? Se a resposta é sim, parece que eu não preciso contribuir com "ofertas expiatórias". Ou ainda precisamos de levitas, sacerdotes para nos representar diante de Deus?

1Co 8 e 9 – cada um dê como dispôs em seu coração.

Portanto, não se trata de deixar de contribuir na igreja. Mas penso que a contribuição deve ser livre, com alegria, sem valor estipulado.

O que o senhor acha disso?

Aguardo resposta,

Naquele que sempre nos dá tudo pela graça,

Prezado irmão,

Seus questionamentos são quase os mesmos que existem em outros textos que já li. São válidos e possuem certa lógica. Gostaria de ponderar alguns pontos:

1 - O fato de existirem 03 tipos de dízimos no Antigo Testamento somente destaca o valor dos mesmos e como Deus dava importância para tal prática. Quero lembrar que a prática dos dízimos antecede a Lei Mosaica. Parece-me que essa prática era peculiar a várias culturas fora a judaica que até o momento de Abraão não existia como nação/povo/cultura. Dai, as várias formas de dízimos, podermos concluir que o dízimo era relevante no culto a Deus e na cultura judaica.

2 - As distorções durante o período monárquico em nada diminuem o valor e a prática do dízimo, mas somente retrata a distorção de um povo que constantemente insistia em se afastar do Senhor. Muitas outras práticas foram transformadas em verdadeiros empecilhos ao culto e serviço a Deus. Quanto o povo se afastava de Deus mais rigorosa se tornava a Lei para eles. Podemos concluir que embora houvesse um caráter de imposto na monarquia, o que entendo não existir, o dízimo ainda continuava sendo vontade de Deus para a nação.
3 - Não acredito que o Novo Testamento ignore a prática do dízimo. Embora possua poucas referências aproximadamente umas 12, creio que era prática comum nas igrejas neotestamentárias, pois, as mesmas eram compostas, no início, de judeus, estes não conheciam outra forma de oferta a não ser o dízimo. Aqueles crentes gentios ao entrarem para igreja devem ter copiado a mesma prática dos irmãos judeus. Da mesma forma que não encontramos muitas citações sobre o dízimo no NT, também não encontramos nenhuma citação proibindo tal prática. Isso os vários artigos que já li não mencionam. Se houve proibição específica e clara alguns dos apóstolos inspirados pelo Espírito Santo teriam nos informado. O argumento do silêncio quanto ao dízimo também poderia ser usado para inibir as mulheres de participar da Ceia, pois, em nenhum lugar temos citações específicas para este fim. Daí termos defensores que propagam que as mulheres não são aptas para a Ceia, o que se constitui em um absurdo sem fim. Somente no ano 70 d.C. começou haver um desligamento do judaísmo, mas mesmo assim encontramos várias menções a dízimos nos primeiros escritos pós-apostólicos, o que parece indicar que a igreja apostólica e pós praticava o dízimo como forma de manutenção de suas estruturas.
4 - Em relação aos Evangelhos as passagens mencionadas não excluem a prática dos dízimos, mas em Mateus a incentiva. Embora estivesse criticando o comportamento hipócrita dos fariseus, Jesus foi contundente: "deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas". Jesus poderia ter dito simplesmente: esqueçam o dízimo e importem com a misericórdia, justiça etc. Mas ele enfatizou: pratiquem o dízimo e as demais virtudes. Se quisermos ficar somente com a repreensão aos fariseus, precisaremos eliminar o restante do versículo. Mas pergunto: Mesmo na repreensão do Senhor Jesus não encontramos um mandamento quanto ao dízimo? Ou será que está repreensão nada nos ensina quanto ao dízimo? Querer somente na repreensão é descartar um percentual significativo do ensino praticado por Cristo.

5 - O texto de Hebreus 7 aponta para Melquisedeque que um antítipo do tipo. Ele tipifica Jesus, somente isso. Não existe crítica a pratica do dízimo, mas um destaque que o antítipo recebeu os dízimos.

6 – Paulo não faz menção aos dízimos como também não menciona a unção com óleo, como também não fala sobre a Nova Jerusalém e etc. Assim sendo, querer apoiar argumentação em cima do que Paulo não falou fica meio capenga tal critério.

Paulo fala sobre ofertas e estas sendo feitas com alegria e não por constrangimento. Esse é o princípio. Agora dizer que a quantia fica a critério do coração do cristão é empurrar a igreja como instituição para um abismo muito profundo, pois, o único modelo prático de ofertas está em Atos e este modelo foi de entregar tudo aos pés da liderança da igreja, inclusive vender bens e propriedades. Todos, dentre os que já li, que excluem o dízimo do Novo Testamento, não destacam este ponto, pois, se assim o fizessem estariam se comprometendo a doar e ofertar muito mais do que 10%, teriam de dar 100%. Creio que a exclusão do dízimo da vida da igreja jogaria a mesma no caos, pois, nosso coração sempre será corrupto e extremamente enganoso, levando-nos sempre ao egoísmo e não ao altruísmo.

