17 dezembro 2015

IGREJAS CHEIAS – PESSOAS VAZIAS



IGREJAS CHEIAS – PESSOAS VAZIAS
Há pouco tempo fui convidado a participar de um programa de rádio onde o tema acima foi discutido. Na ocasião constatamos que é uma realidade crescente e de grande impacto sobre a vida da igreja e consequentemente sobre o desenvolvimento do Reino de Deus sobre a terra.
Um fato incontestável é que temos megas igrejas com predominância de um conteúdo pobre. Não estou aqui afirmando que crescimento de igreja seja sinônimo de empobrecimento de conteúdo, mas destacando o fato de que via-de-regra isso acontece. Como exemplo, cito o fato de que até alguns anos atrás as fontes de conhecimento ou mesmo pensar teológico estavam nas faculdades ou seminários. Com o passar do tempo isso migrou para as grandes igrejas e consequentemente ocorreu o enfraquecimento teológico, pois igrejas não têm como fundamento o pensar teológico exclusivamente como tem um seminário ou faculdade. A doutrina perdeu seu espaço para a experiência e as pessoas passaram a raciocinar com o sentimento e pensar com a visão e não com o cérebro. A Teologia deu lugar à religião e isso roubou o conteúdo das pessoas. Agora esbarramos com aberrações doutrinárias porque as pessoas que formam o corpo de Cristo são incapazes de confrontar as heresias. Terceirizam isto para seus líderes que em um percentual razoável não estudaram ou abdicaram da teologia. O quadro apresentado é preocupante porque pessoas vazias não conseguem ou conseguirão dar razão de sua fé quando lhes for pedido. Apelarão para aquilo que sabem, experiência, sentimentos e arrepios. Consequentemente momentos espetaculares quando poderíamos demonstrar nossa fé em um padrão razoável, serão desperdiçados. Isso leva a igreja a praticar a maior desenvangelização no meio onde atua. Estamos entregando segmentos da sociedade para cultos exotéricos, espiritualismos exóticos etc., simplesmente porque a igreja está composta de pessoas vazias.
Esse vazio da Palavra gera cristãos fracos até para enfrentarem as crises da vida. Não existe uma estruturação mental nos cristãos e isso fica claro nos enfrentamentos das adversidades. Cristãos lotam consultórios de psicólogos e psiquiatras consumindo drogas em quantidades assustadoras para equilibrar seus cérebros. Não conseguem experienciar com equilíbrio a morte de um ente querido, um divórcio ou perda de emprego etc. Não estou dizendo que são experiências menores e de fácil assimilação. Também não estou dizendo que tais experiências são isentas de profundo sofrimento, mas quero destacar que tais experiências são partes integrantes do viver e o viver deve compreender o perder e o sofre os danos. Quando não reagimos bem a tais experiências nos tornamos frágeis diante da vida quando está diz não. Esquecemos de aprender a arte de sorrir quando o mundo diz não.
Outra consequência dessa ausência de conteúdo da Palavra é que leva a uma evangelização defeituosa. Onde deveria haver anuncio do terror do pecado e suas funestas consequências, encontramos o anuncio de um deus com anomalias em seu ser. Um deus somente amor e não justiça, um deus somente perdoador e não juiz de toda a terra. Um deus que não exige compromisso por parte daquele que o serve. Daí termos cristãos que viraram consumidores frequentando igrejas que se transmutaram em empresas. Nos dizeres de Spurgeon, pastores que divertem bodes ao invés de pastorearem ovelhas.
Com tristeza constato que outra consequência desestruturante nestes dias é que pastores que deveriam se aprofundar na Palavra e interpretarem a mesma para suas ovelhas, estão indo beber de fontes sujas e ineficazes. Recentemente fui convidado por um colega para participar de um treinamento de coaching cristão. Agradeci o convite, mas disse que não iria porque isso abordava técnicas de gestão de empresas ou similar e que não acreditava ser necessário para a vida da igreja. Também disse que as técnicas de gerenciamento de recursos humanos é próprio do mundo empresarial e que enquanto fui executivo de uma instituição financeira já as conhecia de sobra. Vim do meio financeiro e já havia travado contato com coaching a pelo menos 15anos atrás. Mas para vários pastores essa pretensa novidade no meio evangélico é algo fenomenal. Alguns chegam a dizer que isso é de Deus. Para mim nada mais é do que mais uma forma de arrecadar dinheiro de líderes despreparados e incautos. Tais lideranças esparramarão o que aprenderam nas mentes de suas ovelhas e consequentemente aprofundarão o vazio existente em seus seres.
Outra constatação terrível que vemos decorrente do vazio dos cristãos é o meio musical gospel. Musicas chorosas ou rock pesado com letras de conteúdo no mínimo espúrio. Nestas músicas o centro é o homem e Deus passa a ser coadjuvante. Deus é aquele que ao invés de ser adorado é reduzido a um mero coach (treinador) que vem para melhorar a vida do homem. Observe em várias músicas atuais como aparece o pronome eu, meu, minha etc. Um exemplo clássico dessa pornografia musical gospel é a musica Raridade. Veja este exemplo: "O ouro eu consigo só admirar, mas te olhando eu posso a Deus adorar, sua alma é um bem que nunca envelhecerá." O que é isto senão colocar o homem no centro? Esta vergonhosa música foi feita para adorar o criador ou para engrandecer o homem? Observe como Deus entra neste verso somente para compor. Ele não deveria esta ai, mas para vender para um público gospel puerizado introduzem o nome de Deus para travestir o antropocentrismo exacerbado em alguma coisa parecida com espiritual. Uma vergonha!
Observe a reação de nossos jovens que ao invés de adorarem a Deus pulam iguais a macacos, extravasam suas energias e fazem catarses sentindo-se aliviados e dizendo-se abençoados.
O que dizer de pastores que se vestem de personagens da mídia para chamar atenção de seus ouvintes? Pastores que demonstram comportamentos alucinados para se dizerem jovens junto aos jovens? Dessa indústria gospel que são mais vendilhões do que servos? Dessa disputa infantil entre os midiáticos gospel ao participarem de Troféus X, Y, Z.
Comportamentos bizarros lotam igrejas de pessoas vazias.
A Palavra exposta no poder do Espírito atrai pessoas sedentas de Deus.

