27 agosto 2013

POR QUE A IGREJA VEM PERDENDO CREDIBILIDADE E AUTORIDADE?

Postagem replicacada

Vemos com recorrência cada vez maior a sociedade procurar respostas para as crises da vida deixando de bater à porta da igreja. Ao mesmo tempo a igreja adotou uma postura de deixar de ser a consciência da sociedade. Esse divórcio é prejudicial para todos, pois a sociedade vai buscar respostas na psicologia, nos tribunais e em filosofias estranhas ao cristianismo formando conceitos e adquirindo valores que provocam sua desintegração. A igreja que detinha e oferecia respostas para questões morais, espirituais e do dia-a-dia, deixou esta responsabilidade para as ciências sociais como psicologia, direito etc..
Creio que ainda está em tempo da igreja resgatar sua identidade e oferecer aquilo que o homem precisa e isso urgentemente. Vejamos alguns pontos importantes neste resgate:
1. Resgatar a integridade Bíblica.
A Palavra de Deus sempre foi o cerne da igreja. Nunca houve um divórcio proposital entre igreja e Palavra, mas vivemos em dias em que a igreja vem abandonando sistematicamente a Palavra de Deus e seguindo conceitos de marketing, mercado e porque não dizer mundanos. Abraçou conceitos totalmente desvirtuados e os ensina como algo novo, recém- descoberto e infalível. A igreja oferece prosperidade e isso a um custo elevado para o homem. A Palavra de Deus não diz que o problema do homem é falta de dinheiro e sim de rebeldia e oposição a Deus. Isso é o centro de tudo. A maior arma que o diabo tem usado contra a igreja e convencê-la que o homem é bom e integro e que ele precisa de tudo menos do poder salvador do Sangue de Cristo. Os pregadores que ganharam visibilidade simplesmente extirparam, aboliram de suas pregações as questões como pecado, arrependimento e juízo de Deus. Pregam sobre aquilo que Deus pode fazer pelos homens sem a necessidade de uma profunda metanoia e consequente compromisso com o Reino de Deus. Afagam os egos dos homens e mostram Deus como um benfeitor que aceita estes mesmos homens com seus pecados não confessados e com comportamentos que aviltam a santidade de Deus.
A igreja necessariamente está forjando toda uma geração de egoístas aprofundando o materialismo como modus vivendi para o homem moderno e jogando esta geração nos braços de Satanás.
Resgatar a integridade Bíblica é antes de mostrar a Graça salvadora aplicar o peso da Lei. É mostrar a hediondez do pecado e sua vilania. É apontar para o julgamento de Deus contra toda impiedade e malícia dos homens. Sem esta dimensão hamartiológica o homem nunca sentirá a necessidade de um salvador e de perdão. Será um homem irredimível. Basta ver as tentativas de aumentar o rigor das leis e ao mesmo tempo o fracasso alcançado, pois o homem está perdendo a noção de certo e errado, de justo e injusto, falso e verdadeiro. Isso vem sendo acentuado pelos meios de comunicações que pretendendo atualizar e aproximar seus produtos do homem moderno introduzem conceitos que minimizam a distância e mesmo explodem os limites entre o moral e imoral, entre o ideal de vida e a ganância a todo custo, entre o bem e mal etc. Vemos as autoridades decidirem sobre absurdos e ir na contramão dos valores que sustentam a sociedade. A igreja precisa resgatar a integridade bíblica e apontar para os valores e princípios de Deus e isso corajosamente, deixando de lado toda timidez e acanhamento de ser taxada de retrógrada.
2. Resgatar sua voz profética.
