01 maio 2010

FAZENDO ASSEPSIA GERAL


Assepsia é um termo aplicado a medicina e quer dizer:É o processo pelo qual se consegue afastar os germes patogênicos de determinado local ou objeto”. É extremamente necessário esse processo, pois, caso contrário infecções das mais variadas forma se apresentarão e como corolário teremos graves enfermidades ou morte. Durante centenas de anos a raça humana conviveu com um alto índice de mortandade devido à falta de assepsia. Praticamente quem iniciou o processo de assepsia, embrionariamente no cuidado de doentes, foi Florence Nightingale, mãe da enfermagem moderna e por sinal era uma cristã convicta.

Assepsia deve ser antes que um ato um processo contínuo tanto no campo da medicina como no pessoal. Necessário se faz constantemente afastar os germes patogênicos de nossas vidas físicas, emocionais e comportamentais, senão poderemos enfraquecer nossas fibras morais, éticas e cristãs. Esse enfraquecimento será o meio propício para a multiplicação de comportamentos erráticos em todas as áreas.

Gostaria de ponderar sobre algumas áreas que precisamos de uma total assepsia. Uso os termos assepsia e faxina de forma intercambiável.

1 – Área de Família.

Deixamos acumular com o tempo comportamentos e sentimentos daninhos nessa área e depois vemos o enfraquecimento nas relações familiares ser uma constante. Acostumamo-nos com atitudes indesejadas e pensamentos nocivos a vida em família e depois reclamamos porque perdemos o brilho, o vigor, a alegria e as motivações dentro de casa. Rapidamente deve ser feito uma faxina em nossa vida familiar. Analisarmos cuidadosamente os comportamentos e sentimentos mantidos ao longo dos anos e depois limparmos tudo o que é desnecessário. Assepsia na família deve ser um processo durante sua existência. Se assim acontecer experienciaremos uma revitalização na família, as relações melhorarão, os canais de comunicações serão reabertos e uma nova oxigenação aumentará o fluxo de vida familiar.

Essa assepsia deve ser feita por todos os membros da família. Cada um analisando seus comportamentos, pensamentos e sentimentos e desprezando aquilo que é inócuo.

Pode-se iniciar por uma criteriosa análise sobre o uso da televisão. Essa mídia mais afasta do que aproxima os membros de uma família. Quem sabe uma só TV para toda família? Quem sabe um uso mais racional dessa mídia não nos daria mais tempo para um bom diálogo familiar ou ganharíamos mais tempo para uma boa leitura e meditação pessoal?

Poder-se-ia continua com uma análise criteriosa do uso do computador. Acredito que disciplina nesse comportamento só trará dividendos excelentes para família. Caso contrário uma escravidão bate à nossa porta. Tenho visto, ao longo do ministério pastoral, família inteiras fragmentadas porque permitiram o uso indiscriminado do computador. Famílias onde a comunicação se faz por MSN ou email já que o diálogo tornou-se impraticável.

Creio que outra área necessária seria a dos comportamentos/hábitos adquiridos. Maridos deveriam repensar hábitos já há muito arraigados e fazer uma faxina neles. Chegar em casa e ir direto para o computador ou televisão deveria ser alternado com um beijo na esposa, interesse pelo dia dos filhos, ajuda mútua para qualquer membro da família. As esposas poderiam ao invés de despejar suas ansiedades sobre o marido proporcionar um ambiente mais limpo, agradável e cativante para todos e depois com competência expor seus pensamentos.

2 – Área Espiritual.

Nada mais urgente do que uma assepsia na nesta área. Sem percebermos vamos acostumando com comportamentos, fraseologia e ensinos que em nada nos aproximam de Deus. Sem percebemos aceitamos como verdades incontestáveis ensinos e doutrinas espúrias que nos deprimem ao invés de nos elevar. Paul Joseph Goebbels foi o ministro do Povo e da Propaganda de Adolf Hitler (Propagandaminister) na Alemanha Nazista, exercendo severo controle sobre as instituições educacionais e os meios de comunicação, dizia que "uma mentira cem vezes dita, torna-se verdade". Esse pensamento de Goebbels é demonstrável no dia-a-dia e no meio evangélico é tremendamente corruptor. De tanto escutarmos pregadores afirmando as mesmas coisas às aceitamos como verdadeiras e inquestionáveis. Acostumamo-nos com estas afirmações e quando somos confrontados com a Palavra sentimos estranheza. Em várias comunidades são aceitas como verdades fundamentais os ensinos como: Benção e Maldição; Cura Interior; Quebras de Maldições Hereditárias; Ministérios de Danças; Ministérios de Louvor; Ensinos das $emente$ da$ Prosperidade$; Existência de Apóstolos hoje seus dizeres proféticos; Atos Proféticos; Uso do copo com água; Atribuição de Poderes Especiais a objetos materiais etc.