Mas se durante a validade da Lei o dízimo era o padrão, qual seria o padrão do Novo Testamento? Se a Graça é superior a Lei enquanto meio de salvação qual deveria ser o percentual (%) de contribuição? Acredito que você diria: Pastor o percentual deveria ser superior a 10%. Se assim for tudo fica dentro de um patamar de normalidade. Pessoalmente acredito que o parâmetro da igreja seja o dízimo como mínimo percentual de contribuição.

Acredito que nossas ofertas deveriam exceder o dízimo em muitas vezes, pois, a Graça excedeu a Lei infinitamente. Daí concluir que o critério de 10% deve ser utilizado para que não haja nenhum critério. Vejo que o Senhor Jesus encorajou o dízimo e as demais virtudes da vida. Creio que nossa devoção a Deus em todas as áreas deve exceder a justiça dos fariseus.

7 – Quanto às ofertas expiatórias essas não prevalecem para a igreja, pois, a propiciação já foi feita na cruz. Eram ofertas que apontavam para A Oferta, Cristo.

Quanto a precisarmos de levitas para nos representar diante de Deus, é preciso lembrar-se da reforma protestante do século XVI. Os reformadores resgataram a grande doutrina do sacerdócio universal dos crentes. Os levitas (sacerdotes) de hoje somos nós os cristãos. I Pe. 2:9 “Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”.

Um abraço

Pr. Luiz Fernando

CONTINUA NA PRÓXIMA POSTAGEM

Soli Deo Glória

Pr. Luiz Fernando R. de Souza

35 comentários:

  1. Excelente texto.

    Percebi ao longo de meu ministério que as pessoas que questionam o dízimo, sempre são muito voltadas para as coisas materiais e que em geral pouco se importam com a pregação do evangelho.
    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AMIGO, GOSTARIA DE TE INFORMAR QUE NÃO É APEGO A COISAS MATERIAIS, E SIM UM QUESTIONAMENTO DE ENRIQUECIMENTO ILICITO, ONDE DIVERSOS PASTORES ESTÃO USANDO DO DIZIMO COMO MEIO DE SALVAÇÃO. VEJO QUE GALATAS TRATA MUITO BEM DISSO, PAULO FALA MUITO BEM QUE ESTAMOS LIVRES DA LEI, OU ESTAMOS PRECISANDO CUMPRIR TODAS AS LEIS . EXPLIQUE VC ESTA NA LEI OU NA GRAÇA?

      Excluir
  2. Resposta totalmente tendenciosa. O dízimo hoje é dado para sustentar o luxo dos pastores e seus filhos. Se você chegar na igreja e falar igual a Jesus "Vende tudo que tens e sigma=me" (a frase não é bem assim, mas esse é o sentido) quase ninguém faria isso. Os pastores hoje tem 10 ternos, 20 sapatos, carros de luxo e etc. Pura hipocrisia. Duvido que algum pastor que postar alguma mensagem aqui, abre mão das riquezas adiquiradas as custas dos fiés. Até na igreja católica que nós julgamos ser idólatra, os "sacerdotes, padres seja o que for" fazem voto de pobreza abrindo mão de tudo. Sinto muito Pastor Luís Fernando, mas o dízimo hoje, tem a maior parte do valor destinado ao luxo dos pastores e seus amigos. Eu frequento uma igreja evangélica e já participei dos bastidores e sei como funcionam as coisas. Infelizmente o "dinheiro" é a fonte de todos os males. As pessoas se matam pelo dinheiro. Chega de hipocrisia. Hoje em dia não entrego mais o dízimo. Apenas contribuo com o que eu propuser no meu coração. E estou em paz com Deus.