Nunca se soube que profetas tenham sido recebidos com honras de reis. Sempre foram rejeitados, humilhados e desprezados pelo povo. Veja Isaias, Oséias, Jeremias etc. sempre suas presenças quebravam o Status Quo do povo. Sempre traziam consigo uma Palavra que incomodava o homem e exigia uma postura de integridade e justiça. Mas encontramos a igreja sem voz profética onde sua mudez é sua maior impressão e característica. Ela não incomoda o homem moderno e busca se assemelhar ao homem mundano em sua mundanalidade, haja vista o sincretismo religioso vivido pelos cantores gospel que se associam a tudo e todos no afã de ganhar mercado e consequentemente visibilidade e dinheiro. Vivem um ecumenismo ridículo onde as fronteiras não mais existem. Todas as vezes que a igreja se aproxima do mundo perde o que mais de importante ela tem: a capacidade de incomodar, influenciar e denunciar.
Mais do que acomodar o homem em seu estado mental e comportamental depravado, a igreja precisa causar desconforto e inquietação em uma sociedade corrompida e apontar para Cristo como o caminho de volta.
A sociedade precisar enxergar os cristãos como aqueles que são diferentes no falar, agir e pensar a tal ponto que exercendo a função de sal para a terra, provoquem sede de Deus nos homens.
A igreja precisa deixar seu comodismo e fazer brilhar sua luz no meio das trevas denunciando a degradação moral e espiritual do homem. Enquanto ficar quieta em seu gueto gospel o diabo está agindo e apertando a igreja contra a parede. Cada vez mais a igreja se vê acuada diante das investidas do mal e nada faz. Mas a Palavra nos diz que: “As portas do inferno não prevalecerão contra a igreja” Mat. 16:18. Muitos entendem errado este texto como se o inferno viesse contra a igreja e esta lhe resistisse bravamente. Mas o texto diz o contrário; diz que a igreja investiria contra o inferno e suas portas não aguentariam e cairiam. Este texto nos mostra uma igreja agente proativa com um poder avassalador capaz de derrubar as portas do mal em seu tempo. Veja o exemplo da igreja primitiva que por mais de 250 anos se viu assediada e vilipendiada pelo império romano a ponto de milhares e milhares de cristãos morrerem por sua fé a tal ponto que Tertuliano escrevendo para o imperador de sua época, tentando provar a boa fé dos cristãos, disse: “O sangue dos cristãos é a semente da igreja”. Tertuliano estava dizendo que quanto mais cristãos fossem mortos pelo império romano outros tantos apareceriam e a igreja sempre frutificaria. No século quarto o império romano foi declarado totalmente cristão e as portas do inferno não prevaleceram contra o avanço impetuoso da igreja. A igreja sempre teve voz profética.
3. Resgatar a Palavra.
Resgatar a Bíblia como regra de fé e prática para o cristão. Isso implica em um retorno à simplicidade da Palavra. Foi este retorno à Palavra que provocou a maior revolução social no mundo, a Reforma Protestante. Foi a exposição integral da Palavra que fez imergir uma nova igreja cheia de vida e desprovida das vestes fúnebre de uma religiosidade que a carcomia por mais de 1000 anos. A Palavra trouxe consciência social e temos um grande expoente disso em Willian Wilberforce no século XIX na Inglaterra. Durante mais de 20 anos defendeu a causa abolicionista no congresso britânico até ver a assinatura do Ato contra o Comércio de Escravos de 1807. Ao resgatar a Palavra a igreja verá e viverá uma onda missionária sem precedentes. Veremos Deus chamar centenas e centenas de jovens, homens e mulheres adultos para pregarem o Evangelho em terras distantes e mesmo sociedades alternativas. Os apelos missionários serão inócuos diante do poder do Espírito Santo dinamizando a igreja para levar o Evangelho até os confins da terra. Ao resgatar a Palavra a igreja forjará uma geração de jovens compromissados com o Reino de Deus, recebendo chamados para as diversas dimensões da vida. Por enquanto vemos milhares de jovens cristãos totalmente mundanizados e cooptados por uma mentalidade desprovida de valores, ética e senso de pertencer. Porque a Palavra passa longe dos púlpitos e dos corações dos homens vemos a igreja oferecendo diversão, lazer e tranquilidade para os jovens. Veja as festas gospel, circuitos gospel e um emaranhado de atividade que nada tem a ver com o chamado da igreja. Nossos jovens divertem em atividades puramente mundanas e as lideranças apoiam como se isso fosse normal. A igreja está usando roupas de festas enquanto deveria usar roupas de combate. A igreja precisar tirar as luvas brancas das festas e manusear bem a Palavra da Verdade. Resgatar a Palavra é fundamental.