Soli Deo Gloria

Pr. Luiz Fernando R. de Souza

13 comentários:

  1. concordo plenamente com tudo pastor. há igreja para todo tipo de cliente,pois muito estão tratando a noiva de cristo como empresa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu amado colega, verdade chegamos em um tempo onde o dinamismo do corpo de Cristo perdeu significado para uma geração acéfala. Deus tenha misericórdia de nós.
      Um forte abraço.

      Excluir
  2. Excelente texto!...igrejas cheias, pessoas vazias.
    Onde foi morar o Espirito Santo?
    Como virá a fé, se ela vem pelo ouvir e ouvir a palavra de Deus?
    Andréia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmã Andréia, boa pergunta. A vinculação do Espírito com a Palavra é total. A fé ficou raleada e está equiparada a um sentimento improdutivo.
      Um abraço.

      Excluir
  3. Pastor, fiquei imensamente feliz em ler este texto. Que bom, quero compartilhar este texto com muitos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezada irmã Helen, agradeço sua visita ao blog e seu comentário. Que bom que o texto tenha sido útil para a irmã. Fique à vontade quanto a compartilhá-lo. Deus abençoe ricamente sua vida em 2016 com saúde, paz e equilíbrio.

      Excluir
  4. Meu querido amigo e pastor, meu irmão tenho batido nesta tecla e nos deparamos com olhares furiosos em meio a assembléia dizendo: não concordo com vc....mas importa mais agradar a Deus que aos homens.. Forte abraço meu amigo

    ResponderExcluir
  5. Meu querido amigo e pastor, meu irmão tenho batido nesta tecla e nos deparamos com olhares furiosos em meio a assembléia dizendo: não concordo com vc....mas importa mais agradar a Deus que aos homens.. Forte abraço meu amigo

    ResponderExcluir
  6. Querido colega Pr. Maurílio, realmente as pessoas estão mais preocupadas com aquilo que Paulo disse: "procuram doutores de acordo com suas necessidades". O Senhor disse: " Mas, a quem assemelharei esta geração? É semelhante aos meninos que se assentam nas praças, e clamam aos seus companheiros, E dizem: Tocamo-vos flauta, e não dançastes; cantamo-vos lamentações, e não chorastes ".
    São dias difíceis, mas precisamos manter a coerência em todas as coisas. Deus o abençoe ricamente. Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. Certa vez, escutei que devemos peneirar o que escutamos, inclusive na igreja, na pregação ect... A verdade é que, cade vez mais, sai menos caldo deste suco. lendo este texto, fico mais certo que, neste mundo cada vez mais homogêneo, pensar diferente e um bom sinal. Abraços Pr.!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está ficando mais difícil mesmo extrair alguma coisa das pregações hoje em dia. Creio que o caminho é a pregação expositiva que aborda a inteireza do texto. Por isso, acredito que a exposição de livros inteiros seja um bom caminho. Nunca devemos jogar nosso cérebro no lixo em nenhuma situação. Obrigado pela visita.

      Excluir
  8. Caro Pr. Fico feliz em ler o texto, pois mostra-me que neste mundo cada vez mais homogêneo, pensar diferente é um bom sinal.

    ResponderExcluir
  9. Olá meu caro Pr.Luiz Fernando. Fico feliz encontra-lo neste blog e lendo o seu texto,dou graças ao Senhor por estar capacitando homens de verdade para entrar no bom combate com coragem e disposição em prol de um evangelho que deve ser pregado na sua pureza e verdade

    ResponderExcluir