12 outubro 2009

LUTANDO PELA VERDADE

Judas Vers 3
Amados, procurando eu escrever-vos com toda a diligência acerca da salvação comum, tive por necessidade escrever-vos, e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos”.

Vivemos um tempo de total relativismo. Ninguém ousa afirmar a verdade. Tudo tem sido colocado no campo do relativo. As convicções pessoais são taxadas de obtusidade, retrocesso e etc.
Daí termos uma ética situacional, onde nossos comportamentos não são baseados na verdade existente ou valores absolutos, mas do momento vivido. Essa ética situacional tem transtornado os valores sociais, morais e espirituais. Dependendo da situação eu tenho um tipo de comportamento. Lembro-me quando trabalhava em banco e dava um curso para formação gerencial, deparei-me com uma situação interessante. Falava sobre ética e uma gerente do sul do país disse: "O diatado não diz que a situação não faz o ladrão?" Lembro-me da minha resposta: "A situação não faz o ladrão, ela revela o ladrão". Hoje a ética foi substituída pela estética. Não importa o conteúdo a ser transmitido desde que quem o transmita tenha uma bela estética, aparência ou imagem. Daí termos os apresentadores de programas, mesmo sem a menor capacitação cultural para tal, emitirem opiniões sobre todos os assuntos, pois, o que vale é a estética. Nesse momento a verdade foi banida para a privacidade do indivíduo. As convicções devem ser guardadas para si e raramente compartilhadas. Assim a fé foi alojada no íntimo e já não transforma como devia. Quando alguém tem uma posição firme em relação a algum assunto ou doutrina não é visto com bons olhos. Dizem que tal pessoa é muito fechada e retrógrada. Isso tem levado a igreja de Jesus Cristo a um limbo doutrinário terrível. Os líderes não pregam mais doutrinas e esperam que os membros de suas igrejas sejam cristãos maduros. As falsas doutrinas permeiam o meio cristão e ninguém soa a trombeta de alerta. Enquanto dormem o inimigo semeia o joio no meio do trigo. O apóstolo Judas, irmão do Senhor Jesus, encorajava os cristãos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos. Aqui, no texto, fé não é sinônimo de crença, mas de doutrina. O encorajamento de Judas é para que batalhemos por um corpo de doutrinário que nos foi entregue. Como discernir um ensino se é de Deus ou não, se a doutrina foi banida dos púlpitos? Como saber a procedência de algo sobrenatural se não temos a base da doutrina para avaliá-la? Muitos acham que doutrina é antônimo de espiritualidade. Doutrina e enchimento do Espírito santo andam de mãos dadas, pois, foi o mesmo Espírito Santo quem inspirou a Palavra. O Espírito Santo nunca fica aquém ou vai além da Palavra. Ele fica na Palavra.
Todo nosso comportamento advém de uma filosofia de vida. Se a nossa filosofia de vida não está embasada na Palavra a queda será eminente.
As mega-igrejas tem prestado um desserviço ao Reino de Deus. Ao consagrarem ao ministério pastoral pessoas desqualificadas e despreparadas, inundam a seara do Mestre com o que há de pior e perpetuam os erros existentes. Têm tratado a consagração ao ministério pastoral como coisa de somenos importância. Pessoas que nunca sentaram em um banco de universidade ou mesmo em um seminário livre, de boa procedência, são consagradas a rodo e isso com toda pompa de espiritualidade. Tais “obreiros” assumem os púlpitos e pregam como se fossem donos da verdade, mesmo sem conhecerem nada da verdade. Como batalhar pela verdade se os que a tentam pregar desconhecem-na quase que por completo? Fico me perguntando como pode alguém ser consagrado ao ministério pastoral sem ter estudado antes? Como dizer que este alguém está pronto se nem ao menos conhece teologia? Seria o mesmo que autorizarmos alguém a operar outro ser humano sem ter feito um curso de medicina. Seria o mesmo que autorizarmos alguém a construir um prédio sem ter feito engenharia. Alguns ponderarão que tais consagrações se dão somente no âmbido da igreja local para cuidado de parte do rebanho. Daí termos que perguntar: "Mas qual cuidado pastoral terão com o povo? Ao oferecer esse tipo de pastor não estaria tal igreja desprezando seus próprios rebanhos, ou tratando as pessoas que ali se reunem como gado mesmo, animais irracionais e desprovidos de qualquer intelectualidade? Como aconselharão se desconhecem os princípios da psiquê? Como aplicarão a Palavra às vidas das pessoas se não sabem interpretá-la? Como prova do que digo relato um fato estarrecedor acontecido em uma igreja aqui em Belo Horizonte que me foi relatado por um pastor: "uma senhora, membro desta igreja, procurou um dos pastores da igreja. Tal pastor era especialista em "guerra espiritual e cura interior". Esta senhora estava deprimida e tomando medicamentos e quando tal pastor soube disso falou: "Quem toma medicamentos para depressão por mais de dois anos fica possesso de demônios". Tal senhora ficou aterrorisada e procurou este colega que havia me repassado tal fato. Ele se esforçou em convencê-la do contrário. Por isso, termos as mais variadas formas de desequilíbrios emocionais dentro das igrejas. Temos todas as formas de fetiches espirituais. Sabonetes ungidos, vales de sal, pulseiras com dizeres extravagantes como: “Impossível, mas Deus pode”, outros dão a “chave da vitória”. Coisas da idade média. Tais líderes responderão diante do Pai. Prestarão contas a Deus dessas atrocidades. Privam os homens da graça de Deus e os encarceram em prisões mentais jogando a chave fora.
A única maneira de libertarmos as pessoas e pela Palavra no poder do Espírito Santo. Se isso não bastar, nada mais resolverá.
Que tenhamos a coragem de lutar pela fé que uma vez foi dada aos santos.

