31 maio 2012

ENCONTRO DE CASAIS 07/07/2012


Vem aí nosso encontro de casais. Acontecerá no dia 07/072012 às 19:30h na  Igreja Batista da Aliança.
A família vem sofrendo fortes ataques e a sociedade vê imobilizada os meios de comunicação, autoridades e ídolos tentarem destruírem a família como a conhecemos. O que fazer para melhorar nossa vida no lar? Quais comportamentos devo praticar para fortalecer minha família? Venha participar desse evento tão importante e seja grandemente abençoado.
Serão momentos de crescimento pessoal e familiar com boa descontração. Sua Presença é imprescindível. Para que tenhamos um bom encontro sugerimos que o irmão convide e traga pelo menos 02 casais convidados. Abaixo alguns dados do nosso encontro:

 

Evento - Encontro de Casais
Local - Igreja Batista da Aliança - Rua Ártica, 220 - Belo Horizonte - MG.
Dia - 07/07/2012
Horário - 19:30h.
Investimento: R$ 25,00 por casal
Tema - 08 Maneiras de Dizer Te Amo

Até lá.
Um forte abraço
Em Cristo


ASSINAURA E-MAIL PR LUIZ FINAL.jpg
         

18 maio 2012

A IGREJA QUE SE PROSTITUI




Pareja enmascarada

A palavra prostituição lembra comportamentos que traduziríamos em seduzir e deixar-se seduzir. Cada vez mais vemos igrejas seduzindo os homens para o caminho da idolatria (Mamon) hedonismo e lassidão moral dentre vários outros, e se deixando seduzir por doutrinas espúrias, anticristãs, pelo mundanismo.  Quando a igreja se deixa cooptar pelos atrativos e mentalidade do mundo ela está se prostituindo, pois a Palavra de Deus nos adverte que aquele que quer ganhar a amizade do mundo torna-se inimigo de Deus. Tg. 4:4.
Em primeiro lugar vemos a igreja se prostituir quando abranda seus padrões morais. O pecado grassa a passos largos dentro da igreja. Aumenta o número de jovens grávidas dentro das igrejas e isso não incomoda mais nem aos pais nem à liderança. Neste ponto a disciplina eclesiástica foi banida para o fundo do quintal e um comportamento Laissez-Faire é adotado como padrão em nosso meio. O padrão de santidade bíblico foi abandonado porque se for anunciado dos púlpitos provocará um esvaziamento das igrejas. Talvez, exigirá muito dos membros a busca da santidade assim como Senhor nosso Deus é Santo. Vimos recentemente um fato que ilustra o que foi dito acima. Um jogador de futebol que conquistou o título estadual com seu clube apareceu em frente às câmeras de televisão comemorando o campeonato de sunga e com uma faixa em sua cabeça que continha os dizeres: 100% Jesus. Logo após a saída do estádio foram comemorar em uma boate onde este mesmo jogador pagou a festa que teve participação de 10 mulheres para homem presente. Este mesmo jogador já é pai de uma criança sem ser casado. Diz-se evangélico e temente a Deus. Poderíamos nos perguntar onde está o pastor deste jovem jogador? Qual tipo de igreja ele frequenta? Creio que a liderança nada fala porque talvez as ofertas que entrem na igreja superem os R$ 300.000,00 por mês. Nesse caso fica difícil apontar o pecado e o mal frente a este volume financeiro. Sim a igreja tem se prostituído e se tornado prostituta quando abranda seus padrões morais, achando assim que conquistará mais almas para Cristo. No entanto, esquece que o Senhor Jesus nunca se coadunaria com tais padrões. Esquece-se que quando mais próxima do mundo ela for menos impacto provoca. O apóstolo Paulo nos adverte fortemente em  II Tm 3:1-9 “Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. 2 Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, 3 Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons,
4 Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus,
5 Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.
6 Porque deste número são os que se introduzem pelas casas, e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências; 7 Que aprendem sempre, e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade. 8 E, como Janes e Jambres resistiram a Moisés, assim também estes resistem à verdade, sendo homens corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé. 9 Não irão, porém, avante; porque a todos será manifesto o seu desvario, como também o foi o daqueles”.
Em segundo lugar a igreja se prostitui quando permite que seus líderes permaneçam nos púlpitos mesmo em pecado. Já virou tendência pastores se divorciarem e permanecerem nas igrejas como líderes. (Abordo aqui somente adultério ou escândalos. Alguns divórcios pastorais devem ser ponderados com outra ótica) Pastores que adulteraram e desonraram o chamado de Deus e quebraram a confiança da igreja ainda permanecem como pastores em nosso meio. Quando isso acontece a porta se escancara para o pecado e o padrão de Deus se esvai pelo ralo. Certamente o Senhor já não fala mais em tais lugares e ai outras vozes se apresentam como vozes proféticas em meio ao caos eclesiástico. Ha pouco tempo vi um chamado pela internet de um congresso de homens da promessa ou homens de valor ou algo parecido em que um pastor que adulterou com uma jovem, de 15 anos era um dos palestrantes. Fiquei a me perguntar que congresso era esse e quais seriam os homens de valor daquele congresso? O que poderiam ofertar diante de uma tal aberração? Mas quando a igreja afrouxa seu padrão de conduta para seus líderes então isso se torna oferecer fogo estranho no altar do Senhor. Acham que Deus é somente amor. Esquecem-se que os salmos nos dizem que a base do trono de Deus é santidade e justiça. O padrão de Deus é homens santos dando exemplo de santidade. Enquanto as igrejas tolerarem o pecado em seus púlpitos estará se prostituindo e envergonhando Deus e sendo envergonhada. A máxima dos puritanos era: “Pastores santos e cultos”. Vivendo esta máxima eles fundaram uma das maiores ou a maior universidade do mundo a Harvard Business School. Necessário se faz uma assepsia nos quadros de lideranças das igrejas onde estas não admitam nem tolerem o pecado em seus púlpitos. Que as igrejas sejam corajosas para destituírem os adúlteros dos cargos de liderança.
Antes das igrejas verem as qualificações dos seus líderes como capacidade de pregar, expressar em publico etc., devem observar caráter, integridade moral e seus modos de vida.