4. Resgatar a dinâmica do Espirito Santo.
Hoje temos uma geração que desconhece a obra do Espírito Santo. Para tais pessoas tudo é do Espírito Santo e nada mais interessa. O que conta é que sintam arrepios e chorem, ai tudo está bem. Jogam toda uma tradição eclesiástica e teológica no lixo em nome do Espírito Santo, como se durante 2000 anos o mesmo Espírito Santo não tivesse levantado e usados homens de grosso calibre para orientar a igreja com uma teologia sadia e consistente. A presente geração de jovens tem se alimentado da internet em lugar da Palavra. Internet é terra de ninguém onde tudo pode ser postado sem crítica. Há pouco tempo meu filho me mostrou um vídeo enviado por um amigo seu onde um pastor adventista chamava Calvino de herege e para provar utilizou de textos bíblicos fora do contexto num absurdo teológico tentando mostra que a predestinação não existe. Achei estranho aquele pastor chamar Calvino de herege. Este pastor não tem a estatura espiritual de Calvino, não “escreveu o volume de livros” que Calvino escreveu e nem chegou perto de pregar os sermões que Calvino pregou e muito menos exercer a influencia que Calvino exerceu. Logo depois, este amigo de meu filho postou um vídeo youtube chamando os teólogos de hereges, errados em seus pontos de vista etc.. Mas vale lembrar que este amigo de meu filho não tem um ano de convertido. Ele entende que o Espírito Santo lhe revelou a verdade pura. Assim acontece com todo um espectro da nossa juventude e mesmo cristãos maduros. Veja o frenesi entre os cristãos quando falam dos iluminatis. Cristãos se alimentando de nada e crendo em coisas fantasiosas. Gastam tempo com essas bobagens, mas não gastam tempo em ler a Bíblia e aprofundar no conhecimento do Senhor.
Resgatar a dinâmica do Espírito tornou-se imprescindível para a igreja. Os pastores precisam conhecer a poderosa obra do Espírito Santo e então anunciar isto para suas ovelhas no equilíbrio da Palavra. Achei muito interessante o pastor Isaias Andrade Lins Filho - Pastor da IB dos Mares, Salvador, BA escrever sobre dons do Espírito Santo no Jornal Batista. Vem escrevendo com equilíbrio e biblicidade característica de um pastor com 45 anos de ministério. Sem medo ou receio fala com naturalidade dos dons e de sua importância para vida da igreja.
A igreja vem adotando métodos, programas e estratégias para fazer a obra de Deus, mas esquece de que quando o Espírito atua e dinamiza tudo cai por terra, pois poder é dispensado para o povo de Deus e as coisas acontecem, pois o povo antes acomodado e frio se vê ativo e dinamizado. Muitos acham que no atuar do Espírito Santo a doutrina, teologia e tradição da igreja devam ser preteridos. NÃO, NÃO E NÃO. O Espirito Santo nunca preterirá aquilo que Ele inspirou. Nunca desprezará os fundamentos históricos que ajudaram a igreja chegar onde chegou. Não é preciso jogar tudo por terra para que algo novo apareça. Necessário é oferecermos os 5 pães e 2 peixes que possuímos para que Ele multiplique. Boa doutrina e poder de Deus andam juntos. Equilíbrio e agir do Espírito Santo devem ser buscados e experienciados sempre.
A igreja pode resgatar sua credibilidade e autoridade. As ferramentas estão à sua disposição e não foram removidas. A igreja ainda é cooperadora de Deus.
Soli Deo Gloria.
Pr. Luiz Fernando R. de Souza