    ResponderExcluir
  3. Prezado Vinícius,
    Parece-me que você não leu o texto. Por que tendenciosa se somente houve o contra-ponto às perguntas?
    Sua afirmativa que os dízimos servem somente para sustentar o luxo de pastores e seus filhos é no mínimo risível. Conheço centenas de pastores que nunca praticaram isso que você falou. Parece-me que para você todos os pastores não prestam e se assim for por que você ainda frequenta uma igreja evangélica? Quando você afirma que os pastores de hoje possuem 10 ternos, 20 sapatos etc, parece-me que você conhece todos os pastores em suas intimidades.
    Acredito que sua experiência em alguma igreja qualquer não tenha sido boa e daí sua generalização. Sei que existem aproveitadores no meio do povo de Deus, mas nem por isso precisamos invalidar aquilo que a Palavra afirma. Estou no ministério a mais de 29 anos e posso lhe garantir que esses comportamentos apontados por você passam longe de minha vida e centenas de pastores também desconhecem tais práticas. As batatas podres precisam ser tiradas do meio e não jogar o saco inteiro fora. Suas conclusões corroboram o ditado popular: "jogaram a água fora e bebe junto". Quanto a você não entregar o dízimo é sua questão com Deus e acredito que suas ofertas voluntárias sempre são menores do que o dízimo. O mesmo comportamento católico em que os fieis dão esmolas para o Reino. Quanto a estar em paz com Deus acredito ser uma cauterização de mente e alma, assim você consegue acalmar as vozes interiores que lhe dizem o contrário.
    Somente posso concluir que você é um profundo estudioso das Escrituras, com formação acadêmica ilibada e especialista em Bíblia e teologia. Assim sendo, dobro-me diante de sua sapiência.
    Deus continue abençoando sua vida e lhe confira saúde e paz.
    Em Cristo
    Pr. Luiz Fernando

    ResponderExcluir
  4. Pastor Luiz,
    Interessante este assunto, pois ha uma semana estava estudando sobre isto e encontrei um video do Augustus Nicodemus através do site www.voltemosaoevangelho.com, onde, a partir do minuto 14 ele diz que no NT não há menção do dizimo, mas diz em 2Co.8 que todos devem contribuir e que cada um contribuia com o que tiver recebido de Deus.
    Assim concluimos: Ora, se todos devem contribuir e que seja de acordo com sua condição, o dízimo, ou os 10%, embora não seja uma Lei do NT, já esta amparado pelo AT e aprovado por Deus.
    Segue o link do video: http://voltemosaoevangelho.com/blog/2012/02/malaquias-310-o-dizimo-e-o-novo-testamento/
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  5. Meu caro irmão Roney,
    creio do Dr. Nicodemus disse que não existe menção do dízimo como lei no N. Testamento. Na hermeneutica temos textos que são descritivos e outros que são prescritivos. O de Mt. é prescritivo ou seja, é uma ordem estabelecida. Como disse na postagem muitos entendem o vers. de Mateus como uma repreensão aos fariseus da época, somente. Mas o texto é claro em apontar os erros dos fariseus e ao mesmo apontar para a prática do dízimo. Como você bem disse existe o amparo do A. Testamento para tal prática e se lembrarmos que a Bíblia é um todo então tudo fica mais claro e calmo.
    Um forte abraço
    Em Cristo
    Pr. Luiz Fernando

    ResponderExcluir
  6. Achei bastante esclarecedor e edificante. Creio que dizimar e ofertar é uma forma de demosntrar amor a Deus, a sua Palavra e a sua obra. Que o Senhor nos livre dos mercenários do dinheiro. Pr Jonas

    ResponderExcluir
  7. Prezado colega Pr. Jonas,
    realmente dizimar é demonstrar amor a Deus, à sua obra e mover o braço evangelizador da igreja. Muitos questionam o dízimo não porque seja errado, mas porque possuem corações duros e egoistas. Quando precisam de alguma intervenção da parte de Deus,estes que se ofendem com o dízimo são os primeiros a pedir orações e visitas dos pastores. Que Deus nos livre dos salteadores mesmo.
    Um forte abraço
    Em Cristo
    Pr. Luiz Fernando

    ResponderExcluir
  8. Querido Pr.Luiz,
    infelizmente muitos generalizam as igrejas por poucos mercadores da palavra. Acabam acreditando que todas as igrejas roubam os fieis. E infelizmente, hoje vemos igrejas voltadas a arrecadar dinheiro a qualquer custo. Ridicularizam o evangelho e estão cada vez mais afastados de Cristo. Dízimos devem ser entregues sim. Nos 10 mandamentos Deus diz: NÃO furtarás. E em Malaquias 3:8 Deus volta dizendo: Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas.
    E como o Pr disse: não houve nenhuma passagem que Jesus ou os apóstolos mencionassem que essa prática deveria parar. Então como servos fiéis, devemos continuar sim. Outro fato é que as pessoas olham as igrejas e não levam em consideração que paga-se aguá, luz, telefone, reformas, obras sociais, etc. será que pensam que quando chega um imposto, vem um anjo e zera a conta? Quando a igreja precisa de uma reforma, são os anjos que descem do céu e fazem o conserto?
    Concluindo: Entregue os dízimos e oferta a casa do tesouro. Caso não estão fazendo, se arrependam, e voltem aos caminhos do Senhor, e Ele será fiel.
    Um grande abraço.
    Pr Vanir