Em terceiro lugar a igreja se prostitui quando aceita em seus quadros ministeriais pastores sem o menor conhecimento de Bíblia e teologia. A onda avassaladora de falsos ensinos que ganhou várias igrejas é algo assustador. Existe um modo de pensar que diz que o conhecimento não importa e sim a atuação do Espírito Santo. Mas a Palavra nos diz que o Espírito nos conduziria em toda verdade e verdade é apreendida e isso por meio de esforço muitas vezes. Lembro-me que anos atrás, enquanto seminarista, um pastor me disse que quando era tradicional ele tinha uma montanha de livros para estudar ao preparar os sermões, mas que depois de ser revestido com poder pelo Espirito Santo deixou essas coisas para traz. Então eu lhe disse: Depois que experimentei o poder do Espirito Santo ai eu passei a estudar mais e a comprar mais livros. Na realidade são pastores preguiçosos que acham que basta abrir a Bíblia em qualquer passagem que o sermão aparece do nada em suas mentes. Pastores despreparados levam as igrejas a se prostituírem no altar do sincretismo religioso. Ha pouco tempo vi um vídeo pela internet onde pessoas vestidas de batas longas carregavam um modelo da arca da aliança dentro de uma igreja e o pastor gritava que quem tocasse na arca seria abençoado. Fazer uma replica da Arca da Aliança e destacar isso é uma das maiores demonstrações de idolatria sendo introduzidas em igrejas que já perderam a pureza doutrinária. Sim a igreja se prostitui ao aceitar um padrão inferior de liderança. O exemplo bíblico deveria ser o nosso padrão quando a igreja primitiva ao enviar os primeiros missionários enviou nada menos que o apóstolo Paulo.