Esses ensinos adentraram as igrejas e estas passivamente os aceitaram como princípios da Palavra. Não vou refutar um por um desses ensinos, pois, já o fiz em postagens anteriores, mas gostaria de destacar a total passividade dos cristãos diante disso tudo. Ensinos aceitos acriticamente. John Mackay disse: “Ação sem reflexão é paralisia da razão”. Cito 03 versículos da Palavra que apontam para tais comportamentos: I Tm. 4: 1,2 “Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios; Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência”.

II Tm. 4: 3,4 “Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas”.

Necessário e urgente se faz praticarmos assepsia na área espiritual. Nunca vimos nos tempos modernos tantas pessoas das mais variadas linhas teológicas mercadejarem tanto a Palavra como agora. Cabe a cada cristão a responsabilidade do cuidado sobre si mesmo. Por isso, uma faxina nesta área é fundamental. Precisamos questionar se o que estamos ouvindo e aprendendo tem fundamentação bíblica ou não. Se não tiver, então uma limpeza será bem vinda.

3 – Área de Liderança

Todo dia aparece alguém se dizendo pastor e ensinando qualquer coisa e afirmando falar em nome de Deus. Uns dos erros mais fundamentais hoje em dia são igrejas que aceitam pregadores sem suas credenciais. Igrejas que empossam pastores em suas presidências sem o mínimo critério. Igrejas que consagram pessoas sem as menores qualificações para o ministério pastoral. Qualquer pessoa que postula ser pastor de uma igreja deveria apresentar suas credenciais – Comprovação de formação teológica – Ata de Consagração e nomes dos componentes do Concilio consagratório – Carta de Referencia de outras igrejas – Defesa de sua linha teológica – Recomendação da Denominação que o Consagrou – Folha corrida – etc.…

As denominações históricas deveriam promover essa assepsia em seus quadros pastorais e apurar com maior precisão o momento da consagração de alguém ao Ministério da Palavra. Conheço denominação que consagra ao ministério pessoas que fizeram curso de teologia de algumas horas e no momento do exame teológico usam manuais de ensinos em nível de Escola Bíblica Dominical. Não formam pensadores e homens com profundos conhecimentos para serem expositores da Palavra. Quando bate qualquer vento novo de doutrina vemos o estrago que isso faz.

Necessário se faz uma assepsia na aceitação de homens que somente falam e nada mais. Homens que somente gritam e esbravejam e nada mais. Homens que usam palavras chulas para agredir todos que deles discordam. Tais lideranças não são necessárias. As igrejas precisam ser firmes nesta área e irredutíveis em seus critérios de avaliação.

As igrejas precisam exigir de seus líderes vidas com modéstia, moderação, discrição, e extirpar de seus meios os megalomaníacos que insistem em promover a si mesmos. Que buscam poder a qualquer custo e que querem mostrar que a benção de Deus está ligada à prosperidade financeira. Há pouco tempo li em uma revista exotérica sobre Billy Graham. Ela dizia que os evangélicos tinham do que se orgulhar, pois, Billy Graham em mais de 40 anos de ministério em nada tinha envergonhado seus pares. Andava em um carro com 8 anos de uso. Quando levava sua secretária para casa ela ia no banco de traz do carro. Havia doado todos os direitos autorais de seus livros para Associação Billy Graham para Evangelização e que recebia um salário de U$ 10.000,00 desta Associação. Pelo que me consta Billy Graham pregou em mais países do mundo do que qualquer outro pregador e fez mais cruzadas nos diversos continentes que qualquer outro e mesmo assim não existem relatos que tenha comprado aviões, gasto fortunas nababescas com propriedades faraônicas e nem mantido um padrão de vida discrepante. Não seria ele um paradigma moderno para as lideranças evangélicas?