    ResponderExcluir
  9. Prezado colega Pr. Vanir,
    suas ponderações são precisas. Nada a acrescentar. Precisamos denunciar as trevas e as corrupções em nosso meio.
    Um forte abraço
    Em Cristo
    Pr. Luiz Fernando

    ResponderExcluir
  10. Caro colega, o asssunto é interessantissomo, dizimo virou palavra de orden nas igrejas, ruin é porque tomou rumos totalmente antibiblicos apatir da flamigerada teologia da prosperidade,virou um troca-troca, verdadeiros negociadores de riquesas, mas ainda bem que pessoas como o senhor pensa o dizimo como a biblia expôe, dizimo é uma prova de amor a obra de Deus, só dizima aqueles que querem sustentar a casa de Deus, mas gostaria de fazer um comentária sobre a citação de que em atos se trata de uma ordem para trazer tudo aos pés dos lideres, porque o que vemos ali era uma atidude da comunidade de atos, os p´roprios crentes é que trazia seus bens e entregava aos apostolos, em momento nenhum há uma ordem dos apostolos para tal atitude, ate porque se ele fizessem isso, meu Deus!!!
    Quanto ao Vinicios ele me parece uma pessoa mal informada, suas acuzações demostram falta de conhecimento do assunto, primeiro ele acusa os pastores de surrupiar o dizimo, segundo ele diz que os padres fazem voto de pobresa, só ele acredita nisso, não há padre pobre, alias é por isso que eles não casam, não casam para não terem herdeiros e assim suas riquesas pós morte ficam para a igreja.

    ResponderExcluir
  11. Pastor, curti o texto, porém não as respostas.

    Mas respeito a forma de entendimento e compreensão.

    Porém o que ocorre hoje, não é a pregação do minimo 10%; mas sim a maldição a quem não contribui.

    Isso passa a ser extorsão santa, quando não fazem campanhas de jogatinas de como receber mais de Deus.

    Isso é lamentavel, sempre foi dito em ajudar o proximo, porem o que acontece é bem contrario.

    Não vejo merecimento vê o filho de um Pastor estudando em colégio ou faculdade paga pela igreja, e o menino de ouro da igreja sem condição da mesma.

    E outros exemplos do mesmo gênero.

    Sei que a igreja na Terra tem que ser manida, para que seja falada a Palavra de Deus, as boas novas, porém os interesses de vida eterna, morar com Jesus, isso se perdeu e o que vale é vc contribuir com seu dizimo, oferta de sacrifico e pagar um carnê para que seja prospero.

    Muitas promessa pregadas dada ao povo Judeu, e a nossa basta saber que serei salvo!

    Novamente firmo que foi otima as colocações do Senhor, 10% o minimo de responsabilidade.

    Porém se não tiver esse mês, não se preocupa que o serasa do céu não vai te ligar, porem se não pagar a conta de luz, a cia vem e corta a mesma.

    ResponderExcluir
  12. Completamente verdade o seu artigo mostra a realidade que os FALSOS PROFETAS não admitem, as referencias biblicas são bem essas que não tem nada a ver com o Dizimo, alem de não existir o Dizimo como mandamento no NT, vai ter muitos dicendo que sem dizimo a igreja não cresce PURA MENTIRA, existem igrejas e INstituiçoes que são dão muito bem somente com ofertas voluntarias.
    alem de os que se guiam por malaquias 3:10 eles mesmos colocam o devorador nas suas mentes, pois Jesus dice que em Nome dEle, expulsaremos todo mal.
    agora se alguem dicer que com dizimos expulsamos o MAL, por favor, vai ler a biblia!!!
    Acredito que um dia veremos a diferença enorme entre os Cristãos que seguem a Cristo e os que seguem os FALSOS PROFETAS, esse dia vira e havera muitos confrontos e contendas, mas o melhor é que os Cristão ficaram Unidos para o verdadeiro proposito do Evangelho e o verdadeiro reino de Deus.

