11 fevereiro 2013

RENÚNCIA PAPAL E SEUS DESDOBRAMENTOS

           
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                      
  O mundo foi pego de surpresa com a renúncia espontânea do papa Bento XVI. Em sua carta renuncia alegou questões de idade e peso das atividades em um mundo em transformações. Está não é a primeira vez que um papa renuncia. A história registra outras renuncias por vários motivos dentre eles deposição etc. O que chama a atenção nesta renúncia anunciada por Bento XVI é o momento mundial. Uma hora decisiva na história da raça humana que está carente de liderança coerente e inteligente. A saída do Papa traz um prejuízo social muito grande, pois ao longo de seus 08 anos de atuação mostrou-se um homem equilibrado, coerente e firme em suas convicções. Por ter sido o responsável pela doutrina católica durante vários anos, estava muito bem abalizado e atualizado com as principais correntes teológicas de nosso tempo, respondendo prontamente às grandes demandas.  
Posicionou-se firmemente contra movimentos estranhos ao cristianismo e demonstrou coerência em suas falas. Não transigiu quanto ao movimento homossexual e nem afrouxou a questão doutrinária. Reagiu com equilíbrio diante da avalanche de pedofilia que se fez avolumar em anos recentes e não provocou uma caça às bruxas como alguns pretendiam que acontecesse.  Simplesmente botou a cara para bater e assumiu essa horrenda falha da igreja Católica.Em  suas encíclicas dialogou com Nietzsche, Kierkegaard e outros tirando a igreja católica do gueto escolástico e trazendo para o diálogo com pensadores modernos
Serve como excelente exemplo para novas sucessões, pois deixa o poder ainda com capacidade de influenciar seu sucessor neste momento de insegurança de uma transição e eleição papal. Demonstrou grandeza de caráter ao mostrar desprendimento do poder. Como não acontece em nosso meio evangélico onde as lideranças se apegam ao poder e querem se perpetuar ad eternum. Não sabem a hora de sair e almejam a fama.
Quanto ao futuro da igreja fica a tensão existente entre a preservação do status quo e uma grande renovação. Já algum tempo que uma ala da igreja pede por renovação e esta seria uma renovação progressista. Bento XVI nunca representou o movimento progressista, antes pelo contrário é bastante conservador.
A tendência evangélica mundial é que a centro de influencia da igreja migre para o sul do globo. Continentes emergentes ganham cada vez mais proeminência em termos de crescimento do cristianismo, como por exemplo a América Latina e o continente Africano. Mas em termos de igreja Católica a coisa é um pouco diferente. Existem dois nomes fortes que poderiam modificar um pouco o cenário da igreja romana os quais seriam: o cardeal africano (de Gana), Peter Turkson,  com 64 anos de idade e o cardeal franco-canadense Marc Ouellet.
O Cardeal Peter Turkson é uma personalidade forte em termos de comunicação e portanto seria uma pessoa que saberia utilizar muito bem a mídia. Vem de um continente emergente que enfrenta questões cruciais em seu menu como questão social dentre outras. Já o cardeal Marc Ouellet fala as várias linguagens do Vaticano,  bem viajado e com boas conexões na América Latina. Ouellet que está na casa dos 60 é firme na ortodoxia e tem a capacidade de se manifestar com austeridade sobre venalidades e omissões da Igreja ao longo da história em Quebec.
Não  podemos esquecer que o poder dos italianos é fortíssimo dentro do Vaticano e que busca novamente a cadeira do pontificiado.

As especulações estão borbulhando e talvez na semana santa tenhamos um novo papa.

Soli Deo Gloria

Pr. Luiz  Fernando R. de Souza

Nenhum comentário:

Postar um comentário