23 agosto 2023

DEUS COMETEU UM ERRO AO CRIAR PESSOAS TRANS OU ATRAÍDAS PELO MESMO SEXO?

Durante um recente fórum aberto, alguém na plateia me fez esta pergunta sincera, porém provocativa: “Ouvi pessoas dizerem que a homossexualidade e o transgenerismo são pecados. Não sei se são pecados ou não. Mas se são pecados, Deus cometeu um erro ao criar homossexuais ou transgêneros?”
É o tipo de pergunta que dá uma pausa, não é? Está repleto de tantas implicações que vão desde a criação até a sexualidade humana, a moralidade e até a própria natureza de Deus. A questão pode implicar que a Bíblia é incoerente, uma vez que afirma que Deus não comete erros, mas ele cria pessoas com identidades de género e atrações sexuais “equivocadas” e depois condena-as pelos seus erros. Talvez outra implicação seja que podemos deixar Deus escapar reinterpretando a Bíblia para afirmar tais experiências. Afinal, se disséssemos que alguém que sofre de disforia de género ou que se considera transgénero ou homossexual é pecador e, portanto, um erro de Deus, teríamos que dizer que o mundo inteiro é um erro de Deus. Já que não é esse o caso, tais experiências devem ser biblicamente justificáveis.
Apenas para fins de discussão , vamos supor que uma pessoa nasça com atração pelo mesmo sexo ou disforia de gênero. Isso significaria que Deus cometeu um erro ao criar essa pessoa? O ponto que espero defender é este: Deus não cometeu erros ao criar nenhum de nós, mas ainda assim é coerente que Deus nos mantenha na ética bíblica de limitar a sexualidade a um homem e uma mulher dentro dos laços do casamento.
Segundo a Bíblia, duas realidades da condição humana nos confrontam. Somos feitos à imagem de Deus (Gn 1:27), mas estamos atolados em uma condição pecaminosa (Sl 51:5). Então, em um sentido muito real, todos nós  nascemos assim”. Somos todos inerente e objetivamente valiosos, mas quebrados em todos os sentidos que podem ser quebrados. Não estou quebrado em alguns aspectos - estou quebrado em todos os sentidos. E você também.
A forma como o nosso quebrantamento é expresso – seja através da sexualidade, identidade, moralidade ou qualquer outra coisa – é uma questão de analisar as circunstâncias de cada indivíduo.
Independentemente disso, todos nós nascemos assim no sentido de que usamos nosso livre-arbítrio para seguir nosso próprio caminho e dar plena expressão a cada disposição. Deus não se enganou ao nos dar o livre arbítrio. Erramos na maneira como a manejamos. 
Deus inicialmente criou a humanidade moralmente inocente, mas não moralmente perfeita. Considere a representação bíblica dos primeiros humanos. Adão e Eva viviam em um jardim que fornecia mais do que eles precisavam. Eles comungaram com o Criador daquele jardim. No entanto, Deus os dotou com a liberdade de rejeitar essa bem-aventurança permanente. Ele lhes deu apenas um mandamento: não comam do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal. Em sua inocência inicial, eles obedeceram a esse comando por algum tempo. Mas com o tempo, Adão e Eva reinterpretaram e, por fim, distorceram as palavras de Deus. Quando a serpente perguntou a Adão e Eva: “Deus realmente disse que vocês não deveriam comer isso?” Eles responderam exagerando o mandamento de Deus além de comer o fruto para nem mesmo tocá-lo (Gn 3:3). Ao embelezar a ordem de Deus, Adão e Eva procuraram usurpar o divino. O resultado é o mundo destruído que habitamos até hoje.
A cultura pós-verdade de hoje é a elevação das preferências pessoais sobre a verdade objetiva. Este é o fruto de uma árvore envenenada que plantamos no jardim original. A verdade é que Deus criou Adão e Eva para estarem com Ele. Mas eles preferiram ser Ele. As duas primeiras pessoas na Terra eram pessoas pós-verdade. Herdamos não apenas sua inclinação pós-verdade pela autonomia, mas também o mundo quebrado resultante. Adão e Eva fizeram uma escolha ruim em meio a um jardim de bem-aventurança. Quanto mais fazemos escolhas igualmente ruins em meio a um jardim de aflição? Nesse sentido, todos nós “nascemos assim”.
E, no entanto, Deus fez todos os esforços para nos trazer de volta desse quebrantamento em cascata, enviando seu Filho Unigênito para ser quebrado por nós, para pagar a dívida pelo que fizemos livremente a nós mesmos e ao nosso mundo. Essa é uma verdade exclusivamente cristã.
Abraçar essa verdade não remove ou altera automaticamente nossos desejos quebrados. Em vez disso, permanecer na graça de Deus nos capacita a resistir à satisfação desses desejos com sucesso cada vez maior ( Gálatas 5:16). A glória de Deus – e a nossa bênção – é que ele não nos deixou entregues à nossa bagunça. Qualquer outra cosmovisão nos entrega à tarefa desesperadora de nos consertarmos. Mas ao enviar Jesus, Deus entra no nosso quebrantamento – o meu e o seu – para nos aliviar da condenação que merecíamos com razão. Deus não nos condena pelo quebrantamento que ele criou. Em vez disso, pegamos no nosso livre arbítrio dado por Deus e usámo-lo para destruir o nosso mundo inicialmente inocente. Mas Deus nos salva até mesmo do quebrantamento que escolhemos. Uma compreensão mais completa do nosso arbítrio moral e da misericórdia de Deus resolve qualquer incoerência percebida na mensagem cristã. Embora os “erros” tenham sido nossos, nossa redenção vem de Deus. “Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo não para condenar o mundo, mas para salvar o mundo por meio dele” ( João 3:17). Essa mensagem é coerente e uma boa notícia para aqueles que “nasceram assim”. E isso somos todos nós.

Abdu Murray oferece a credibilidade da mensagem do evangelho como palestrante e escritor com Embrace the Truth. Ele escreveu vários livros, incluindo Saving Truth, Grand Central Question, Apocalypse Later e seu mais recente, More than a White Man's Religion . Durante a maior parte de sua vida, Abdu foi um muçulmano orgulhoso até que uma investigação histórica, filosófica, teológica e científica de nove anos o apontou para a fé cristã


Nenhum comentário:

Postar um comentário

“MEU CORPO, MINHA ESCOLHA” É NA VERDADE Pró-VIDA

  “MEU CORPO, MINHA ESCOLHA”  É NA VERDADE Pró-VIDA Como pode “My Body, My Choice” realmente defender declarações pró-vida? “Meu Corpo, ...