    ResponderExcluir
  13. Para meditar: Ora, aquele que dá semente ao que semeia e pão para alimento também suprirá e aumentará a vossa sementeira e mutiplicará os frutos da vossa justiça, enriquecendo-vos EM TUDO,para toda generosidade, a qual faz que, por nosso intermédio, sejam tributadas graças a Deus.2Co9:10.
    Que o Espírito Santo fale aos nossos corações.
    Andréia

    ResponderExcluir
  14. Prezado colega Pr. Josias,
    realmente com a chegada da Teologia da Proposperidade houve uma extrapolação e mesmo um desvirtuamento do dízimo. Chegaram mesmo os ganânciosos e estes demonstraram sua face negra de corrupção. Daí termos reações contra o dízimo. Creio que quem reage contra o dízimo está querendo reagir contra os falsos líderes e aproveitadores. Quanto ao irmão afirmar que o texto de Atos é uma ordem, creio que não percebo isso na postagem. Disse que como modelo prático (que envolva percentual) somente temos o texto de Atos que envolveu 100%. Claro que isso não é norma, pois não mais se repetiu na história da igreja. Quanto ao Vinícius creio que ele teve uma péssima experiência com algum pastor ou liderança que teve comportamentos não bíblico e esta generalizando.
    No mais continuemos na Sã Doutrina.
    Um abraço
    Em Cristo
    Pr. Luiz Fernando

    ResponderExcluir
  15. Prezado irmão Dângelis,
    sua visita enriquece o blog. Gostaria de ponderar sobre suas colocações:
    1- Primeiro não tratei no texto sobre aplicação do dízimo. Creio que a 1a coisa que chama atenção das pessoas é o mal uso desses recursos por parte de alguns aproveitadores. Mesmo assim, não anula a prática do dízimo. Uma nota de dolar falso não anula as verdadeiras, nem mesmo milhões delas.
    2 - Também o texto não tratou da forma de arrecadação do dízimo. Se alguém usa de terrorismo para conseguir seus objetivos ou levar o povo de Deus a contribuir isso não está na Palavra. A Palavra diz sobre contribuir com alegria e não por necessidade ou constrangimento.
    3 - Você tem razão quando diz que o dízimo virou moeda de troca para se conseguir uma vida com várias mordomias ou prosperidade. Isso deve ser extirpado do nosso meio. Deve nos bastar sim saber que nossos nomes estão escritos no livro da vida, mas não podemos esquecer, como você bem disse, que a igreja enquanto instituição terrena não vive somente de orações e virtudes espirituais, mas precisa de recursos para tocar sua obra e cumprir sua finalidade.
    4 - Com sua permissão discordo de sua última afirmação que se não tiver este mês..... Por que faltar com a obra de Deus? Por que priorizar outros compromissos e não o Reino? Buscai em 1o. lugar o Reino de Deus e as demais coisas vos serão acrescentadas, não é assim que disse nosso amado Salvador? Creio que se falta para o dízimo é porque está havendo má gestão do dinheiro, não concorda?
    Deus o abençoe ricamente e lhe confira paz, saúde e Graça.
    Um abraço
    Em Cristo
    Pr. Luiz Fernando

    ResponderExcluir
  16. Prezado irmão Alex,
    não entendi bem suas colocações, mas creio que pelo pouco que entendi bate com algumas colocações de outros aqui no blog.
    Obrigado por sua visita.
    Deus o abençoe ricamente.
    Um abraço
    Em Cristo
    Pr. Luiz Fernando

    ResponderExcluir
  17. Irmçã Andréia,
    como sempre suas colocações são inteligentes e bíblicas. Realmente Aquele que dá a semente nos enriquecerá em toda justiça para toda obra de generosidade.
    Um abraço
    Em Cristo
    Pr. Luiz Fernando

    ResponderExcluir
  18. Olá, Pr. Luiz Fernando, a paz do Senhor!

    Muito bom esse artigo e as verdades aqui apresentadas. Que Deus o contiue abençoando e usando em nome de Jesus...
    Também sou pastor, e não tenho 20 sapatos nem 10 ternos... No entanto, desde os meus 16 anos aprendi o que é dizimar e ofertar e tenho feito com grande alegria em gratidão a tudo o que Deus nos tem dado...
    Não estamos ricos nem gastamos com luxo, mas temos o suficiente pra viver com o minimo de dignidade. Creio que tudo isso vem das mãos de Deus... por isso, dizimamos e ofertamos com muita alegria e gratidão...

    A minha oração é que Deus use este artigo para que muitos crentes entendam o privilégio dessa mordomia cristã (mordomia aqui no sentido correto da palavra) e usufruam dele. Deus o abençoe grandemente mais ou uma vez!

