07 agosto 2015

CANIBALISMO ECLESIÁSTICO



CANIBALISMO ECLESIÁSTICO
A busca alucinante por crescimento a qualquer custo tem levado igrejas e pastores a ultrapassarem limites sadios de convivência. Se observarmos o meio neopentecostal isso é vivido escandalosamente. Abrem igrejas divididas por paredes sem o menor constrangimento, buscando somente, creio eu, aumento de receita e nada mais. Ainda por cima abusam de faixas, som alto, panfletagem etc. como meios de divulgação poluindo o ambiente de todas as formas.
Parece-me que as grandes igrejas adotaram o mesmo comportamento e falo de igrejas que sustentam placas de igrejas históricas, o que na verdade já deixaram de ser a muito tempo. Entendem que podem e devem invadir espaços ocupados por igrejas coirmãs, sem o menor constrangimento levando assim a uma divisão do “Reino de Deus”. Chegam com todo aparato possível, estruturas diversas e impõem sua marca como detentora do mercado. Como corolário esvaziam igrejas menores que veem lutando há anos para levar o evangelho onde estão plantadas, piorando a vida dos colegas pastores e suas famílias. Na verdade não se preocupam com “Reino de Deus”, mas com os seus deuses que são seus próprios ventres.
Lembro-me de ter participado de uma palestra no final do curso de Pós Graduação em Administração Financeira em uma Instituição liga à PUCMINAS, onde o palestrante dono de uma gigantesca locadora de veículos disse: “No ano tal tínhamos X concorrentes menores, como queríamos dominar o mercado mandei quebrar 50% delas. Alguém perguntou como vocês fizeram isso? Ele simplesmente respondeu: Segurei os meus preços por seis meses. Como a inflação estava altíssima os concorrentes não aguentaram e quebraram”. Isso é concorrência predatória no mercado capitalista que vemos em todo momento acontecer. Esse mesmo canibalismo capitalista entrou no meio eclesiástico. Sem o menor pudor e ética, pastores das grandes igrejas praticam tal canibalismo simplesmente quebrando as igrejas menores em nome de Deus. Abrem filiais das igrejas mães em frente de igrejas coirmãs e assim roubam membros de outras igrejas, literalmente quebrando essas menores. Essa megalomania se apresenta como distúrbio emocional e espiritual. Vale lembrar que a soberba precede a queda. Muitos pastores abdicaram de seus ministérios para se juntar a essas estruturas desumanizantes e se perderam no meio de milhares de membros em troca de uma pseudo-estabilidade.  Para mim tais pastores nunca foram pastores, mas fracassados que abdicaram da vida pelo vil metal. Procuram um evangelho sem dor, ideal e sofrimento para viverem uma espiritualidade infantil e doentia que não exige nada e ainda por cima dizem que são pastores de tal e tal igreja, Comem sardinha e arrotam camarão. São pastores de ninguém e de nada.                                           
O que chama atenção é que quando questionados porque abriram igrejas em frente ou perto de igrejas coirmãs tais líderes enfatuados de suas arrogâncias dizem de boca cheia: “É uma visão que Deus no deu e estamos seguindo esta visão, nada pode ser feito”. Gostaria de perguntar se tais líderes vivessem o lado oposto da moeda como reagiriam? Diriam amém para tal atrocidade ou sentiriam na pele o desgaste? Olhariam para suas famílias com alegria e diriam: veja como o “Reino de Deus” caminha em harmonia, tudo está bem. Creio que chorariam amargamente vislumbrando a possiblidade de anos de trabalho serem anulados e a tragédia batendo à suas portas. Tais líderes megalomaníacos olham de cima para baixo e não conseguem enxergar nada e nem ninguém, a não ser eles mesmos. Mas que visão é essa que Deus deu que fere frontalmente a Sua Palavra? Que procedimento é esse que despreza a nossa regra de fé e prática? Lembro-me do apóstolo Paulo ao dizer em II Cor. 8:1-6 do exemplo das igrejas de Macedônia que se alinharam com as necessidades do crentes pobres da Judéia. Além de dinheiro doaram a si mesmos com amor. Aqui prevaleceu o princípio da ajuda mutua e da colaboração. Esse é o padrão bíblico e o mais saudável e nunca o canibalismo eclesiástico. Por outro lado vale questionar se essa visão de crescimento a qualquer custo vem de Deus mesmo ou de outro deus qualquer? Tais líderes, por viverem uma espiritualidade doentia e distorcida, esquecem-se que essa pseudo-visão é antiética e que o Deus da Bíblia é extremante ético. Esquecem-se que uma casa dividida não subsiste. Esquecem-se que melhor é servir do que possuir. Esquecem-se que a derrocada do pequeno não engradece o grande. Tais líderes me fazem lembrar David quando quis possuir Bate-Seba. Precisou destruir uma família para tentar construir a sua. Nenhuma estrutura construída em cima e à custa das cinzas de outra tem valor ou deixa um legado que será lembrado com alegria. Tais líderes ainda encontrarão seus Natãs que lhe dirão: “Esse homem és tu”. 
Somente tenho que lamentar tais posturas canibalísticas que copiam desavergonhadamente o padrão do mundo invadam a igreja do Senhor. Lamento que quem pratica esse canibalismo atribua essa visão a Deus. Lamento pelos colegas que passam por tais desgastes não terem a quem recorrer dentro das estruturas que servem, pois tais estruturas são geridas por homens que borram as botas diante dos grandes.                           
I Pe. 4:17 “Porque já é tempo que comece o julgamento pela casa de Deus...

A ESPERANÇA ESTÁ EM DEUS.

Soli Deo Gloria

Pr. Luiz Fernando R. de Souza
 


3 comentários:

  1. Lúcido e coerente como sempre meu dileto amigo. Não nos esquecendo nunca da máxima que aprendemos das Escrituras Sagradas, com o apóstolo Paulo, que o esforço é para anunciar a Cristo aonde seu Nome ainda não fora conhecido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Rev. Luciano. O pensamento de Paulo precisa ser resgatado urgentemente em nosso meio. Um forte abraço.

      Excluir
  2. Pastor Luiz Fernando a paz do senhor excelente texto.Não te conheço pessoalmente mais sim através do irmão Flávio.Sei que pregas a graça de cristo Jesus.Gostaria de saber se o pastor tem algum estudo sobre o livro de Daniel.Ou algum livro que pode me indicar.Que o senhor Jesus continue abençoar seu ministério.O ministério de cruz de redenção.Onde nossa riqueza e cristo .

    ResponderExcluir

EU NÃO PRECISO DE UM AMIGO TANTO QUANTO PRECISO DE UM PROFETA

  Costumo dizer que em toda nossa vida não conseguiremos adquirir amigos suficientes para preencher os dedos de uma das mãos. Vivemos em uma...