Sem medo de estar cometendo algum pecado necessário se faz uma assepsia na liderança evangélica brasileira.

Termino citando um texto do apóstolo Paulo a Timóteo onde ele aconselhava o jovem pastor a ter um padrão elevado de ministério. I Tm. 4:6-16

Propondo estas coisas aos irmãos, serás bom ministro de Jesus Cristo, criado com as palavras da fé e da boa doutrina que tens seguido. Mas rejeita as fábulas profanas e de velhas, e exercita-te a ti mesmo em piedade; Porque o exercício corporal para pouco aproveita, mas a piedade para tudo é proveitosa, tendo a promessa da vida presente e da que há de vir. Esta palavra é fiel e digna de toda a aceitação; Porque para isto trabalhamos e lutamos, pois esperamos no Deus vivo, que é o Salvador de todos os homens, principalmente dos fiéis. Manda estas coisas e ensina-as. Ninguém despreze a tua mocidade; mas sê o [exemplo] dos fiéis, na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza. Persiste em ler, exortar e ensinar, até que eu vá. Não desprezes o dom que há em ti, o qual te foi dado por profecia, com a imposição das mãos do presbitério. Medita estas coisas; ocupa-te nelas, para que o teu aproveitamento seja manifesto a todos. Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem”.

Soli Deo Glória.

Pr. Luiz Fernando R. de Souza

10 comentários:

  1. Pr. Luiz Fernando,

    concordo com praticamente tudo o que o irmão disse, à exceção de dois pontos:

    a)A necessidade da formação acadêmica para o pastoreio. Não que eu seja contrário, mas considero não-necessária. Grandes servos de Deus que foram usados para a proclamação do Evangelho de Cristo não tinham instrução teológica formal. Eram estudiosos da Palavra e das ciências em geral, mas não tinham o títulos acadêmicos. Muitos foram formados nas igrejas das quais eram membros, o que considero fundamental e essencial ainda hoje. Até porque os seminários e faculdades estão infestados pelo liberalismo teológico, pelo relativismo filosófico, e pela descrença na fé cristã, ao ponto em que a maioria dos pastores saídos dessas organizações não têm nenhum compromisso com Cristo e o Evangelho.

    b)Billy Graham não ostenta riquezas materiais, mas também não é mais o homem que anteriormente pregava o Evangelho. Vemo-lo envolvido com o ecumenismo, com a salvação sem cruz, no abandono da verdade, talvez mais preocupado em ampliar as fronteiras dos seus projetos pessoais do que proclamar o Evangelho. Não proclamar o Evangelho ou utilizá-lo indevidamente para obter benefícios financeiros ou qualquer outro objetivo que não seja a glória do Senhor, dá no mesmo. A mentira é sempre mentira; e tanto o acumulo de posses como o de orgulho são formas de ostentação.

    Realmente a igreja precisa de, antes de tudo, colocar-se no seu papel de igreja. Primeiramente de Corpo, a unidade com a cabeça, Cristo, sem permitir que sejam arrendadas por uns poucos, e que esses sejam a voz exclusiva e determinante. Enquanto o crente procurar viver alheio ao que acontece no Corpo, envolvido exclusivamente consigo mesmo e seus interesses (e a omissão é uma forma de exclusivismo de quem o pratica, mas que traz reflexos danosos ao Corpo), não passaremos de guias cegos guiando outros cegos.

    Oremos para que Cristo purifique o Seu corpo (e Ele o fará, inevitavelmente), para que o jóio seja arrancado, e o trigo floresça e dê frutos para a glória de Deus e o crescimento do Reino.

    Grande abraço, meu irmão!

    Cristo o abençoe!

    ResponderExcluir
  2. Prezado irmão Jorge,
    tentei postar uma resposta aos seus argumentos mas perdi o texto, pois, o sistema não capturou. Tinha ficado até interessante, mas longa. Desisto.
    Um forte abraço
    Em Cristo

    ResponderExcluir
  3. Pr. Luiz Fernando,

    uma pena!

    Aconselho-o a escrever sempre em um editor de texto antes de postar, pois essas coisas acontecem mesmo.

    E pelo tamanho da resposta... Acho que o irmão discordou bastante (rsrs). Mas se não for agora, haverá outras vezes, se Deus quiser, para tocarmos no assunto.

    Grande abraço, meu irmão!

    Cristo o abençoe!