    Já estamos seguindo. Se quiser fazer uma visita e seguir meus blogs também será uma honra!!
    www.damocidade.blogspot.com
    www.horabendita.blogspot.com

    Pr. Antonio

    ResponderExcluir
  19. Concordo, pastor, e mais, o dízimo virou a indulgência da igreja protestante,fazem propaganda como se fosse uma casa de ações. Não sou dizimista sou ofertante da minha vida na obra de Deus e Deus tem abrido portas tremendas na minha vida, posso dizer que tudo na minha vida é pela graça e misericórdia de Deus não pela quantidade do dinheiro. Agora para aqueles que defendem o dízimo...Para quem foi instituído? para que finalidade? e o que era o dízimo? Se defendem? Qual era a finalidade do dízimo ? era para construir templos? pagar aluguel?fazer festinhas sociais? No NT A FINALIDADE DA OFERTA É para sustentar a obra missionária e os necessitados .LEMBRANDO QUE QUEM INSTITUIU NO DÍZIMO NA IGREJA FOI A MAÇONARIA , NO INICIO PARA SUSTENTAR A ORDEM MAÇÔNICA DO EXTERIOR QUE FUNDOU AS PRINCIPAIS IGREJAS HISTÓRICAS,ninguém usa texto do NT para defende-lo , no NT Jesus fala aos judeus...

    ResponderExcluir
  20. Oi Pr. Luiz!

    Creio que os irmãos que se incomodam com o dízimo, deveria de uma forma muito cuidadosa e profunda sondar seu próprio coração, e verificar o que de fato o incomoda, de uma forma mais honesta. Não nos incomodamos quando o dinheiro sai do nosso bolso para aquela viagem, para aquele carro novo com prestações a perder de vista, nem qualquer outra coisa que cobicemos muito, porque isso? Dizer que não existe menção no NT do dízimo é um argumento muito frágil, basta ler os primeiros capítulos de Atos e todas as cartas para entender o porque disso, Deus em Cristo Jesus criou um novo homem, com um novo coração, que tem por único objetivo glorificá-lo em todas as coisas, e não apenas isso, a Bíblia diz que Deus derramou seu amor em nossos corações! Eu pergunto, será que há necessidade de obrigar um filho, a demonstrar amor por seu Pai? pela obra dele? por nossos irmãos? Ele já não ESCREVEU em nossos corações e mentes todas estas coisas quando nos salvou? não é isso que vemos no comportamento dos dos irmãos em atos? Fica claro que essa é uma compreensão que passa por um coração transformado pelo Espírito Santo e não da letra em si.

    ResponderExcluir
  21. Oi Pr. Luiz!

    Creio que os irmãos que se incomodam com o dízimo, deveria de uma forma muito cuidadosa e profunda sondar seu próprio coração, e verificar o que de fato o incomoda, de uma forma mais honesta. Não nos incomodamos quando o dinheiro sai do nosso bolso para aquela viagem, para aquele carro novo com prestações a perder de vista, nem qualquer outra coisa que cobicemos muito, porque isso? Dizer que não existe menção no NT do dízimo é um argumento muito frágil, basta ler os primeiros capítulos de Atos e todas as cartas para entender o porque disso, Deus em Cristo Jesus criou um novo homem, com um novo coração, que tem por único objetivo glorificá-lo em todas as coisas, e não apenas isso, a Bíblia diz que Deus derramou seu amor em nossos corações! Eu pergunto, será que há necessidade de obrigar um filho, a demonstrar amor por seu Pai? pela obra dele? por nossos irmãos? Ele já não ESCREVEU em nossos corações e mentes todas estas coisas quando nos salvou? não é isso que vemos no comportamento dos dos irmãos em atos? Fica claro que essa é uma compreensão que passa por um coração transformado pelo Espírito Santo e não da letra em si.

    Roger Leonardo

    ResponderExcluir
  22. Prezado colega Pr. Antônio,
    faço coro com o colega. Também não possuo 10 ternos e pares de sapatos. Creio nossas vidas são compativeis com as comunidades que pastoreamos. Que o Senhor nosso Deus nos ajude a honrarmos seu santo nome e chamado para o ministério.
    Um forte abraço
    Em Cristo
    Pr. Luiz Fernando

    ResponderExcluir
  23. Prezado irmão Cristiano,
    suas colocações são desconexas e não possuem base bíblica, histórica ou filosóficas. Acredito que um melhor estudo sobre o tema ajuda a clarear as ideias. Respeito seus pontos de vista mas não concordo com eles.
    Um abraço
    Em Cristo
    Pr. Luiz Fernando

    ResponderExcluir
  24. Prezado irmão Roger,
    você bem argumentou sobre gastos pessoais que não são questionados por aqueles que criticam o dízimo. Tenho viajado por vários estados e pregados em várias igreja sobre o tema Finanças e a Bíblia e tenho visto pessoas presas nas malhas das dívidas e ouvido testemunhos de outros tantos sobre a opressão financeira em que vivem. Por que não questionar os gastos inúteis feitos em nome de desejos incontroláveis?
    Continuem na prática da Palavra de Deus.
    um abraço
    Em Cristo
    Pr. Luiz Fernando