14 agosto 2013

REFORMA OU REAVIVAMENTO?


Postagem replicada
Quanto mais tempo passa fica mais clara a necessidade de um novo modelo de igreja para o presente momento. Muitos teóricos criticam o modelo vigente dizendo que vivemos em uma era pós-cristã, que a igreja como a tínhamos não mais atraí as pessoas e que agora comunidades sem bandeira denominacional fazem parte do cardápio do momento. No entanto essas comunidades diferenciadas seguem os mesmos modelos só que travestidos de modernidade. Acham que se não houve pastor e sim um líder leigo tudo será diferente. Tentam abolir o dízimo e creem que somente a Ceia do Senhor deve ser mantida como sacramento ou ordenança. Isso tudo evidencia que algo precisar ser mudado e rápido. Tenho visto muita discussão se as mudanças passariam por uma reforma na igreja ou por um viés de reavivamento. As argumentações mais tendentes entre os cristãos tradicionais caminham pela via da reforma seguindo um dos grandes motes da Reforma do século XVI “Ecclesia reformata et semper reformanda est”, Igreja Reformada Sempre se Reformando. Pelo lado pentecostal ou avivado o mote de décadas é avivamento sempre ou busca pelo poder do Espírito Santo. Aí ficamos em um dilema sem solução. O lado tradicional querendo uma volta ao cristianismo primitivo e os pentecostais querendo a mesma coisa só que através de reavivamento.
Um receia uma profunda experiência com o Espírito e o outro de se ver engessado dentro de uma camisa de força da tradição. Creio que a via intermediária seja uma boa solução.
Creio que não precisa ser um em detrimento do outro, ou seja, reforma ou reavivamento. Para mim pode ser reforma e reavivamento. Em nada adiantaria uma reforma sem reavivamento e não surtiria efeito algum um avivamento sem reforma.
Reforma sem reavivamento é odre sem vinho e reavivamento sem reforma e vinho sem odre. Um precisa do outro e foram feitos um para outro. Precisamos sim de uma reforma para expurgar os acréscimos feitos ao evangelho ao longo de décadas que o descaracterizam. Sim, precisamos urgentemente de uma reforma, pois a igreja vem acrescentando comportamentos e doutrinas totalmente alheias ao evangelho. Vem perdendo seu vigor diante de uma sociedade cada vez mais cética e pluralista. A igreja não está conseguindo alcançar várias camadas da sociedade e vem deixando esse espectro social à deriva. Uma reforma colocaria a igreja novamente nos trilhos e a faria ser mais efetiva e eficaz em seu chamado. Muitos entendem por reforma uma mudança radical nas práticas eclesiológicas e litúrgicas, introduzindo assim elementos estranhos ao culto como: dança profética, capoeira gospel, luta livre antes de suas reuniões para atrair os jovens etc. Nada disso tem provocado a reforma tão esperada, mas simplesmente descaracterizado o culto e banalizado o sagrado. Isso não constitui reforma. Uma volta às doutrinas reformadas e à simplicidade do evangelho surtirão os efeitos desejados por muitos. Mas ai aparece o contraditório. Um retorno ao princípio necessariamente passa por reavivamento. Uma volta ao princípio nos colocaria frente a frente com o Espírito Santo e consequentemente com uma vida dinâmica. O problema é que para muitos reavivamento significa confrontos com demônios, sucessão de correntes das mais variadas formas, quebras de maldições, unções de todos os tipos e isso não tem dinamizado a igreja, pois o que por traz se encontra é a busca exacerbada por maior visibilidade, poder e dinheiro. A igreja está morrendo de inanição diante destas tentativas de reavivamento. Reavivamento é atuação soberana do Espirito Santo dinamizando a igreja de Cristo de tal maneira que pecadores se reconhecem pecadores indo para o inferno e buscam abrigo na Cruz do Calvário. Reavivamento é a igreja sendo energizada pelo poder de Deus e cumprindo o ide de Cristo com maior competência. Isto implica em deixar de viver da força da carne e se guiada pelo Espírito. Muitos acham que reavivamento é total ausência de tradição, verdade, doutrina e caráter, mas antes pelo contrário, reavivamento é termos bem presentes nossas origens, nos pautarmos pela verdade da Palavra, seguirmos o norte da Sã Doutrina e demonstrarmos um caráter transformado pelo evangelho de Cristo.
Sim, precisamos de reforma e reavivamento urgente. Precisamos das doutrinas reformadas e um retorno à simplicidade do evangelho e isso orvalhado pelo poder revitalizador do Espírito Santo. Precisamos de odres e vinhos compatíveis. Quando vivermos um reavivamento veremos crescer entre as pessoas um senso de pecado e pequenez diante do Deus todo poderoso. Vivemos dias onde os cristãos não se acanham em pecar e fazem isso naturalmente. Mas cheios do Espírito a primeira impressão no coração do homem é de inadequação diante de Deus. Pecados são confessados e abandonados. Tenho visto pastores que vivem no limite do pecado e esperam vencer as tentações e o mesmo se dá com cristãos. Só venceremos o pecado quando o temermos. Ai sim, fugiremos dele. Só venceremos o pecado quando formos colocados face a face com o Senhor nosso Deus e então ficarmos impressionados com sua santidade. Sim, precisamos de reavivamento urgente.
Alguém dirá: como compatibilizar reforma e reavivamento? Nosso maior exemplo está em Jonathan Edwards. Teólogo e filósofo. Pastor e pensador. Viveu no século XVIII e morreu com a idade de aproximadamente 55 anos. Era um pastor calvinista que experimentou um poderoso avivamento em seu tempo. Em sua comunidade Edwards catalogou mais de 300 conversões em uma população de aproximadamente 2000 habitantes. Presenciou pessoas sendo transformadas maravilhosamente pela graça de Deus e as alimentou com sermões puramente embasados na doutrina reformada. Jonathan Edwards era assim: Nem crédulo nem hipercrítico, sempre examinando os dois lados. Sempre buscando o equilíbrio. Foi o primeiro pastor e filósofo a catalogar as experiências ocorridas em um avivamento e escreveu sobre estes fenômenos.
Não nos resta muita coisa a fazer a não ser voltarmos para a Palavra e sermos cheios do Espírito Santo, caminho este plenamente bíblico e necessário. Caso contrário vivenciaremos tempos áridos, com pouca colheita, baixo nível de santidade e um quase total desprezo pela Palavra.
Sim, é possível vivermos uma reforma com reavivamento. Creio que esta seja uma boa receita para a igreja no séc. XXI.