Soli Deo Glória.

Pr. Luiz Fernando R. de Souza

4 comentários:

  1. Pastor Luiz Fernando é sempre um prazer ler seus artigos, vou divulgar este artigo em toda a minha rede. Que Deus o continue inpirando e fortalecendo. Um grande abraço pr. Samuel Falcone.

    ResponderExcluir
  2. Querido amigo Pr. Luiz Fernando,
    Vivemos numa época de relativismo ético-espiritual pois a Palavra não é mais a regra de fé e prática. O que mais se ouve é: eu acho...; não se ouve mais a Bíblia diz que... e nas poucas vezes em que isso ocorre, o texto é distorcido por ignorância ou intenções erradas.

    É interessante que se alguém se levanta contra esse estado de coisas, logo aparece alguém dizendo: Não toque no ungido do Senhor, a letra mata, sou especialista em joelhologia etc.
    Esses líderes evocam logo que Miriã ficou leprosa, Davi não ousou tocar em Saul... E fazem disso um expediente para perpetuar a teocracia na qual eles são quase deus(com minúscula mesmo).
    O que o apóstolo Paulo disse sobre os crentes de Beréia? Eles eram os mais nobres. Por quê? Porque conferiam o que lhes era pregado, viam se estava na Palavra.
    Quando Davi não ousou tocar no ungido do Senhor, ele se referia a não matá-lo, não feri-lo fisicamente. Isso não se refere a não discordar daquilo que o líder diz, se estiver contra a Palavra. Tanto é assim que Paulo diz que resistiu contra a prática judaizante que estava sendo tolerada pelo apóstolo Pedro. " Lhe resisti na cara, porque era repreensível". (Gal 2:9-11)
    Outro texto evocado neste sentido é não julgueis(Lc 6:37). Ora o texto se refere a não nos colocarmos no lugar de Deus, não falarmos como se nós fossemos o juiz. Agora é claro que para discernir o certo do errado é preciso fazer algum tipo de julgamento. Se assim não fosse, o apóstolo Paulo não teria dito para nem sequer comermos com aqueles que andam dissolutamente. (I Cor 5:11)
    A letra mata... esse texto é o santo graal de todos os que defendem a proclamação da miséria intelectual como base de uma espiritualidade sadia.
    Ora, O Espírito não vai contra o que ele mesmo já dissera. Deus não é Deus de confusão(I Cor 14:53).
    A letra mata, pois o que vem da Lei é o pleno conhecimento do pecado(Rm 3:20).
    O que Jesus disse sobre o ministério do Espírito Santo? Ele vos fará lembrar o que vos tenho dito. (Jo 14:26)Quando o Senhor aparece aos discípulos e lhes abre o entendimento o que lhes é revelado? algo novo? (os crentes "novidadeiros" adoram isso, dente de ouro, sapato de fogo e outras bobagens...)
    não. Ele lhes abriu o entendimento para que compreendessem as Escrituras.
    Proclamemos e continuemos a proclamar a Doutrina dos apóstolos! (atos 2:42)

    ResponderExcluir
  3. Prezado colega Pr. Samuel,
    alegro-me em saber que as postagens tem sido benção. Agradeço sua gentileza em divulgar o blog. Assim ele será fortalecido e poderá ser um lugar onde as pessoas encontrarão algum tipo de orientação.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  4. Prezado irmão André,
    o que poderia acrescentar ao seu texto. Você foi de uma precisão cirúrgica invejável. Sua postura reflete crescimento na graça e excelente entendimento sobre as coisas de Deus. Deus há de prosperar seu esforço em Sua obra.
    Fique firme no Senhor e não esmoreça.
    Um abraço

    ResponderExcluir