    ResponderExcluir
  25. OLA MEU GRANDE MESTRE PASTOR LUIZ FERRNANDO, GRAÇA E PAZ.PASTOR, ESTE ARTIGO VEM NUM MOMENTO EM QUE A SOCIEDADE ESTA INDIGNADA COM O SURGIMENTO DE TANTAS BANDALHEIRAS DENTROS DAS MEGAS IGREJAS EM RELAÇÃO CONTRIBUIÇÕES EXIGIDAS PELOS GRANDES CHAMADOS( PROFETAS)QUE DE PROFETAS NÃO SABEM NADA, MAS ESTÃO SIMPLESMENTE PREOCUPADOS EM CONSTRUIR IMPERIOS PARA SE BENEFICIAREM COMO SE ESTIVESSEM FAZENDO ALGUMA COISA PARA DEUS, ISTO UMA VERGONHA. ESTES HOMENS NUNCA FORAM PASTORES E JAMAIS SERÃO, SÃO APENAS ENGANADORES CRUEIS QUE OLHAM PARA AS PESSOAS QUE NÃO TEM O QUE COMER DIREITO EM CASA E TENTAM DE TODAS AS MANEIRAS PERSUADI-LAS DIZENDO, SE QUEREM UMA BENÇÃO TEM QUE DAR OQUE ELAS NÃO TEM, E TEM O DESCARAMENTO DE DIZER COM A BOCA CHEIA,É TUDO OU NADA, MEU IRMÃO NÃO DA PARA ENGOLIR. PASTOR, PARABENS PELA SUA CORAGEM DE POSTAR EM SEU BLOG ESTE ARTIGO, SEI QUE VEM MAIS E ISTO SERÁ MUITO BOM. UM GRANDE ABRAÇO E QUE DEUS O ABENÇOE.

    ResponderExcluir
  26. Verdade meu nobre colega,
    alguns passaram longe do chamado ministerial e estão provocando um grande estrago na igreja. As benção advindas do Pai são pela graça somente e nada mais. Que o Senhor tenha misericórdia e guarde sua igreja dessa hora má.
    Um abraço
    Em Cristo
    Pr. Luiz Fernando

    ResponderExcluir
  27. Quando a nossa relação com Deus e o serviço a Deus não atende os padrões que estabelecemos em outras áreas de nossas vidas, estamos mostrando desprezo a Deus, em vez de honra.

    ResponderExcluir
  28. Na verdade eu como membro normal olhando do banco da igreja e tentando pensar com o pensamento de Cristo,tanto oferta quanto dizimo são para as "necessidades" da igreja que são os impostos,as obras missionárias e ajuda dos necessitados pois as demais coisas Deus supre.Agora se a igreja se compromete a se ornar em luxos com certeza os membros deveriam entender que requer mais dinheiro e que festas,saídas,eventos isso requer grande quantia mas estando os membros em acordo porque não dar mais que 10% ou uma oferta de sacrifício,afinal somos um corpo.E concluindo pelo que eu vejo aqui em nova iguaçu que é uma das cidades que tem mais evangélicos no brasil,a maioria tem suas "necessidades" básicas de uma igreja mais que suprida.E aos que dizimam ou ofertam ou não fazem nem um nem outro sejam Justos ao seu coração ou seja sejam justos ao Espírito Santo falando ao seus corações porque até aquele que dá sabendo que o pastor vai roubar ele dá não pelo pastor mas no compromisso do seu coração com o Senhor.porque o dinheiro passa e o Justo vive pela fé e nunca vi desamparado o justo, nem a sua semente a mendigar o pão.Que o Senhor guarde,proteja e prospere na vida de Todos aqueles que o Amam.Amém.

    ResponderExcluir
  29. Sr, luiz Fernando, faz um tempinho que fiz minha colocação sobre o dízimo e sobre seus posicionamentos e até agora não foi publicado.
    O que percebi é que são publicados apenas os artigos que concordam com a cobrança do dízimo e quando são artigos contrários ao assunto ,são de fraca argumentação doutrinária ,onde fica fácil vocês rebaterem e constestarem.
    Gabriel.
    gabre1000@ig.com.br

    ResponderExcluir
  30. 4) PARTILHA –
    “Olhai para Jesus como o padrão e exemplo do vosso contribuir. Procurai a Deus diligentemente, sede generosos e prontos a compartilhar, para que entesoureis para vós mesmos o tesouro de uma boa fundação para o futuro, de modo que alcanceis aquela que é a verdadeira vida!” (1 Tm 6.18,19).

    Assim confirma Paulo: “E o que é instruído na palavra reparta de todos os seus bens com aquele que o instrui” (Gálatas 6:6).