Soli Deo Gloria

Pr. Luiz Fernando R. de Souza


06 agosto 2013

UM APAGÃO ÉTICO E MORAL NO MEIO EVANGÉLICO


Mensagem replicada

Não nos cora mais o rosto de vergonha quando escutamos ou presenciamos escândalos em nosso meio. Tornou-se comum a insensibilidade moral e ética no meio evangélico. Toda sorte de absurdos são tolerados em nome do amor, como se Deus rebaixasse seu nível para se adequar aos nossos fracassos. Cristo desceu uma vez para elevar o homem às regiões celestiais. Mas em nome do oportunismo, ganância, vaidade e outros codinomes abrimos mão da justiça, ética e moral para sermos aceitos no mundo e obtermos toda sorte de sucesso sem nos importarmos com as consequências.
A igreja está anestesiada pelo veneno do mundanismo e reage com lassidão diante dos descalabros presentes. Não incomoda mais ao cristão seu pastor ter caído em adultério com alguém de dentro ou fora da comunidade. O pensamento é que ele é homem de Deus e como homem pode fraquejar. Mas homem de Deus faz como Paulo fazia consigo mesmo:
Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado”. I Cor. 9:27.
Homem de Deus evita o pecado e foge dele. Mas algumas lideranças flertam com o pecado e andam no limite como Sansão andou. Sabemos o resultado de andar no limite na vida de Sanção. A igreja deveria agir duramente contra tais comportamentos e excluir de seu rol de membros pastores adúlteros. São pessoas descompromissadas com Deus que os chamou. Pessoas hedonistas e petulantes. Agora virou tendência o pastor pecar e continuar na mesma igreja pastoreando como se nada tivesse acontecido. Isso é uma vergonha.
Lideranças que demonstram um modo de vida nababesco como se isso fosse sinal das bênçãos de Deus.
Ver imagem em tamanho grande