Em quarto lugar a igreja se prostitui quando avalia ministério pelo tamanho de uma igreja e não pelo compromisso com a Palavra de Deus. Quando avaliamos uma igreja pelo seu tamanho precisamos nos dobrar diante da igreja (Growing In Grace International Ministry, Inc.) igreja do megalomaníaco José Luís Miranda que se diz ser Jesus Cristo em carne e osso e já conta com mais de 10.000 membros só no Brasil. Se o critério for tamanho precisamos nos dar por vencido diante do Rev. Moon da igreja da unificação que diz que  Moon veio cumprir aquilo que o Senhor Jesus não fez através do casamento e já arrebatou milhares de seguidores. Se o tamanho é o padrão de avaliação então teremos de descartar milhares de pastores e igrejas que crescem lentamente e são pequenas. Teremos de descartar milhares de missionários que nos rincões do Brasil não pastoreiam igrejas com mais de 30 membros e aqueles que no mundo árabe ganham uma alma para Cristo a cada 5 ou 10 anos.  A igreja se prostitui quando abandona o padrão de fidelidade à Palavra e adota métodos mundanos de ativismo cego. Igreja não é empresa que visa somente lucro. Pastor não é executivo que se gaba de altos salários e mordomias outras. Compromisso com a Palavra de Deus deve ser o único padrão na avaliação de uma igreja. Muitas vezes o Senhor dá o crescimento outras vezes o terreno arado é mais duro e exige mais tempo. Mas negociar o compromisso com a Palavra em troca de igrejas cheias a qualquer custo é se deixar avaliar por outros padrões que não os da Palavra.
A grande realidade é que os milhares que enchem várias igrejas nunca souberam o que é ser regenerados e os líderes dos tais também não se preocupam se são ou não, conquanto que ofertem regularmente.

Outros pontos poderiam ser destacados, mas ficaremos somente com estes quatros. Talvez alguém se encoraje a estendê-los.
Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste!”

Soli Deo Gloria

Pr. Luiz Fernando R. de Souza

04 maio 2012

A HERESIA DO EGOCENTRISMO

   

 

A Heresia do Egocentrismo

 

John MacArthur

John MacArhtur, autor de mais de 150 livros e conferencista internacional, é pastor da Grace Comunity Church, em Sum Valley, Califórnia, desde 1969; é presidente do Master's College and Seminary e do ministério "Grace to You"; John e sua esposa Patrícia têm quatro filhos e quatorze netos.