    5) GENEROSIDADE –
    Atos 2.44-45: “E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum. E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister.” O espírito de amor e generosidade era tão grande, na igreja primitiva, que os crentes, de própria vontade e alegremente, abriram mão de suas próprias propriedades e possessões, para ministrarem às necessidades dos outros santos. Eles chegaram mesmo ao ponto de vender suas terras e casas para tomarem conta um do outro (Atos 4.34).

    ResponderExcluir
  31. A igreja que mais cooperou com a comunidade que estava em Jerusalém foi a igreja da Macedônia: “Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus dada às igrejas da Macedônia; como em muita prova de tribulação houve abundância do seu gozo, e como a sua profunda pobreza abundou em riquezas da sua generosidade. Porque, segundo o seu poder (o que eu mesmo testifico) e ainda acima do seu poder, deram voluntariamente. Pedindo-nos com muitos rogos que aceitássemos a graça e a comunicação deste serviço, que se fazia para com os santos. E não somente fizeram como nós esperávamos, mas a si mesmos se deram primeiramente ao Senhor, e depois a nós, pela vontade de Deus” (2 Coríntios 8.1-5).

    ResponderExcluir
  32. Um ensinador é como um boi que deve ser permitido comer enquanto está debulhando. Em outras palavras, deve ser sustentado e cuidado enquanto está trabalhando com todo esforço. Ele também é como um operário, o qual é digno de seu salário. Assim a Bíblia assevera: “Ou só eu e Barnabé não temos direito de deixar de trabalhar? Quem jamais milita à sua própria custa? Quem planta a vinha e não come do seu fruto? Ou quem apascenta o gado e não se alimenta do leite do gado? Digo eu isto segundo os homens? Ou não diz a lei também o mesmo? Porque na lei de Moisés está escrito: Não atarás a boca ao boi que trilha o grão. Porventura tem Deus cuidado dos bois? Ou não o diz certamente por nós? Certamente que por nós está escrito; porque o que lavra deve lavrar com esperança e o que debulha deve debulhar com esperança de ser participante. Se nós vos semeamos as coisas espirituais, será muito que de vós recolhamos as carnais? Se outros participam deste poder sobre vós, por que não, e mais justamente, nós? Mas nós não usamos deste direito; antes suportamos tudo, para não pormos impedimento algum ao evangelho de Cristo. Não sabeis vós que os que administram o que é sagrado comem do que é do templo? E que os que de contínuo estão junto ao altar, participam do altar? Assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o evangelho, que vivam do evangelho” (1 Coríntios 9.6-14).

    3) COOPERAÇÃO –
    Paulo escrevendo aos filipenses fala da sua cooperação para com a Obra de Deus: “Pela vossa cooperação no evangelho desde o primeiro dia até agora” (Filipenses 1:5).

    ResponderExcluir
  33. Em Malaquias lemos: “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes" (Malaquias 3:10).


    2) PROVISÃO – 1 Timóteo 5.17-18: “17 Os presbíteros que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina; 18 Porque diz a Escritura: Não ligarás a boca ao boi que debulha. E: Digno é o obreiro do seu salário.” Neste texto, “honra” tem que significar mais que [meras] estima e respeito, pois, no verso 3 do mesmo capítulo, Paulo manda a Timóteo “Honra as viúvas que verdadeiramente são viúvas.” Honrar estas viúvas é prover para elas (v. 8) é assisti-las (v. 16). Portanto, quando Paulo menciona “honrar” os anciãos que trabalham duramente na pregação e ensino [da Palavra], imediatamente depois que ele mencionou honrar as viúvas, Paulo tem que ter a mesma coisa em mente – prover e assistir aos anciãos financeiramente, de modo que possam se dedicar ao trabalho de labutarem na Palavra.

    ResponderExcluir
  34. O dízimo neotestamentário não é uma “obrigação legal” como o era no Velho Testamento. O dízimo, como prática do Novo Testamento, trata-se de uma “obrigação moral”, o que é muito mais contundente como compromisso, e advém de um sentimento de

    . Manutenção Provisão. Cooperação. Partilha. Generosidade
    Mas se não é uma “obrigação legal” o é ainda mais porque se trata de uma “obrigação moral”. Isto em razão do fato de que tanto na “obrigação legal” quanto na “moral” o que é importante mesmo é o compromisso e este compromisso as pessoas devem tê-lo por amor. Mas o que deve ficar bem claro aqui é que tanto um quanto o outro (o legal e o moral) deve ser feito com amor, uma vez que também podemos praticá-lo sem amor.



    1) MANUTENÇÃO – “E ordenou ao povo, que morava em Jerusalém, que desse a parte dos sacerdotes e levitas, para que eles pudessem se dedicar à lei do SENHOR” (1 Crônicas 31.4).

    ResponderExcluir