    ResponderExcluir
  4. Paz nobre companheiro!

    Interessante! É necessário fazer assepsia... mas para conservar este processo de limpeza, desinfecção, realmente é fundamental cultivar bons hábitos. Isto se faz através do dedicado treinamento diário, em todas as áreas de nossas vidas.

    Matéria exelente! Deus o abençoe!

    Abraço fraterno.

    No mais... Paz!

    Pr. Jesiel Freitas

    ResponderExcluir
  5. Prezado colega Pr. Jesiel,
    realmente essa assepsia não será contínua sem bons hábitos cultivados. O colega bem colocou que o fundamental é a disciplina.
    Obrigado pela visita.
    Um abraço
    Em Cristo

    ResponderExcluir
  6. A paz.
    Achei seu blog atraves de um email. Entrei e amei o conteudo. QUe Deus continue te abençoando com sabedoria e graça.
    Já estou seguindo o blog.
    Aguardo sua visita tambem.
    PAZ.

    ResponderExcluir
  7. Prezado colega Pr. Humberto,
    agradeço sua visita e comentários. Estamos lutando pela fé que uma vez foi entregue aos santos.
    Deus o abençoe com saúde, paz e com ministério próspero.
    um abraço
    Em Cristo

    ResponderExcluir
  8. Admiro pessoas como vc Pastor Luiz... que diz aquilo que é verdade! Sem medo do que as pessoas irão pensar! Concordo com tudo que escreveu! Infelizmente nas igrejas, e eu conheço mesmooo pessoas que fizeram cursinhos e se denominam pastores... e conheço membros desses pastores, que estão desestruturados.. feridos... e se sentem totalmente presos a eles, por conta de chavões, do tipo, não está ou não será abençoado! Realmente estamos no fim dos tempos... Que Deus tenha misericórdia do seu povo... Graças a Deus, Jesus olhou p mim e me levou p/ um lugar onde realmente posso viver o que Jesus ensina verdadeiramente, Louvo a Deus pela vida do meu Pastor... ele é bem radical, não tem medo de viver o verdadeiro evangelho... e muitos dizem: ele é muito radical... eu prefiro assim...
    As pessoas hoje em dia vivem nas igrejas por medo, vê as coisas erradas e ficam ali por medo de enfrentar, medo de sair e ficar amaldiçoado, como eu mesmo ouvi, quando decidi sair de onde eu congregava porque eu via essas situações que foi descrita nesse post, igualzinho! As pessoas tem Medo de procurar o verdadeiro evangelho, por medo do que irão falar... pensar... hj em se forma pastores a todo momento, muito fácil, faz-se um cursinho básico, dali um ano se torna pastor... mas não pastores dispostos a pagar o preço mesmo... a dar a vida pelas ovelhas... mais uma vez repito: eu LOUVO A DEUS PELA VIDA DO MEU PASTOR, BEDITO O DIA QUE ELE OLHOU PRA MIM E DISSE: ALI É O LUGAR QUE PREPAREI PRA VC MINHA FILHA... sai do vale de dor e fui levada ao mais alto monte... Com certeza repassarei, como tenho feito a anos por email, e endereço do blog e tudo que tens postado aqui...

    PARABÉNS POR TODO CONTEÚDO!!!

    GRAÇA A PAZ...

    Por: Liah de Oliveira Carnaúba (COMUNIDADE EVANGELICA FILADÉLFIA) - TUDO DEUS!

    http://nojardimdaadoracao.spaceblog.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Gosto muito dos seus textos. Que o Espírito Santo te ilumine.Nesta semana mesmo ouvi do meu pastor que" se vc não se sente incomodado a fazer mudanças,arrependimento, preocupe-se pois tem algo errado com vc".Assepsia é necessário, bacana demais o texto.
    Andréia

    ResponderExcluir
  10. Pastor Luiz, como sempre o Senhor tem usado o senhor de forma maravilhosa e eficaz. gostaria de detalhar a parte que fala sobre pastores que nao têm formação academica. É muito delicado falar nesta area, pois Deus usa as pessoas de formas e maneiras que nao temos como explicar. mas seria de grande valia que todos pudessem apos se estabelecerem como pastores, se esforçassem nos estudo complementares da palavra. O SENHOR É CONTIGO!
    Emerson Ramos - IBBV

    ResponderExcluir