"Não negligencieis a prática do bem e a mútua cooperação [koinonia]"
Hebreus 13.16
O egocentrismo não tem lugar na igreja. Nem devíamos dizer isso, mas, desde o alvorecer da era apostólica até hoje, o amor próprio em todas as suas formas tem prejudicado incessantemente a comunhão dos santos. Um exemplo clássico e antigo de egocentrismo fora de controle é visto no caso de Diótrefes. Ele é mencionado em 3 João 9-10, onde o apóstolo diz: "Escrevi alguma coisa à igreja; mas Diótrefes, que gosta de exercer a primazia entre eles, não nos dá acolhida. Por isso, se eu for aí, far-lhe-ei lembradas as obras que ele pratica, proferindo contra nós palavras maliciosas. E, não satisfeito com estas coisas, nem ele mesmo acolhe os irmãos, como impede os que querem recebê-los e os expulsa da igreja".
Diótrefes anelava ser o preeminente em sua congregação (talvez até mais do que isso). Portanto, ele via qualquer outra pessoa que tinha autoridade de ensino – incluindo o apóstolo amado – como uma ameaça ao seu poder. João havia escrito uma carta de instrução e encorajamento à igreja, mas, por causa do desejo de Diótrefes por glória pessoal, ele rejeitou o que o apóstolo tinha a dizer. Evidentemente, ele reteve da igreja a carta de João. Parece que ele manteve em segredo a própria existência da carta. Talvez ele a destruiu. Por isso, João escreveu sua terceira epístola inspirada para, em parte, falar a Gaio sobre a existência da carta anterior.
Na verdade, o egoísmo de Diótrefes o tornou culpado do mais pernicioso tipo de heresia: ele rejeitou ativamente e se opôs à doutrina apostólica. Por isso, João condenou Diótrefes em quatro atitudes: ele rejeitou o ensino apostólico; fez acusações injustas contra um apóstolo; foi inóspito para com os irmãos e excluiu aqueles que não concordavam com seu desafio a autoridade de João. Em todo sentido imaginável, Diótrefes era culpado da mais obscura heresia, e todos os seus erros eram frutos de egocentrismo.
Em nosso estado caído, estado de carnalidade, somos todos assediados por uma tendência para o egocentrismo. Isto não é uma ofensa insignificante, nem um pequeno defeito de caráter, nem uma ameaça irrelevante à saúde de nossa fé. Diótrefes ilustra a verdade de que o amor próprio é a mãe de todas as heresias. Todo falso ensino e toda rebelião contra a autoridade de Deus estão, em última análise, arraigados em um desejo carnal de ter a preeminência – de fato, um desejo de reivindicar para si mesmo aquela glória que pertence legitimamente a Cristo. Toda igreja herética que já vimos tem procurado suplantar a verdade e a autoridade de Deus com seu próprio ego pretensioso.
De fato, o egocentrismo é herético porque é a própria antítese de tudo que Jesus ensinou ou exemplificou. E produz sementes que dão origem a todas as outras heresias imagináveis.
Portanto, não há lugar para egocentrismo na igreja. Tudo no evangelho, tudo que igreja tem de ser e tudo que aprendemos do exemplo de Cristo golpeia a raiz do orgulho e do egocentrismo humano.
Koinonia
As descrições bíblicas de comunhão na igreja do Novo Testamento usam a palavra grega koinonia. O espírito gracioso que essa palavra descreve é o extremo oposto do egocentrismo. Traduzida diferentemente por "comunhão", "compartilhamento", "cooperação" e "contribuição", esta palavra é derivada de koinos, a palavra grega que significa "comum". Ela denota as ideias de compartilhamento, comunidade, participação conjunta, sacrifício em favor de outros e dar de si para o bem comum.
Koinonia era uma das quatro atividades essenciais que mantinha os primeiros cristãos juntos: "E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão [koinonia], no partir do pão e nas orações" (At 2.42). O âmago da "comunhão" na igreja do Novo Testamento era culto e sacrifício uns pelos outros, e não festividade ou funções sociais. A palavra em si mesma deixava isso claro nas culturas de fala grega. Ela foi usada em Romanos 15.26 para falar de "uma coleta em benefício dos pobres" (ver também 2 Co 9.3). Em 2 Coríntios 8.4, Paulo elogiou as igrejas da Macedônia por "participarem [koinonia] da assistência aos santos". Hebreus 13.16 diz: "Não negligencieis, igualmente, a prática do bem e a mútua cooperação [koinonia]". Claramente, o egocentrismo é hostil à noção bíblica de comunhão cristã.
Uns aos outros
Esse fato é ressaltado também pelos muitos "uns aos outros" que lemos no Novo Testamento. Somos ordenados: a amar "uns aos outros" (Jo 13.34-35; 15.12, 17); a não julgar "uns aos outros" e ter o propósito de não por tropeço ou escândalo ao irmão (Rm 14.13); a seguir "as coisas da paz e também as da edificação de uns para com os outros" (Rm 14.19); a ter "o mesmo sentir de uns para com os outros" e acolher "uns aos outros, como também Cristo nos acolheu para a glória de Deus" (Rm 15.5, 7). Somos instruídos a levar "as cargas uns dos outros" (Gl 6.2); a sermos benignos uns para com os outros, "perdoando... uns aos outros" (Ef 4.32); e a sujeitar-nos "uns aos outros no temor de Cristo" (Ef 5.21). Em resumo, "Nada façais por partidarismo ou vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo" (Fp 2.3).