Frederick Price

Literalmente veja o que disse Frederick Price, pastor norte-americano:
Estou com 25 milhões de dólares na minha conta bancária, e devo esclarecer que não tenho dívidas. Eu vivo em uma mansão, tenho o meu próprio iate de 6 milhões de dólares, tenho o meu avião privado e um helicóptero, 7 automóveis de luxo para que eu nunca tenha que conduzir o mesmo carro por mais de uma hora e tudo isso porque sigo a Cristo”.
Baseado nesse estilo de vida temos no Brasil apóstolos e tele-evangelistas buscando o mesmo. Um apóstolo megalomaníaco comprou um avião, Um tele-evangelista colocou como alvo de oração há alguns anos um avião. Tudo isso em nome de uma espiritualidade doentia e descabida. Tudo isso vem com roupagem espiritual e com frases bombásticas como: “filho de Deus come o melhor desta terra”, “estamos saindo do natural e entrando no sobrenatural”, “o mover de Deus para os últimos dias...”. Querem com isso induzir o povo evangélico a crer que terão tudo nesta vida e as privações são para uma casta inferior de cristãos. Estes introduzem literaturas destes lobos em nosso meio como tem feito a Editora Central Gospel ao jogar no mercado evangélico os livros de Price sobre a fé. Mas a Palavra aponta para outra direção. Mostra-nos para um estilo de vida simples e vigoroso, não dado às fábulas e especulações que em nada edificam. Tais comportamentos e dizeres anestesiam as mentes e consciências iludindo inteiramente aqueles que crêem.
Há pouco tempo um outro apóstolo e sua esposa uma bispa foram presos tentando entrar nos EUA com dólares escondidos em uma bíblia. Acharam que Deus encobertaria seus erros. Ficaram presos como demonstração que esse tipo de comportamento é passível de punição. O que mais estranha é que a liderança da Renascer e seus fieis acharam que era perseguição dos inimigos. Que o apóstolo não havia errado em nada e aceitaram normalmente tal episódio como fato corriqueiro. E para culminar o apóstolo ainda entregou uma palavra profética para 2009 como palavra de Deus.
Veja abaixo o quadro do patrimônio (Dezembro 2006) deste casal publicado no blog do Jornalista Paulo Roberto Lopes – SP (http://e-paulopes.blogspot.com/2006/12/bispa-sonia-e-apstolo-estevam-da.html)


















O que dizer dos deputados evangélicos que foram flagrados na CPI dos Sangues Sugas? Qual a defesa para os deputados evangélicos apanhados de calças curtas no escândalo das passagens aéreas usadas irregularmente? O que dizer dos bispos e pastores desnudados pelo mensalão?
Vivemos um apagão moral e ético em nosso meio. Isso avilta o nome de Cristo e envergonha aqueles que batalham duramente para manter um testemunho digno do Senhor Jesus. A igreja, nos dizeres de Martin Luther King, deveria ser a consciência da sociedade. Mas parece que grande parte dessa consciência esta cauterizada e é imprópria para uso. Precisamos urgentemente atentar para a chamada do profeta Joel 1:13-15; 2:12-17
13 Cingi-vos e lamentai-vos, sacerdotes; gemei, ministros do altar; entrai e passai a noite vestidos de saco, ministros do meu Deus; porque a oferta de alimentos, e a libação, foram cortadas da casa de vosso Deus. 14 Santificai um jejum, convocai uma assembléia solene, congregai os anciãos, e todos os moradores desta terra, na casa do SENHOR vosso Deus, e clamai ao SENHOR. 15 Ai do dia! Porque o dia do SENHOR está perto, e virá como uma assolação do Todo-Poderoso”...
12 Ainda assim, agora mesmo diz o SENHOR: Convertei-vos a mim de todo o vosso coração; e isso com jejuns, e com choro, e com pranto. 13 E rasgai o vosso coração, e não as vossas vestes, e convertei-vos ao SENHOR vosso Deus; porque ele é misericordioso, e compassivo, e tardio em irar-se, e grande em benignidade, e se arrepende do mal. 14 Quem sabe se não se voltará e se arrependerá, e deixará após si uma bênção, em oferta de alimentos e libação para o SENHOR vosso Deus? 15 Tocai a trombeta em Sião, santificai um jejum, convocai uma assembléia solene. 16 Congregai o povo, santificai a congregação, ajuntai os anciãos, congregai as crianças, e os que mamam; saia o noivo da sua recâmara, e a noiva do seu aposento. 17 Chorem os sacerdotes, ministros do SENHOR, entre o alpendre e o altar, e digam: Poupa a teu povo, ó SENHOR, e não entregues a tua herança ao opróbrio, para que os gentios o dominem; porque diriam entre os povos: Onde está o seu Deus?
Urgente se faz uma retomada da ética e da moral no meio evangélico para podermos ser sal e luz deste mundo. Urgente se faz levantarmos um clamor ao nosso Deus por misericórdia e isso em profundo arrependimento, lágrimas e rosto no pó.
Urgente se faz uma MARCHA EM FAVOR DA MORAL E ÉTICA EM NOSSO MEIO.

Soli Deo Glória
Pr. Luiz Fernando R. de Souza