No Novo Testamento, há muitos mandamentos semelhantes que governam nossos relacionamentos mútuos na igreja. Todos eles exigem altruísmo, sacrifício e serviço aos outros. Combinados, eles excluem definitivamente toda expressão de egocentrismo na comunhão de crentes.
Cristo como cabeça de seu corpo, a igreja
No entanto, isso não é tudo. O apóstolo Paulo comparou a igreja com um corpo que tem muitas partes, mas uma só cabeça: Cristo. Logo depois de afirmar, enfaticamente, a deidade, a eternidade e a proeminência absoluta de Cristo, Paulo escreveu: "Ele é a cabeça do corpo, da igreja" (Cl 1.18). Deus "pôs todas as coisas debaixo dos pés, e para ser o cabeça sobre todas as coisas, o deu à igreja, a qual é o seu corpo" (Cl 1.22-23). Cristãos individuais são como partes do corpo, existem não para si mesmos, mas para o bem de todo o corpo: "Todo o corpo, bem ajustado e consolidado pelo auxílio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para a edificação de si mesmo em amor" (Ef 4.16).
Além disso, cada parte é dependente de todas as outras, e todas estão sujeitas à Cabeça. Somente a Cabeça é preeminente, e, além disso, "se um membro sofre, todos sofrem com ele; e, se um deles é honrado, com ele todos se regozijam" (1 Co 12.26).
Até aquelas partes do corpo aparentemente insignificantes são importantes (vv. 12-20). "Deus dispôs os membros, colocando cada um deles no corpo, como lhe aprouve. Se todos, porém, fossem um só membro, onde estaria o corpo?" (vv. 18-19).
Qualquer evidência de egoísmo é uma traição de não somente o resto do corpo, mas também da Cabeça. Essa figura torna o altruísmo humilde em virtude elevada na igreja – e exclui completamente qualquer tipo de egocentrismo.
Escravos de Cristo
A linguagem de escravo do Novo Testamento enfatiza, igualmente, esta verdade. Os cristãos não são apenas membros de um corpo, sujeitos uns aos outros e chamados à comunhão de sacrifício. Somos também escravos de Cristo, comprados com seu sangue, propriedade dele e, por isso, sujeitos ao seu senhorio.
Escrevi um livro inteiro sobre este assunto. Há uma tendência, eu receio, de tentarmos abrandar a terminologia que a Escritura usa porque – sejamos honestos – a figura de escravo é ofensiva. Ela não era menos inquietante na época do Novo Testamento. Ninguém queria ser escravo, e a instituição da escravidão romana era notoriamente abusiva.
No entanto, em todo o Novo Testamento, o relacionamento do crente com Cristo é retratado como uma relação de senhor e escravo. Isso envolve total submissão ao senhorio dele, é claro. Também exclui toda sugestão de orgulho, egoísmo, independência ou egocentrismo. Está é simplesmente mais uma razão por que nenhum tipo de egocentrismo tem lugar na vida da igreja.
O próprio senhor Jesus ensinou claramente este princípio. Seu convite a possíveis discípulos foi uma chamada à total autorrenúncia: "Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me" (Lc 9.23).
Os doze não foram rápidos para aprender essa lição, e a interação deles uns com os outros foi apimentada com disputas a respeito de quem era o maior, quem poderia ocupar os principais assentos no reino e expressões semelhantes de disputas egocêntricas. Por isso, na noite de sua traição, Jesus tomou uma toalha e uma bacia e lavou os pés dos discípulos. Sua admoestação para eles, na ocasião, é um poderoso argumento contra qualquer sussurro de egocentrismo no coração de qualquer discípulo: "Ora, se eu, sendo o Senhor e o Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros. Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também" (Jo 13.14-15).
Foi um argumento do maior para o menor. Se o eterno Senhor da glória se mostrou disposto a tomar uma toalha e lavar os pés sujos de seus discípulos, então, aqueles que se chamam discípulos de Cristo não devem, de maneira alguma, buscar preeminência para si mesmos. Cristo é nosso modelo, e não Diótrefes.
Não posso terminar sem ressaltar que este princípio tem uma aplicação específica para aqueles que estão em posições de liderança na igreja. É um lembrete especialmente vital nesta era de líderes religiosos que são superestrelas e pastores jovens que agem como estrelas de rock. Se Deus chamou você para ser um presbítero ou mestre na igreja, ele o chamou não para sua própria celebridade ou engrandecimento. Deus o chamou a fazer isso para a glória dele mesmo. Nossa comissão é pregar não "a nós mesmos, mas a Cristo Jesus como Senhor e a nós mesmos como vossos servos [escravos], por amor de Jesus" (2 Co 4.5).

Traduzido por: Francisco Wellington Ferreira
Editor: Tiago Santos
Copyright © John MacArthur & Tabletalk
Copyright © Editora FIEL 2012.